Percepções do ambiente, condições psicológicas e de qualidade de vida em habitantes de ocupações irregulares de área de manguezais na Baixada Santista, SP, Brasil

  • Nancy Ramacciotti de Oliveira-Monteiro Universidade Federal de São Paulo (LADH/UNIFESP-BS), Santos, SP, Brasil
  • Débora Santos Silva Universidade Federal de São Paulo, Santos, SP, Brasil.
Palavras-chave: Manguezal; Qualidade de vida; Percepção ambiental; Condições psicológicas

Resumo

Os manguezais são importantes ecossistemas que muitas vezes estão em intensa interação com ambientes de urbanização irregular e não planejada. Com o objetivo de verificar percepções do ambiente, condições psicológicas e de qualidade de vida em habitantes de ocupações irregulares de área de manguezais na Baixada Santista (SP), foram investigados 30 moradores de um bairro de manguezal através do Whoqol-Bref (World Health Organization Quality of life Abbreviated Scale), ASR (Adult Self-Report for ages 18-59) e de um questionário sobre percepção ambiental. A análise descritiva dos resultados indicou: percepção ambiental marcada por valor positivo do manguezal, importância de preservação, nomeações de espécies diversas e de componentes físicos; problemas psicológicos em faixas clínicas em mulheres mais jovens da amostra; e classificação de qualidade de vida: boa (domínios físico, psicológico e relações sociais) e regular (domínio de meio ambiente). A percepção ambiental acentuada e a regularização fundiária promovida no bairro podem estar relacionadas à boa saúde e qualidade de vida dos participantes.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nancy Ramacciotti de Oliveira-Monteiro, Universidade Federal de São Paulo (LADH/UNIFESP-BS), Santos, SP, Brasil

Doutora em Psicologia Social, Coordenadora do Laboratório de Psicologia Ambiental e Desenvolvimento Humano, Universidade Federal de São Paulo (LADH/UNIFESP-BS), Santos, SP, Brasil

Débora Santos Silva, Universidade Federal de São Paulo, Santos, SP, Brasil.

Bacharel em Ciências e Tecnologia do Mar, Universidade Federal de São Paulo,
Santos, SP, Brasil.

Referências

ACHENBACH, T. M.; RESCORLA, L. A. Multicultural Supplement to the Manual for the ASEBA Preschool Forms & Profiles. Burlington, VT: University of Vermont, Research Center for Children, Youth, & Families. 2010.

ALVES, J. R. P. (Org.). Manguezais: educar para proteger. Rio de Janeiro: Femar/Semads, 2001. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/sqa_pnla/_arquivos/manguezais.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

ARASAKI, E. et al. Os efeitos no ambiente marinho da elevação do nível do mar em regiões da Baixada Santista, Brasil. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 13, p. 165-175, 2008.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE PESQUISA. Critério de Classificação Econômica Brasil, 2015. Disponível em: <http://www.abep.org/criterio-brasil>. Acesso em: 5 out. 2017.

BARBOZA, M. N. L.; ARRUDA FILHO, E. J. M. O comportamento do consumidor tecnológico diante dos valores ecologicamente corretos: ideologia verde versus responsabilidade social. Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 35, p. 157-182, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BORGES, L. A. C.; REZENDE, J. L. P.; COELHO JÚNIOR, L. M. Aspectos técnicos e legais que fundamentam o estabelecimento das APP nas zonas costeiras – Restingas, Dunas e Manguezais. Revista de Gestão Costeira Integrada, v. 9, p. 39-56, 2008.

Disponível em: <http://lawww.redalyc.org/articulo.oa?id=388340125004>. Acesso em: 5 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000: Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 19 jul. 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm>. Acesso em: 5 out. 2017. Brasília, 2000.

BRASIL. Lei nº. 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 28 mai. 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 5 out. 2017.

BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artmed, 2002.

COELHO, J. A. P. M.; GOUVEIA, V. V.; MILFONT, T. L. Valores humanos como explicadores de atitudes ambientais e intenção de comportamento pró-ambiental. Psicologia em Estudo, v. 11, p. 199-207, 2006. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=287122090023>. Acesso em: 5 out. 2017.

CUNHA-LIGNON, M. L. et al. Estudos de casos nos manguezais do estado de São Paulo (Brasil): aplicações de ferramentas com diferentes escalas espaço-temporais. Revista de Gestão Costeira Integrada, v. 9, p. 79-91, 2009.

HARTIG, T. et al. Nature and health. Annual Review of Public Health, v. 35, p. 207-228, 2014.

IVANOVA, M. Y. et al. Syndromes of self-reported psychopathology for ages 18-59 in 29 societies. Journal of Psychopathology and Behavioral Assessment, v. 37, p. 171-183, 2015.

LIMA, C. O.; OLIVEIRA, R. C. Análise ambiental de ocupação nas áreas de manguezais no município de Santos-SP. Revista Geográfica de América Central, v. 2, p. 1-13, 2011. Disponível em: <http://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2552/2438>. Acesso em: 5 out. 2017.

LUCENA, M. M.; FREIRE, E. M. Percepção ambiental como instrumento de participação social na proposição de área prioritária no semiárido. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, v. 11, p. 147-171, 2014.

LUCENA-SANTOS, P.; MORAES, J. F. D.; OLIVEIRA, M. S. Análise da estrutura fatorial das escalas sindrômicas do ASR (Adult Self-Report). Revista Interamericana de Psicologia, v. 48, p. 252-264, 2014. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/284/28437897002.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

LUZ, N. C. Diagnóstico dos aspectos do meio físico em áreas de manguezal, Parque Piaçabuçu – Praia Grande/SP e sua relação com a ocupação por favelas. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana) – Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.

MARIN, A. A. Pesquisa em educação ambiental e percepção ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 3, p. 203-222, 2008.

MENEZES, G. V. et al. Recuperação de manguezais: um estudo de caso na Baixada Santista de São Paulo, Brasil. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, v. 9, p. 67-74, 2005.

MOREIRA JÚNIOR, W.; CASTRO, M. P. G.; MENEZES, L. C. B. A explotação dos manguezais da Baixada Santista – SP através das comunidades locais. CONGRESSO DE MEIO AMBIENTE DA ASSOCIAÇÃO DE UNIVERSIDADES GRUPO DE MONTEVIDÉU, São Carlos, SP, Brasil, 6, 2009. Disponível em: <http://www.ambiente-augm.ufscar.br/uploads/A3-123.pdf>. Acesso em: 11 set. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. 1st International co-ordinating council of the programme on man and the biosphere (MAB). Paris: MAB Report Series, 1971. Disponível em: <http://npshistory.com/publications/mab/unesco-mab-report/1.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

PALMA, I. R. Análise de percepção ambiental como instrumento ao planejamento da educação ambiental. Dissertação (Mestrado em Engenharia), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/7708/000554402.pdf?sequence=1>. Acesso em: 5 out. 2017.

PEREIRA, R. J. et al. Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 28, p. 27-38, 2006.

PRAIA GRANDE. Lei nº 473, de 27 de dezembro de 2006. Aprova a Revisão do Plano Diretor da Estância Balneária de Praia Grande para o período de 2007 a 2016. Secretaria de Administração, Praia Grande, 27 dez. 2006. Disponível em: <http://www.praiagrande.sp.gov.br/arquivos/leisdecretos/2616.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

PRAIA GRANDE. Lei nº 671, de dezembro de 2013. Institui o Programa de Regularização Fundiária no Município de Praia Grande, e dá outras providências. Secretaria de Administração, Praia Grande, 12 dez. 2013. Disponível em: <http://www.praiagrande.sp.gov.br/Administracao/leisdecretos_view.asp?codLeis=4480&Acao=busca>. Acesso em: 5 out. 2017.

QUEIROZ, L. S.; MEIRELES, A. J. A.; HERAS, S. R. Serviços ecossistêmicos costeiros e comunidades tradicionais. Revista da Ampege, v. 8, p. 145-159, 2012.

ROCHA, M. M.; GAUY, F. V.; SILVARES, E. F. M. Uma comparação da autoavaliação do adulto/cliente com a de seu terapeuta. 42ª REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA E VIII CONGRESSO IBEROAMERICANO DE PSICOLOGIA, São Paulo, 2012.

SALES, L. G. L.; SILVA, R. M. M.; CLEMENTINO, M. L. M. Da natureza natural à natureza social: os caminhos da relação entre sociedade e mangue de Bayeux – PB. III ENCONTRO DA ANPPAS, Brasília, 3, 2006. Disponível em:

<http://www.anppas.org.br/encontro_anual/encontro3/arquivos/TA209-04032006-024459.DOC>. Acesso em: 11 set. 2017.

SANTANA, V. S. et al. Informal jobs: another occupational hazard for women’s mental health? International Journal of Epidemiological, v. 26, p. 1236-1242, 1997. Disponível em: <https://goo.gl/VeZgN9>. Acesso em: 5 out. 2017.

SÃO PAULO. (Estado). Secretaria da Habitação. Regularização Fundiária beneficia mais de 8 mil pessoas em Praia Grande. Notícias, 2 mai. 2016. Disponível em:

<http://www.habitacao.sp.gov.br/noticias/viewer.aspx?Id=5923>. Acesso em: 20 set. 2017.

SÃO PAULO. (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. ZEE Baixada Santista: zoneamento ecológico-econômico setor costeiro da Baixada Santista. São Paulo: SMA, 2013. Disponível em: <http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/cpla/2011/05/ZEE_PUBLICACAO.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

SENICATO, C. Saúde e trabalho em mulheres adultas: estudo de base populacional no município de Campinas, São Paulo. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015. Disponível em:

<http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/312915/1/Senicato_Caroline_D.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

SOUZA, L. B. Percepção ambiental e fenomenologia: possibilidades de adaptação do método e alguns exemplos de pesquisas. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 40, p. 297-314, 2017.

THE WHOQOL GROUP. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Social Science & Medicine, v. 41, p. 1403-1409, 1995.

TUAN, Y. F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Rio de Janeiro: Difel, 1980.

WHITE, M. P. et al. The “Blue Gym”: what can blue space do for you and what can you do for blue space? Journal of the Marine Biological Association of the United Kingdom, v. 96, p. 5-12, 2016.

WHYTE, A. V. T. La Perception de environnement: lignes directrices méthodologiques pour les études sur le terrain. Paris: Unesco, 1978. Disponível em:

<http://unesdoc.unesco.org/images/0002/000247/024707fo.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

WHYTE, A. V. T. Guidelines for field studies in environmental perception. Paris: Unesco, 1977. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0002/000247/024707eo.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
Oliveira-Monteiro, N., & Silva, D. (2018). Percepções do ambiente, condições psicológicas e de qualidade de vida em habitantes de ocupações irregulares de área de manguezais na Baixada Santista, SP, Brasil. Sustentabilidade Em Debate, 9(3), 13 - 27. https://doi.org/10.18472/SustDeb.v9n3.2018.16914
Seção
Artigos - Varia