A Invenção do Popular:

Algumas notas sobre as mediações históricas de uma categoria erudita

  • Artur André Lins

Resumo

A proposta desse ensaio de interpretação sociológica consiste em discutir a relação entre a produção simbólica, a invenção do popular e as imagens de país. Partimos, assim, do conceito dialético de “mediação” para colocar o problema da formação conceitual. A invenção do “popular” será o tema desse ensaio a partir de uma tripla ênfase: 1) primeiramente, será apresentada as mediações históricas do conceito de “popular” e o modo pelo qual ele foi aproximado do domínio da “cultura”; 2) no segundo momento, a reflexão se dá mediante o debate acerca da “cultura popular” e as dinâmicas do processo criativo, de tal modo que a relação entre “tradição” e “inovação” será contrastada com o par conceitual, familiar ao raciocínio sociológico, “agência” e “estrutura”; 3) finalmente, ao compreender a densidade do conceito de “popular” no âmbito da esfera política, a reflexão procura lidar com o jogo simbólico de constituição de imagens de país e invenção do povo-nação no âmbito da sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, Benedict. Imagined Communities: Reflections on the Origin and Spread of Nationalism. London, Biddles Ltd, 1983.

ADORNO, Theodor. “Conteúdo da Experiência” In. Três estudos sobre Hegel. São Paulo, Ed. Unesp, 2013.

ADORNO, Theodor. “O Conceito de Esclarecimento” In. Dialética do Esclarecimento. Zahar, 2006.

ALEXANDER, Jeffey. “O Novo Movimento Teórico” In. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.02, n.04, p.05-28, jun. 1987.

BOURDIEU, Pierre. “Espírito de Estado: Gênese e Estrutura do Campo Burocrático” In. Razões Práticas – Sobre a teoria da ação. Papirus Editora, Campinas SP, 11ª edição, 2013.

BOURDIEU, P. Coisas Ditas. São Paulo: Editora Brasiliense, 2004.

BURKE, Peter. A Cultura Popular na Idade Moderna. Companhia das Letras, São Paulo, 2013.

CHARTIER, Roger. “Cultura Popular: revistando um conceito historiográfico”. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 8, n° 16, 1995, p. 179-192.

DE ANDRADE, Oswald. Manifesto da Poesia Pau-Brasil. Correio da Manhã, 1924.

DE ANDRADE, Oswald. Manifesto Antropófago. Revista de Antropofagia, 1928.

DE CAMPOS, Haroldo. “Da Razão Antropofágica: Diálogo e Diferença na Cultura Brasileira” In. Metalinguagem e suas metas. Editora Perspectiva, 1992.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador: Formação do Estado e Civilização (Vol. 1). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1994.

GINZBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes. Companhia das Letras, São Paulo, 2015.

HEGEL, G. W. F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio. São Paulo: Loyola, 2005.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: Estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002.

HOBSBAWN, Eric. A Invenção das Tradições. Paz e Terra, São Paulo, 1997.

LOWY, Michel. Walter Benjamin: aviso de incêndio. Boitempo editorial, 2005.

MARTÍN-BARBERO, Jesús (1987). Dos meios às Mediações: Comunicação, Cultura e Hegemonia. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2015.

MARTINS, Luciano. A Gênese de uma Intelligensia: os intelectuais e a política no Brasil 1920 a 1940, Portal da Anpocs, 1986.

ORTIZ, Renato. Românticos e Folcloristas. Editora Olho d’Água. São Paulo, 1992.

ORTIZ, Renato. “Imagens do Brasil” In. Universalismo e Diversidade – Contradições da Modernidade-Mundo. São Paulo, Boitempo, 2015.

SCHWARZ, Roberto. Nacional por subtração In. Cultura e Política. Paz e Terra, 2005.

SCHVARZMAN, Sheila; IANEZ, Mirrah. “O Guarani no cinema brasileiro: o olhar imigrante” In. São Paulo, Revista Galáxia n. 24, p. 153-165, dez. 2012

WILLIAMS, Raymond. Cultura e Sociedade. Editora Vozes, 2011.

Publicado
2019-01-31