REPRESENTAÇÃO E LEGITIMIDADE NOS CONSELHOS GESTORES DE POLÍTICAS PÚBLICAS

William Antonio Borges, Celene Tonella, Everton Henrique Faria

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de analisar como se estabelece a legitimidade do exercício de representação nos Conselhos Gestores de Políticas Públicas no Paraná. O trabalho está dividido em duas partes. A primeira aborda a discussão sobre legitimidade e, mais precisamente, indaga como esta se realiza no campo da representação. Na segunda parte, encontram-se leituras sobre duas experiências de Conselhos Gestores de Políticas Urbanas no Paraná. A base de análise é um survey aplicado aos conselheiros do Conselho Municipal de Planejamento e Gestão Territorial de Maringá (CMPGT) e do Conselho Estadual das Cidades do Paraná (ConCidades). Como resultado, compreendeu-se que, embora a representação possa se dar de forma efetiva, nas experiências analisadas têm prevalecido práticas corporativistas e patrimonialistas sustentadas pelos interesses de mercado (no CMPGT) e baixa legitimidade do poder de contestação e exercício de representação por parte da sociedade civil (no ConCidades).


Palavras-chave


Representação. Legitimidade. Participação. Conselhos Gestores de Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18829/rp3.v11i2.24922


 

 


ISSN: 2317-921X - Revista de Pesquisa em Políticas Públicas 
Licença Creative Commons
O trabalho RP3 - Revista de Pesquisa em Políticas Públicas de UnB/Ceag foi licenciado com uma Licença

Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.