O Índice de Ecoeficiência em âmbito internacional: uma análise comparativa do desempenho de 51 países entre os anos de 1991 e 2012

Harine Matos Maciel, AHMAD SAEED KHAN

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi calcular o Índice de Ecoeficiência (IE) para 51 países por meio do método Análise Envoltória de Dados (DEA). Verificou-se que o valor da ecoeficiência média diminuiu entre os anos de 1991 e 2012. Houve predominância dos países desenvolvidos e do continente europeu nos maiores índices de ecoeficiência. Os piores resultados foram alcançados por Índia e China. De modo geral, em todos os anos, o IE foi muito baixo na maioria dos países, sendo que metade destes são países em desenvolvimento e localizados, predominantemente, no continente asiático. A principal implicação dos resultados obtidos é de que são necessárias regulamentações mais rigorosas acerca do tema ambiental, principalmente para os países que apresentaram baixos valores de ecoeficiência. A presente análise sobre o Índice de Ecoeficiência busca ampliar o conhecimento sobre o assunto para propor melhores alternativas para alcançar a sustentabilidade tão necessária para as futuras gerações.

Palavras-chave


Ecoeficiência; Recursos Naturais; Desenvolvimento; Preservação.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA BRASIL. Japão compromete-se a reduzir emissões de gases em 26% até 2030. Disponível em: . Acesso em: fev. 2017.

ALEXANDER, S. A Critique of Techno-Optimism: efficiency without sufficiency is lost. Melbourne Sustainable Society Institute, Working Paper, 2014.

ALVES, J. E. D. Pegada Ecológica no mundo, Canadá e Índia, o que fazer? EcoDebate, 2016. Disponível em: . Acesso em: fev. 2017.

ALVES, J. E. D. Duas enormes pegadas ecológicas: EUA grande consumo e China grande população. EcoDebate, 2014. Disponível em: . Acesso em: fev. 2017.

BANCO MUNDIAL. Dados ambientais, econômicos e sociais. 2016. Disponível em: . Acesso em: jul. 2016.

BECKERMAN, W. Economic Growth and the Environment: Whose Growth? Whose Environment. World Development, v. 20, p. 481-496, 1992.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Uso de Energias Renováveis. 2015. Disponível em: . Acesso em: jun. 2016.

BRAUNGAST, M.; MCDONOUGH, W.; BOLLINGER, A. Cradle – to – cradle design: creating healthy emissions e a strategy for eco-effective product and system design. Journal of Cleaner Production, 2006.

CAMARERO, M. et al. Eco-efficiency and convergence in OECD countries. Environ Resource Econ, 2012, p. 87-106.

CARVALHO, T. S.; ALMEIDA, E. A Hipótese da Curva de Kuznets Ambiental Global: uma perspectiva econométrico-espacial. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 587-615, 2010.

COOPER, W. W.; SEIFORD, L. M.; TONE, K. Introduction to data envelopment analysis and its uses: with DEA-Solver software and references. New York: Springer, 2000. INSB-13: 978-0387-28580-1.

COOPER, W.; SEIFORD, L. M.; ZHU, J. Handbook on Data Envelopment Analysis. International Series in Operations Research & Management Science. Springer, 2004.

COOPER, J.; HERON, T.; HEWARD, W. Applied Behavior Analysis. 2nd ed. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 2007.

DEACON, R. T.; NORMAN, C. S. Is the Environmental Kuznets Curve an Empirical Regularity? UCSB Working Paper 22-03, Department of Economics, University of California, Santa Barbara, 2004.

DEPARTAMENTO DE AGRICULTURA DOS ESTADOS UNIDOS (USDA). Fatos e tendências históricas das florestas dos Estados Unidos. Washington, 2015, 64p. Disponível em: . Acesso em: nov. 2016.

GONÇALVES, J. C. Homem Natureza: uma relação conflitante ao longo da história. Revista Multidisciplinar da Uniesp, p. 7, 2007. Disponível em: . Acesso em: jan. 2015.

GREEN ENERGY LEADERS. Uruguai e as energias renováveis. 2015. Disponível em: . Acesso em: fev. 2017.

GUTIÉRREZ, B.; DIAZ, A.; LOZANO, S. Eco-efficiency of eletric and eletronic appliances: a data envelopment analysis (DEA). Environmental Modeling and Assessment, 2008, p. 439-447.

HAYNES, K. E. et al. Environmental decision models: U.S. experience and a new approach to pollution management. Environment International, 1993, p. 75-261.

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY (IEA). World energy outlook 2011. Paris: OECD/IEA, 2011. 666 p.

LEHNI, M. Eco-efficiency: creating more value with less impact. Switzerland: WBCSD, 2000.

LOMBORG, B. The Skeptical Environmentalist. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

MACEDO, M. A. S; BENGIO, M. C. Avaliação de eficiência organizacional através de análise envoltória de dados. In: VIII CONGRESSO INTERNACIONAL DE CUSTOS, Punta del Leste, 2003.

MANDAL, K. S.; MADHESWARAN, S. Environmental efficiency of the Indian cement industry: an interstate analysis, Energy Policy, v. 38, p. 1108-1118, 2010.

MEZA, L. A. et al. Free software for decision analysis: a software package for data enevelopment models. In: 7TH INTERNATIONAL CONFERENCE ON ENTERPRISE INFORMATION SYSTEMS – ICEIS 2005, v. 2, p. 207-212.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). A cobertura florestal na China. 2016. Disponível em: . Acesso em: nov. 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO. As florestas ainda cobrem 31% da superfície da Terra. 2015. Disponível em: . Acesso em: set. 2016.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OCDE). Relatório Anual de 2003. Disponível em: . Acesso em: jul. 2016.

PICAZO-TADEO, A. J.; GÓMEZ, J. A.; MARTINEZ, E. R. Eco-efficiency assessment of olive farms in Andalusia. Land Use Policy, v. 29, 2. ed., p. 395-406, 2012.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Desenvolvimento Humano e IDH. 2006. Disponível em: . Acesso em: jul. 2016.

REVISTA EXAME. Os países que mais empregam em energia renovável: China é o 1º. 2015. Disponível em: . Acesso em: out. 2016.

REVISTA EXAME. Os 10 países com o sistema elétrico mais sustentável em 2015. Disponível em: . Acesso em: fev. 2017.

REVISTA EXAME. O mercado de energia renovável está radiante nos EUA. 2015. Disponível em: . Acesso em: nov. 2016.

ROBAINA-ALVES, M.; MOUTINHO, V.; MACEDO, P. A new frontier approach to model the eco-efficiency in European countries. Journal of Cleaner Production xxx, p. 12, 2015.

SARKIS, J. Ecoefficiency Measurement Using Data Envelopment Analysis: research and practitioner issues. Journal of Environmental Assessment Policy and Management, v. 6, n. 1, p. 91-123, 2004.

SCHALTEGGER, S. et al. Environmental Management Accounting for Cleaner Production. Eco-efficiency in Industry an Science, v. 24. Netherlands: Springer, 2008.

SHIM, H. S.; EO, S. Y. An analysis of eco-efficiency in Korean fóssil-fueled power plants using DEA. Zero-Carbon Energy Kyoto 2009: proceedings of the first international, p. 85-89, 2009.

SOARES, A. P.; SCARPA, F. Pegada ecológica: qual é a sua? São José dos Campos, SP, Inpe, 2012, 24p.

THE GUARDIAN. As emissões de gases do efeito estufa e o setor agropecuário. 2016. Disponível em: . Acesso em: set. 2016.

TYNKKYNEN, N.; AALTO, P. Environmental sustainability of Rusia’s energy policy. In: AALTO, P. (Org.). Russia’s energy policy: national, interregional and global levels. Cheltenham: Edward Elgar, 2012. 272p.

ÜSTUN, A. K. Evaluating environmental efficiency of Turkish cities by data envelopment analysis. Global NEST Journal, v. 17, n. 2, p. 281-290, 2015.

VERISSIMO, A.; NUSSBAUM, R. Um resumo do status das florestas em países selecionados – nota técnica. The Proforest Initiative. Iamzon. 2011, 36p. Disponível em: . Acesso em: fev. 2017.

WORLD BUSINESS COUNCIL FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT – WBCSD. A eco-eficiência: criar mais valor com menos impacto. Lisboa: WBCSD, 1992.

ZHANG, B. et al. Eco-efficiency analysis of industrial system in China: a data envelopment analysis a pproach. Ecological Economics, p. 306-316, 2008.

ZHANG, K. et al. Implementing stricter environmental regulation to enhance eco-efficiency and sustainability: a case study of Shandong Province’s pulp and paper industry China. Journal of Cleaner Production, n. 19, p. 303-310, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.18472/SustDeb.v8n1.2017.21089



Direitos autorais 2017 Sustentabilidade em Debate



ISSNe 2179-9067

Creative Commons License
Sustainability in Debate is a publication released by Center for Sustainable Development - University of Brasília is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.
Based on a work at seer.bce.unb.br.

Bases de dados / Indexing databases


Identificador bibliográfico/Bibliographic identifiers

   

 

You are visitor number:

Free Counter
Free Visitor Maps at VisitorMap.orgFlag Counter