As dificuldades dos profissionais no atendimento aos pacientes em tratamento para tuberculose na atenção primária

Magnania Cristiane Pereira da Costa, Letícia Marín-León, Helenice Bosco de Oliveira

Resumo



Objetivo: verificar as dificuldades dos profissionais no atendimento aos pacientes em tratamento para tuberculose na atenção primária. Metodologia: estudo transversal com os profissionais que assistiam os pacientes em centros de saúde em 2015, utilizando um questionário de autopreenchimento. Os profissionais sem e com dificuldades foram comparadas mediante qui quadrado de Pearson e as variáveis com p<0,20 foram incluídas em regressão logística múltipla. Resultados: entre os 108 profissionais, houve predomínio do sexo feminino, e não foram observadas diferenças quanto às variáveis demográficas. O perfil dos profissionais com dificuldades caracterizou-se por: não ter participado de curso sobre tuberculose, apresentar dificuldades em relação à organização do DOTS, ter potes de baciloscopias insuficientes e alertar quase sempre quanto ao risco do álcool. Conclusão: a dificuldade no processo de trabalho associa-se a não ter realizado cursos sobre tuberculose, que facilitam o tratamento, principalmente em relação às atividades da estratégia DOTS


Texto completo:

PDF

Referências


Monroe AA, Gonzales RI, Palha PF, Sassaki CM, Ruffino- Netto A, Vendramini SHF et al. Envolvimento de equipes da Atenção Básica à Saúde no Controle da Tuberculose. Rev Esc Enf USP. 2008; 42(2): 262-7.

Coelho MO, Jorge MSB. Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciên & Saú Col. 2009; 14 (supl.1): 1523-1531.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Ministério da Saúde; Brasília, 2011: 288.

Ferreira V,Brito C; Portela M, Escosteguy C, Lima S. DOTS in primary care units in the city of Rio de Janeiro, Southeastern Brazil. Rev Saú Púb. 2011; 45(1): 40-48.

Orfão NH, Andrade RLP, Beraldo, AA, Brunello MEF, Scatena LM, Villa TCS. Adesão Terapêutica ao tratamento da tuberculose em um município do Estado de São Paulo. Cienc. Cuid Saúde. 2015; 14 (4): 1453-1461.

Villa TCS, Ruffino-Netto A, Scatena LM, Andrade RLP, Brunello MEF, Nogueira JA, et al. Health services performance for TB treatment in Brazil: a cross-sectional study. BMC Health Serv. 2011; 11: 1-8.

Furlan MCR, Oliveira SP, Marcon SS. Fatores associados ao abandono do tratamento de tuberculose no estado do Paraná. Acta Paul Enferm. 2012; 25(Número Especial 1): 108-114.

Sá LD, Andrade MN, Nogueira JA, Villa TCS, Figueiredo TMRM et al. Implantação da estratégia DOTS no controle da Tuberculose na Paraíba: entre o compromisso político e o envolvimento das equipes do programa saúde da família (1999- 2004). Ciên & Saú Col. 2011; 16 (9): 3917-3924.

Silva DM, Farias HBG, Villa TCS, Sá LD, Brunello MEF, Nogueira JA. Produção do cuidado aos casos de tuberculose: análise segundo os elementos do Chronic Care Model. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50 (2): 239-246.

Maciel ELN, Araújo WK, Giacomin SS, Jesus FA, Rodrigues PM, Dietze R. O conhecimento de enfermeiros e médicos que trabalham na Estratégia de Saúde da Família acerca da tuberculose no município de Vitória (ES): um estudo de corte transversal. Ciên & Saú Col. 2009; 14 (Supl): 1395-1402.

Andrade RLP, Escatolin BE, Wysocki AD, Beraldo AA, Monroe AA, Scatena LM et al. Diagnóstico da tuberculose: atenção básica ou pronto atendimento? Rev Saú Púb. 2013: 47 (6): 1149-58.

Centro de Vigilância Epidemiológica. CVE. Sala de situação de tuberculose do Estado de São Paulo. Centro de Vigilância Epidemiológica “Profº Alexandre Vranjac”. Divisão de Tuberculose, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jul 2015.

Härter J, Andrade RLP, Villa TCS, Arcênio RA, Russo Gonçalves E, Cardozo-Gonzales RI, et al. Tuberculosis in primary health care: identifying priority cases in a municipality in southern Brazil. Acta Scien. Health Sciencies 2015; 37 (2): 167-174.

World Health Organization. A WHO / The Union monograph on TB and tobacco control: joining efforts to control two related global epidemics. Geneva, Switzerland: WHO, 2007.

World Health Organization. WHO .Global status report on alcohol and health. Geneva, WHO, 2014: 1- 100.

Soares ECC, Vollmer WM, Calvacante SC, Pacheco AG, Saraceni V, Silva JS, et al. Tuberculosis control in a socially vulnerable area: a community intervention beyond DOT in a Brazilian favela. Int J. Tuberc lung Dis. 2013; 17(12): 1581–1586.

Rocha GSS, Lima MG, Moreira JL, Ribeiro KC, Ceccato MG, Carvalho WS, Silveira MR. Conhecimento dos agentes comunitários de saúde sobre a tuberculose, suas medidas de controle e tratamento diretamente observado Cad. Saúde Púb. 2015; 31(7): 1483-1496.

Cecilio HPM, Higarashi IH, Marcon SS. Opinião dos profissionais de saúde sobre os serviços de controle da tuberculose. Acta Paul Enferm. 2015; 28 (1): 19-25.




DOI: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v8i3.24122

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785)

Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados