Relação entre orçamento público, planejamento e controle à luz da Teoria da Estruturação de Giddens: o caso de um hospital público de grande porte

Emerson Silva Mazulo, Simone Maria Menzes Dias, Andréa De Oliveira Gonçalvez, Álvaro Bragança Marques

Resumo


No momento atual, os administradores públicos enfrentam a necessidade de administrarem melhor os recursos das entidades que representam, no intuito de promover o bem-estar coletivo. Para que isso ocorra, faz-se necessário que eles implementem um sistema de acompanhamento orçamentário que possibilite que o orçamento público materialize o programa de ações do governo. Este estudo de caso foi realizado em um hospital público militar de grande porte com o objetivo de analisar a tomada de decisão pela alta administração para a otimização dos recursos disponíveis, baseando-se na rotinização e na monitorização reflexiva identificada por Giddens em sua Teoria da Estruturação. Para desenvolver este trabalho, foram realizadas pesquisa documental e entrevista com a alta administração do hospital, que proporcionaram uma análise da entidade e do orçamento por ela executado, bem como das distorções constatadas no decorrer do exercício financeiro. Os resultados apontam que, quando as áreas responsáveis por informações suprem o escalão superior com informações, processos e ações rotinizadas, demonstrados em seus relatórios mensais, os recursos são disponibilizados de forma mais tempestiva e eficiente.

 

 

Palavras-chave


Orçamento; Planejamento; Controle; Teoria da Estruturação de Giddens; Hospital público

Texto completo:

PDF

Referências


Giddens A. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes; 1984. 458p.

Oliveira LH. Cidadãos peregrinos: Os “usuários” do SUS e os significados de sua demanda a pronto-socorros e hospitais no contexto de um processo de reorientação do modelo assistencial. Uma análise a partir de usuários do SUS no Município de Juiz de Fora [Tese de Doutorado]. [Rio de Janeiro]: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2004. 219p.

Cervo, FP. O orçamento público como instrumento de planejamento e controle: A análise da execução orçamentária do Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade [dissertação de especialização em Finanças Públicas]. [Brasília]: Escola de Administração Fazendária (ESAF); 2012.

Kohama H. Contabilidade Pública: Teoria e prática. 8a ed. São Paulo: Atlas, 2001.

Rosen G. A history of public health. New York: M. D. Publications; 1958.

Almeida TRR. Perspectivas de sobrevivência do hospital. Revista Paulista de Hospitais. 1983; 5(6): 104-113.

Ruthes RM. Gestão para o Terceiro Setor na instituição hospitalar: proposta de marketing [dissertação de Mestrado]. Londrina (PR): Universidade Norte do Paraná; 2000. p. 23-6.

Oliveira MM Jr. Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competência. São Paulo: Atlas; 2001.

Gil AC. Pesquisa social: métodos e técnicas. 5a ed. São Paulo: Atlas, 1999.

Goncalves, AO, Bilhim, JA, editores. Casos de Ensino em Administração Pública. São Paulo: Atlas, 2012.

Dalfovo MS, Lana RA, Silveira A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada,2008;2(4):1-13.




DOI: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v9i1.28067

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785)

Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados