Inovação na Atenção Básica à Saúde: o trabalho do cotidiano na estratégia saúde da família em Ceilândia (DF)

Joaquim Pedro Ribeiro Vasconcelos, Clélia Maria de Sousa Ferreira Parreira

Resumo


As estratégias inovadoras na atenção básica são capazes de reorientar as ações de saúde. O objetivo deste estudo foi identificar as experiências inovadoras de atenção à saúde das equipes de estratégia de saúde da família em Ceilândia. O estudo foi descritivo, de abordagem qualitativa, utilizando-se o método de roda de conversa, cujos participantes foram: profissionais, gestores e usuários. Foi possível identificar que no cotidiano há práticas inovadoras, destacando: o agendamento prévio nas residências pelos Agentes Comunitários e sua capacitação; e as parcerias intersetoriais. Acredita-se que este estudo poderá contribuir para investigações em profundidade de estratégias inovadoras, tais estratégias podem ajudar no alcance da integralidade em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Merhy EE. E. Um dos grandes desafios para os gestores do SUS: apostar em novos modos de fabricar os modelos de atenção. 2002.[acessado em 2015 maio 10]:[16p.] Disponível em: http://www.uff.br/saudecoletiva/professores/merhy/artigos-08.pdf

Feuerwerker LM. Modelos tecnoassistenciais, gestão e organização do trabalho em saúde: nada é indiferente no processo de luta para a consolidação do SUS. Interface – Comunic., Saúde, Educ., v.9, n.18, p. 489-506, 2005.

Araújo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva, 12(2):455-464, 2007.

Gomes FM, Silva MGC. Programa Saúde da Família como estratégia de atenção primária: uma realidade em Juazeiro do Norte. Ciência & Saúde Coletiva, 16, (Supl. 1): 893-902 p. 2011.

Campos GWS, Guerrero AVP (orgs). Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2010. 115p.

Marques GQ, Lima MADS. As tecnologias leves como orientadoras dos processos de trabalho em serviços de saúde. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre (RS), 25 (1):17-25p. 2004.

Teixeira, Costa, 2003, Brasil, 2006. In: Figueiredo EN. Estratégia saúde da família e núcleo de apoio à saúde da família: diretrizes e fundamentos. UNASUS UNIFESP, 64p. 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica/MS/SAS/DAS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da família: uma estratégia para a reorganização do modelo assistencial. Brasília: Ministério da saúde, 45 p. 1998.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde: 3a ed. São Paulo: Hucitec; 1996.

Berwick DM (2003) Disseminating innovations in health care. Jama 289(15): 1969-1975. In: University of Birmingham. Promover e incorporar a inovação: aprendendo com a experiência. Serviço Nacional de Saúde. Midlands Orientais. 10p.

Buss PM, Filho AP. A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Rev Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 17(1):77-93, 77-93p. 2007.

Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 16(1):319-325p. 2011.

Codeplan. Pesquisa distrital por amostra de domicílios – Ceilândia – PDAD 2013. [acessado em 2015 maio 19]:[66p.] Disponível em: http://www.codeplan.df.gov.br/images/CODEPLAN/PDF/Pesquisas%20Socioecon%C3%B4micas/PDAD/2013/Ceil%C3%A2ndia-PDAD%202013.pdf.

Minayo MCS (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 25 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

Neves JL. Pesquisa Qualitativa – características, usos e possibilidades. Cadernos de pesquisas em administração, v.1, n.3. 1996. [acessado em 2015 maio 19]:[5p.] Disponível em: http://www.ead.fea.usp.br/cad-pesq/arquivos/C03-art06.pdf.

Nascimento MAG, SILVA CNM. Rodas de conversa e oficinas temáticas: experiências metodológicas de ensino-aprendizagem em geografia. Pôster: 10º congresso nacional de prática de ensino em geografia. Porto Alegre, 1p. 2009. [acessado em 2015 maio 23][11p.] Disponível em: http://www.agb.org.br/XENPEG/artigos/Poster/P%20(36).pdf.

Mori ME, Silva FH, Beck FL. Comunidade Ampliada de Pesquisa (CAP) como dispositivo de cogestão: uma aposta no plano coletivo. Interface Comunicação Saúde Educação v.13, supl.1, p.722, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v8i2.24225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785)

Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados