Competências gerenciais: opinião de enfermeiros no contexto hospitalar

Mayara Aparecida Passaura da Luz, João Lucas Campos de Oliveira, Nelsi Salete Tonini, Maristela Salete Maraschin

Resumo


RESUMO: Objetivo: Analisar as opiniões de enfermeiros hospitalares sobre as competências gerenciais de seus coordenadores, bem como, a autovaliação de tais gerentes sobre as mesmas competências. Método: Pesquisa descritiva, transversal, quantitativa. A amostra (n=63) foi composta enfermeiros de unidades assistenciais (n=53) e enfermeiros coordenadores/gerentes de setores (n=10) de um hospital universitário público do Paraná, Brasil. Os participantes responderam a um questionário para extração de variáveis sociodemográficas, relativas à formação, e ao trabalho; e à uma escala de Lickert de sete pontos relacionadas ao desempenho das competências gerenciais dos enfermeiros coordenadores: tomada de decisão; liderança; administração e gerenciamento; comunicação; e educação permanente. Aos dados tabulados procedeu-se análise estatística descritiva em medidas de proporção. Resultados: Prevaleceu na amostra o sexo feminino (87,3%); a formação em universidade pública (74,7%); e a ausência de outro vínculo empregatício (84,1%). As competências gerenciais dos enfermeiros coordenadores foram apreciadas positivamente tanto pelos enfermeiros assistenciais, quanto à sua autoavaliação, com destaque para liderança e a comunicação. Conclusão: Na percepção dos sujeitos, as competências gerenciais dos enfermeiros coordenadores de setores hospitalares tendem ao seu bom desempenho. 


Texto completo:

PDF

Referências


Carvalho AGF, Cunha ICKO, Balsanelli AP, Bernardes A. Authentic leadership and the personal and professional profile of nurses. Acta Paul Enferm. 2016;29(6):618-25.

Furukawa PO, Cunha ICKO. Perfil e competências de gerentes de enfermagem de hospitais acreditados. Rev. Latino-Am. Enfermagem. [Internet] 2011;19(1):[09 telas]. [citado abr 12 2017]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n1/pt_15.pdf

Sade PMC, Peres AM. Development of nursing management competencies: guidelines for continuous education services. Rev. Esc. Enferm. USP. 2015;49(6):988-994.

Peres AM, Ciampone MHT. Gerência e competências gerais do enfermeiro. Texto Contexto Enferm. 2006;15(3):492-9.

Rosin J, Tres DP, Santos RP, Peres RR, Oliveira JLC. Desenvolvimento de competências gerenciais na enfermagem: experiência entre residentes. Rev Eletr Gest & Saúde. 2016;7(1):231-46.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº3, de 07 de novembro de 2001. Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em enfermagem. Brasília; 2001.

Felli VEA, Peduzzi M. El trabajo gerencial em enfermeira. In: Kurcgant P. Guanabara Koogan. Gerenciamento em Enfermagem. Rio de Janeiro; 2012. p. 1-12.

Santos JLG, Pestana AL, Guerrero P, Meirelles BSH, Erdmann AL. Práticas de enfermeiros na gerência do cuidado em enfermagem e saúde: revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2013;66(2):257-63.

Montezeli JH, Peres AM, Bernardino E. Desafios para a mobilização de competências gerenciais por enfermeiros em pronto socorro. Cienc. Cuid. Saude. 2014;13(1):137-144.

Souza CJ, Valente GSC. Perfil do enfermeiro coordenador neófito no gerenciamento em unidade de terapia intensiva. Rev Enf Prof. 2014;1(2):521-532.

Nóbrega MFB, Matos MG, Silva LMS, Jorge MSB. Perfil gerencial de enfermeiros. Rev Enferm UERJ. 2008;16(3):333-8.

Zambiazi BFB, Costa AM. Gerenciamento de Enfermagem em unidades de Emergência: Dificuldades e desafios. RAS, 2013;15(61):169-176.

Santos PR, Silva SV, Rigo DFH, Oliveira JLC, Tonini NS, Nicola AL. Ensino do gerenciamento e suas implicações à formação do enfermeiro: perspectivas de docentes. Cienc Cuid Saúde. No prelo 2017.

Murofuse NT, Abranches SS, Napoleão AA. Reflexões sobre estresse e Burnout e a relação com a enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem. 2005;13:255-61.

Magnago TSBS, Lisboa MT, Griep RG, Kirchhof AL, Azevedo LG. Psychosocial aspects of work and musculoskeletal disorders in nursing workers. Rev Latino-Am Enfermagem. 2010;18(3):429-35.

Silva AA, Rotenberg L, Fischer FM. Jornadas de trabalho na enfermagem: entre necessidades individuais e condições de trabalho. Rev Saúde Pública. 2011;45(6):1117-26.

Canini SRMS, Moraes SA, Gir E, Freitas ICM. Percutaneous injuries correlate in the nursing team of a Brazilian tertiary-care university hospital. Rev. Latino-Am Enfermagem. 2008;16(5):818-23.

Silva BM, Lima FRF, Farias FSAB, Campos ACS. Jornada de trabalho: fator que interfere na qualidade da assistência de enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2006;15(3):442-8.

Brusamolin L, Montezeli JH, Peres AM. A utilização das competências gerenciais por enfermeiros de um pronto atendimento hospitalar. Rev enferm UFPE on line. 2010;4(2):808-814.

Conselho Regional de Enfermagem. COREN-SP Projeto Competências. São Paulo; 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v8i3.25374

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785)

Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados