NORMA LINGUÍSTICA, HIBRIDISMO & TRADUÇÃO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marcos Bagno

Resumo

O conceito de norma linguística desde sempre oscila entre uma perspectiva do normal e uma perspectiva do normativo. A primeira é de interesse da sociolinguística e das práticas descritivas da língua; a segunda é o foco de atenção da gramática normativa e das práticasprescritivas. Na sociedade brasileira contemporânea, no entanto, essa separação se torna cada vez mais instável e difuso, dando origem de fato a normas híbridas, em que se confundem prescrições tradicionais e representações do normativo por parte dos diferentes falantes. Nosprocessos sociais de tradução, essa hibridização fica patente nas diferentes normas que incidem sobre um texto traduzido desde sua produção pelo tradutor até sua impressão definitiva e chegada ao mercado. Entre esses dois polos, diversos agentes normativos interferem na tradução, muitas vezes em franca oposição às opções iniciais do tradutor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos

Referências

ALÉONG, S. Normas linguísticas, normas sociais: uma perspectiva antropológica. In: BAGNO, M. (org.). Norma linguística. São Paulo: Loyola, 2001.
ALMEIDA, N. M. Dicionário de questões vernáculas. São Paulo: LTC, 1994.
AULETE, C. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Delta, 1958.
BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2011.
BAGNO, M. A norma oculta. São Paulo: Parábola, 2003.
BAGNO, M. (org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.
BAGNO, M. (org.). Norma linguística. São Paulo: Loyola, 2001.
BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 39a ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 1999.
CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 50a ed. São Paulo: Nacional, 1990.
CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
CUNHA, C.; CINTRA, L. F. L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desembaraçando alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.
HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. 2a ed. São Paulo: Objetiva, 2009.
LAGARES, X.; BAGNO, M. (orgs.). Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2011.
LUCCHESI, D. Norma linguística e realidade social. In: BAGNO, Marcos (org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.
MATTOS e SILVA, R. V. Contradições no ensino de português. São Paulo: Contexto, 1995.
______. O português são dois... São Paulo: Parábola, 2006.
REY, A. (2001). Usos, julgamentos e prescrições linguísticas. In: BAGNO, Marcos (org.). Norma linguística. São Paulo: Loyola, 2001.
ROCHA LIMA, L. H. Gramática normativa da língua portuguesa. 38a ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.