Processos estruturais do manejo e conservação da fauna silvestre em risco de extinção: casos amazônicos

  • Wagner de Deus Mateus Secretaria de Estado de Educação e Qualidade dos Ensino do Amazonas, Manaus, AM, Brasil.
  • Maria Inês Gasparetto Higuchi Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Laboratório de Psicologia e Educação Ambiental, Manaus, AM, Brasil
Palavras-chave: Educação Ambiental; Práticas Conservacionistas; Manejo Comunitário; Manejo Participativo.

Resumo

O presente trabalho analisa a estrutura e processos envolvidos na conservação e manejo de duas espécies da fauna silvestre amazônica em risco de extinção. A pesquisa abordou o contexto dos programas de conservação do Gavião-Real (Harpia harpyja) e do tracajá (Podocnemis unifilis) desenvolvidos com comunidades no interior do estado do Amazonas. O estudo baseou-se em uma pesquisa documental com análise de conteúdo. As análises permitiram aglutinar processos e estratégias envoltos na conservação dessas duas espécies-bandeira, baseados em manejo comunitário participativo. Verificou-se que as práticas conservacionistas para ambas as espécies são distintas, mas indicam dimensões comuns e propositivas, tais como: participação, colaboração, comunicação e educação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner de Deus Mateus, Secretaria de Estado de Educação e Qualidade dos Ensino do Amazonas, Manaus, AM, Brasil.

Doutor em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade, Universidade Federal do Amazonas, Professor, Secretaria de Estado de Educação e Qualidade dos Ensino do Amazonas, Manaus, AM. Brasil.

Maria Inês Gasparetto Higuchi, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Laboratório de Psicologia e Educação Ambiental, Manaus, AM, Brasil

Pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Laboratório de Pscicologia e Educação Ambiental, Manaus, AM, Brasil.

Referências

ADOM, D. Inclusion of Local People and Their Cultural Practices in Biodiversity Conservation: lessons from successful nations. American Journal of Environmental Protection, v. 4, n. 3, p. 67-78, 2016.

AGUIAR-SILVA, F. H.; SANAIOTTI, T. M. Mapping the home range of harpy eagles in the Brazilian Amazon basin. Argos Forum, v. 6, 2013, p. 4, 2013.

AGUIAR-SILVA, F. H.; SANAIOTTI, T. M.; LUZ, B. B. Food Habits of the Harpy Eagle, a Top Predator from the Amazonian Rainforest Canopy. Journal of Raptor Research, v. 48, n. 1, p. 24-35, 2014.

ANDRADE, P. C. M. (Ed.). Criação e Manejo de Quelônios no Amazonas. Projeto Diagnóstico da Criação de Animais Silvestres no Estado do Amazonas. 2. ed. ProVárzea/Fapeam/SDS. Manaus/AM., 2007. 447 p.

ANDRADE, P. C. M. Assim nasceu o Projeto Pé-de-Pincha! In: ANDRADE, P. C. M. (Org.). Manejo Comunitário de Quelônios no Médio Amazonas e Juruá – Projeto Pé-de-Pincha. Manaus: Gráfica Moderna, p.15-88, 2012a.

ANDRADE, P. C. M. O projeto Pé-de-Pincha em números: a conservação comunitária de tracajás (Podocnemis unifilis). In: ANDRADE, P. C. M. (Org.). Manejo Comunitário de Quelônios no Médio Amazonas e Juruá – Projeto Pé-de-Pincha. Manaus: Gráfica Moderna, p. 15-88, 2012b.

ANDRADE, P. C. M. Manejo Comunitário de Quelônios no Médio Rio Amazonas, Negro, Madeira e Juruá – Programa Pé-de-Pincha. Relatório Final Geral Barreirinha-AM. Laboratório de Animais Silvestres, Faculdade de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Amazonas. Manaus-AM, 2014.

ARMITAGE, D.; MARSCHKEB, M.; PLUMMER, R. Adaptive co-management and the paradox of learning. Global Environmental Change, v. 18, p. 86-98, 2008.

BANHOS, A. et al. Reduction of Genetic Diversity of the Harpy Eagle in Brazilian Tropical Forests. Plos One, v. 11, n. 2, 12 p., 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 2016. 226 p.

BARNOSKY, A. D. et al. Has the Earth’s sixth mass extinction already arrived? Nature, v. 471, p. 51-57, Mar., 2011.

BARUA, M. et al. Defining Flagship Uses is Critical for Flagship Selection: a critique of the IUCN climate change flagship fleet. Ambio, v. 40, n. 4, p. 431-435, Jun., 2011.

BERKES, F. Evolution of co-management: role of knowledge generation, bridging organizations and social learning. Journal of Environmental Management, v. 90, p. 1692-1702, 2009.

BERKES, F. Rethinking community-based conservation. Conservation Biology, v. 18, n. 3, p. 621-630, 2004.

BICKFORD, D. et al. Science communication for biodiversity conservation. Biological Conservation, v. 151, p. 74-76, 2012.

BORRINI-FEYERABEND, G. et al. Manejo Conjunto de los Recursos Naturales – Organizarse, Negociar y Aprender en la Acción. GTZ y UICN, Kasparek Verlag, Heidelberg (Alemania), 2001.

BOWEN-JONES, E.; ENTWISTLE, A. Identifying appropriate flagship species: the importance of culture and local contexts. FFI, Oryx, v. 36, n. 2, p. 189-195, 2002.

CARLSSON, L.; BERKES, F. Co-management: concepts and methodological implications. Journal of Environmental Management, v. 75, p. 65-76, 2005.

CARO, T. et al. Preliminary assessment of the flagship species concept at a small scale. Animal Conservation, v. 7, p. 63-70, 2004.

CARO, T. M. Conservation by Proxy: indicator, umbrella, keystone, flagship, and other surrogate Species. Island Press: Washington, Covelo, London, 2010.

CARVALHO, R. S.; AGUIAR-SILVA, F. H.; CARMO, C. C. Mostras de Ciências (Itinerante) no Assentamento Vila Amazônia: popularização da Ciência em diferentes espaços educativos. In: X ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, ENPEC. Águas de Lindoia, SP, 24 a 27 de Nov., 2015.

CASTRO, E. V. de. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2013.

CASTRO, E. V. de. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, Rio de Janeiro v. 2, n. 2, p. 115-44, out. 1996.

CLUCAS, B.; MCHUGH, K.; CARO, T. Flagship species on covers of US conservation and nature magazines. Biodiversity Conservation, v. 17, p. 1517-1528, 2008.

CRONA, B.; BODIN, Ö. What you know is who you know? Communication patterns among resource users as a prerequisite for co-management. Ecology and Society, v. 11, n. 27, 2006.

CUNDILL, G.; FABRICIUS, C. Monitoring in adaptive co-management: toward a learning based approach. Journal of Environmental Management, v. 90, p. 3205-3211, 2009.

CURTI, M.; VALDEZ, U. Incorporating Community Education in the Strategy for Harpy Eagle Conservation in Panama. The Journal of Environmental Education, v. 40, n. 4, p. 3-16, 2009.

DESCOLA, P. Más al lá de naturaleza y cultura. Buenos Aires: Amorrortu, 2012.

DESCOLA, P. Estrutura ou sentimento: a relação com o animal na Amazônia. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 23-45, abr. 1998.

DIRZO, R. et al. Defaunation no Antropocene. Science, v. 345, n. 6195, p. 401-406, Jul., 2014.

DUARTE, A. M.; COSTA, F. S.; ANDRADE, P. C. M. Revisão sobre as características das principais espécies de quelônios aquáticos amazônicos. In: MACHADO, P. C. (Org.). Criação e manejo de quelônios no Amazonas. Manaus: Ibama, ProVárzea, p. 24-54, 2007.

DUPRE, A.; DEVAUS, B.; BONIN, F. Turtles of the world. London, A & C Black Plublishers, 2007.

ELLIS, E. C. et al. Dating the Anthropocene: towards an empirical global history of human transformation of the terrestrial biosphere. Elem. Sci. Anth, 2013.

FENNELL, D.; PLUMMER, R.; MARSCHKEC, M. Is adaptive co-management ethical? Journal of Environmental Management, v. 88, p. 62-75, 2008.

FERGUSON-LEES, J.; CHRISTIE, D. A. Raptors of the world. New York: Houghton-Mifflin Company, 2001. 992 p.

FERRARA, C. R. et al. História natural e biologia dos quelônios amazônicos. In: BALESTRA, R. A. M. (Org.). Manejo conservacionista e monitoramento populacional de quelônios amazônicos. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Brasília: Ibama, p.15-28, 2016.

FREITAS, M. A.; LIMA, D. M.; GOMES, F. B. R. Registro de abate de gaviões-reais Harpia harpyja (Accipitridae) para consumo humano no Maranhão, Brasil. Atualidades Ornitológicas, n. 178, Mar./Abr., 2014.

GALETTI, M.; DIRZO, R. Ecological and evolutionary consequences of living in a defaunated world. Biological Conservation, v. 163, p. 1-6, 2013.

GASTAL, M. L.; SARAGOUSSI, M. Os instrumentos para a conservação da biodiversidade. In: BENSUSAN, N. (Org.). Seria Melhor mandar ladrilhar? Biodiversidade: como, para que e por quê? 2. ed. São Paulo: Peirópolis, Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

GUSMÃO, A. C. et al. Records of the occurrence, nesting, and hunting of the Harpy Eagle (Harpia harpyja) (Aves: Accipitridae) in Rondônia, Southwestern Brazilian Amazonia. Atualidades Ornitológicas, v. 190, Mar./Abr., p. 18-23, 2016.

HARRISON, R. D. et al. Consequences of defaunation for a tropical tree community. Ecology Letters, v. 16, n. 5, p. 687-694, 2013.

HOLLING, C. S. Adaptive Environmental Assessment and Management. London: John Wiley and Sons, 1978.

HOME, R. et al. Selection criteria for flagship species by conservation organizations. Environmental Conservation, v. 36, n. 2, Jun., p. 139-148, 2009.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Roteiro Metodológico para Avaliação do Estado de Conservação das Espécies da Fauna Brasileira. Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ag., 2014a.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Portaria N. 444 e 445, de 17 de dezembro de 2014b. Lista de Animais em Extinção. Acesso em: 23 jan. 2015.

INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE (IUCN). IUCN. Red List. Acesso em: 02 mar. 2015.

INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE (IUCN). Bird Life International. Harpia harpyja. The IUCN Red List of Threatened Species, 2016.

JÚNIOR, G. S.; BALESTRA, R. A. M.; LUZ, V. L. F. Breve histórico da conservação dos quelônios amazônicos no Brasil. In: BALESTRA, R. A. M. (Org.). Manejo conservacionista e monitoramento populacional de quelônios amazônicos. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Brasília: Ibama, p. 11-14, 2016.

KUGLER, H. Na iminência de uma nova extinção? Instituto Ciências Hoje, Jul., 2014.

LIMA, A. C. et al. Educação Ambiental no contexto do projeto Pé-de-Pincha – Percurso metodológico. In: ANDRADE, P. C. M. (Org.). Manejo Comunitário de Quelônios no Médio Amazonas e Juruá – Projeto Pé-de-Pincha. Manaus: Gráfica Moderna, p. 189-250, 2012.

MATEUS, W. D. et al. Amazônia no Antropoceno: o manejo como relação entre humanos e fauna silvestre. Interações, v. 19, n. 3, p. 487-501, 2018.

MILLER, J. R. Biodiversity conservation and the extinction of experience. Trends in Ecology and Evolution, v. 20, n. 8, Aug., p. 430-434, 2005.

MIRANDA, E. B. P. Conservation implications of harpy eagle Harpia harpyja predation patterns. Endangered Species Research, v. 29, p. 69-79, 2015.

PEREIRA, H. M. et al. Scenarios for Global Biodiversity in the 21st Century. Science, v. 330, n. 6010, p. 1496-1501, Dec., 2010.

PLUMMER, R. The Adaptive Co-Management Process: an initial synthesis of representative models and influential variables. Ecology and Society, v. 14, n. 2, p. 24, 2009.

PLUMMER, R.; FITZGIBBON, J. Co-Management of Natural Resources: a proposed framework. Environmental Management, v. 33, n. 6, p. 876-885, 2004.

PRIMACK, R. B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: Planta, 2001.

REGAN, T. Jaulas vazias: encarando o desafio dos direitos animais. Porto Alegre: Lugano, 2006.

ROBERGE, J.-M.; ANGELSTAM, P. Usefulness of the Umbrella Species Concept as a Conservation Tool. Conservation Biology, v. 18, n. 1, p. 76-85, Feb., 2004.

ROTEMBERG, J. A. et al. An integrated community-based harpy eagle and avian conservation program for the maya mountains massif, Belize. In: RICH, T. D. et al. (Ed.). Tundra to Tropics: Connecting Birds, Habitats and People. Proceedings of the Fourth International Partners in Flight Conference, p. 493-507, 2009.

SAITO, C. H. et al. Conflitos Socioambientais, Educação Ambiental e Participação Social na Gestão Ambiental. Sustentabilidade em Debate, v. 2, n. 1, p. 121-138, Jan/Jun., 2011.

SANAIOTTI, T. M. A majestosa harpia no Brasil. In: ROSA, J. M. Harpia. Belo Horizonte: Nitro, p. 58-89, 2010.

SEDDON, P. J. et al. Reversing defaunation: restoring species in a changing world. Science, v. 345, n. 6195, p. 406-412, Jul., 2014.

SEKERCIOG˘LU, Ç. H. Promoting community-based bird monitoring in the tropics: conservation, research, environmental education, capacity-building, and local incomes. Biological Conservation, v. 151, p. 69-73, 2012.

SICK, H. Ornitologia Brasileira. Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1997.

SIGRIST, T. Avifauna Brasileira, São Paulo, Editora Avis Brasilis, 600 p., 2009

SILVA, F. H. A.; SANAIOTTI, T. M. Preservação para o ecoturismo do gavião-real. In: IV Mostra de Ciências do Assentamento Vila Amazônia, Livro de Resumo, Parintins, AM, 19-27 de Nov., 2007.

SILVA, A. T. R. A conservação da biodiversidade entre os saberes da tradição e a ciência. Estudos Avançados, v. 29, n. 83, São Paulo, Jan./Apr., p. 233-259, 2015.

SIMBERLOFF, D. Flagships, Umbrellas, and Keystones: is single-species management passé in the landscape era? Biological Conservation, v. 83, n. 3, p. 247-257, 1998.

SINGER, P. Libertação animal. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2010.

SMITH, R. J. et al. Identifying Cinderella species: uncovering mammals with conservation flagship appeal. Conservation Letters, v. 5, n. 3, p. 205-212, 2012.

SOARES, E. S. et al. Plano de ação nacional para a conservação de aves de rapina. Coordenação-Geral de Espécies Ameaçadas. Brasília: ICMBio, 2008. 136 p.

STEFFEN, W.; CRUTZEN, P. J.; MCNEILL, J. R. The Anthropocene: are humans now overwhelming the great forces of nature. Ambio, v. 36, n. 8, p. 614-621, 2007.

TRINCA, C. T.; FERRARI, S. F.; LEES, A. C. Curiosity killed the bird: arbitrary hunting of Harpy Eagles Harpia harpyja on an agricultural frontier in southern Brazilian Amazonia. Cotinga, v. 30, p. 12-15, 2008.

UMMUS, R. E. Diversidade de Respostas Locais a Projetos de Conservação e Desenvolvimento Integrados. Sustentabilidade em Debate, v. 6, n. 2, p. 106-121, mai/ago, 2015.

VAN DIJK, P. P. et al. Turtle Taxonomy Working Group. Turtles of the World. 7th Ed. Annotated Checklist of Taxonomy, Synonymy, Distribution with maps, and Conservation Status. Chelonian Research Monographs, n. 5, v. 7, p. 329-479, 2014.

VARGAS, J. J. G. et al. Estado y distribución actual del Águila arpía (Harpia harpyja) en Centro y Sur América. Ornitologia Neotropical, v. 17, p. 39-55, 2006.

VERÍSSIMO, D. et al. Birds as tourism flagship species: a case study of tropical islands. Animal Conservation, v. 12, p. 549-558, 2009.

VIDAL, M. D.; COSTA, T. V. da. Manejo comunitário de quelônios: a parceria ProVárzea/Ibama – Pé-de-Pincha. In: MACHADO, P. C. (Org.). Criação e manejo de quelônios no Amazonas. Manaus: Ibama, ProVárzea, 2007.

VOGT, R. C. Tartarugas da Amazônia. Lima, Peru, 2008. 104 p.

WALPOLE, M. J.; LEADER-WILLIAMS, N. Tourism and flagship species in conservation. Biodiversity and Conservation, v. 11, p. 543-547, 2002.

WORLD WIDE FUND FOR NATURE. How many species are we losing? Disponível em: <http://wwf.panda.org/about_our_earth/biodiversity/biodiversity/>.

WORLD WIDE FUND FOR NATURE. Relatório Planeta Vivo 2014: América Latina passa por grande perda de biodiversidade, mas busca soluções para reverter cenário. 2014. Disponível em: <http://wwf.panda.org/>.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
Mateus, W., & Higuchi, M. I. (2018). Processos estruturais do manejo e conservação da fauna silvestre em risco de extinção: casos amazônicos. Sustentabilidade Em Debate, 9(3), 64 - 78. https://doi.org/10.18472/SustDeb.v9n3.2018.18580
Seção
Artigos - Varia