As imperfeições do mercado de saúde: revisitando o marco teórico da economia da saúde

André Nunes

Resumo


O ensaio apresenta breve revisão de literatura, que introduz a discussão das imperfeições do mercado de saúde. Contrapõem-se os pressupostos de uma economia em concorrência perfeita com as falhas de mercado dos bens e serviços de saúde: existência de bens credenciais, presença de externalidades, presença de seleção adversa e de risco moral. A revisão aponta que, considerando as imperfeições do mercado, é possível que a intervenção governamental, sob a forma de provisão pública ou de regulação de mercados, produza uma melhoria de bem-estar para os consumidores.


Palavras-chave


Economia da Saúde, Mercados Imperfeitos, Informação Assimétrica

Texto completo:

PDF

Referências


ARROW, K. J. Uncertainty and the Welfare Economics of Medical Care. American Eco-nomic Review, Vol LIII, number 5, December, 1963.

ANDRADE, M. V. & LISBOA, M. B. A. Economia da saúde no Brasil In Microecono-mia e Sociedade no Brasil (Lisboa, Menezes-Filho, N., orgs). Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, p. 285-332, 2001.

DONALDSON, C. & GERARD, K. Market failure in health care. In: Economics of health care financing: the visible hand. London: MacMillan, 1993.

SEN, A.K. Sobre ética e economia. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

WALRAS, L. Compêndio dos Elementos de Economia Pura. Editora: Nova Cultural. São Paulo, 1988.

BAHIA, L. Risco, seguro e assistência suplementar no Brasil. 2001. Disponível em: .

MÉDICI. A. C. Incentivos governamentais ao setor privado de saúde no Brasil. In: Revis-ta de Administração Pública, Rio de Janeiro: FGV, 26 (2): 79-115, abr./jun. p. 80, 1992.

WILLIANSON, O. Transactions-cost economics: the governance of contractual. The Journal of Law and Economics, v.22, n.2, p.223-261, 1979.

AKERLOF, G. A. The Market for “Lemons”: Quality Uncertainty and the Market Mech-anism. The Quarterly Journal of Economics, Volume 84, issue 3, Aug, P.488-500, 1970.

ANDRADE, M. V. Ensaios em Economia da Saúde. Tese de Doutorado submetida à Es-cola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, 2000.

MANNING, W. G. et al. Health Insurance and the Demand for Medical Care: Evidence from a Randomized Experiment. American Economic Review. 77(3).p 251-277, 1987.

CAMERON, A. C. et al. A Microeconomic Model of the Demand for Health Care and Health Insurance in Australia. Review of Economic Studies. Vol.55, n 1, p 85-106, 1988.

SAPELLI, C. & VIAL, B. Self-selection and moral hazard in Chilean insurance. Journal of Health Economics, 830. p.1-18, 2003.

OCKÉ-REIS, C. A reforma institucional do mercado de planos de saúde: uma proposta para criação de benchmarks. Rio de Janeiro: IPEA, 2005 (Texto para Discussão 1075).

NEWHOUSE, J. P. Free For All? Lessons from the RAND Health Insurance Experiment. The MIT press Cambridge/ Massachussets /London, England. 1996.

MÉDICI, A. C. A medicina de grupo no Brasil. Brasília: OPAS. (Série Desenvolvimento de Políticas Publicas nº1), 1991.

MUSGROVE, P. Public and Private Roles in Health. In: Health Economics in Develop-ment. World Bank: Washington, DC, 2004.

ANS (2016). Cadastro de Beneficiários e Operadoras da ANS/MS. Acessível em:.




DOI: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v9i1.26826

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785)

Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados