PROMOÇÃO DA SAÚDE E PROFISSIONAIS DE FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: FATORES RESTRITIVOS

Ítalo Ricardo Santos Aleluia, Carlos Augusto Braga, Fernanda Silva, Aline Macedo, Kátia Dantas, Gracy Kelly, Leandro Alves da Luz

Resumo


A promoção da saúde tem sido largamente defendida na literatura nacional e internacional, mas ainda são escassos estudos que avaliem fatores limitantes para sua operacionalização, considerando categorias profissionais específicas e sua relação contextual com os sistemas municipais de saúde. Esse estudo investigou os principais elementos restritivos às práticas de promoção de saúde de fisioterapeutas atuantes na APS de sete municípios da Região Metropolitana de Salvador-Ba. Trata-se de um estudo de múltiplos casos com abordagem qualiquantitativa, por meio de entrevistas semiestruturadas com quetões objetivas, a partir de uma escala Likert, e subjetivas com 12 profissionais de sete municípios. Realizou-se a análise de conteúdo com auxílio do QRS NVIVO (10). A oferta insuficiente de recursos materiais e insumos, limitações no suporte da gestão e gerência local, problemas comunicacionais com as equipes, diferenças de carga horária, o modelo de atenção centrado na doença e a resistência da comunidade às ações de promoção da sáude foram alguns dos principais fatores limitantes apontados nos municípios-caso. Os achados aqui delineados apontam para a possibilidade de aplicação a outros contextos muncipais similares. Revelam ainda, a originalidade dessa pesquisa, uma vez que não foram encontradas pesquisas com esse recorte invetigativo na literatura. É relevante a realização de estudos avaliativos, que investiguem experiências exitosas de promoção da sáude, desenvolvidas por fisioterapeutas na APS.

Texto completo:

PDF

Referências


Medina MG, Aquino R, Vilasbôas ALQ, Mota E, Junior EPP, Luz LA, Anjos DSO, Pinto ICM. Promoção da saúde e prevenção de doenças crônicas: o que fazem as equipes de Saúde da Família? Saúde Debate | Rio De Janeiro, V. 38, n. Especial, p. 69-82, out 2014

March S, Jordán MM, Montaner GI, Benedé ACB, Elizalde SL, Ramos M. ¿Qué hacemos en el barrio? Descripción de las actividades comunitarias de promoción de la salud en atención primaria: Proyecto frAC. Gac Sanit., Barcelona, v. 28, n. 4, p. 267–273, 2014.

Pellegrini FA, Buss PM, Esperidião MA. Promoção da Saúde e seus fundamentos: determinantes sociais da saúde, ação intersetorial e políticas saudáveis. In: Paim JS, Almeida Filho N. (Org.). Saúde coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: MedBook. 2014. p. 305-326.

World Health Organization (WHO). Ottawa charter for health promotion: first international conference on health promotion, Ottawa, 21 November 1986. 1986. Disponível em: .

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde; 2002.

Schmidt MI, Duncan BB. O enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis: um desafio para a sociedade brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde. 2011; 20(4):421-423.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. 160 p. : il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde)

Aquino R, Medina MG, Nunes CA, Sousa, MF. A Estratégia Saúde da Família e o reordenamento do sistema de serviços de saúde. In: Paim J e Almeida-Filho N (org). Saúde Coletiva: Teoria e Prática. 1 ed. MedBooks; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica: estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasil: Ministério da Saúde, 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – 3. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 60 p. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Série Pactos pela Saúde 2006; v. 7)

Jackson SF, Perkins F, Perkins F, Khandor E, Cordwell L, Humann S, Buasai S. Integrated health promotion strategies: a contribution to tackling current and future health challenges. Health Promot. Int. (2006) 21 (suppl 1): 75-83

LEE, K. Global health promotion: how can we strengthen governance and build effective strategies? Health Promot. Int. (2006) 21 (suppl 1): 42-50 doi:10.1093/heapro/dal050

Faria S. As novas demandas de atenção à saúde: estamos preparados para mudanças na formação profissional? Fisioterapia Brasil 2013; 14(2):93-99.

Linhares JH. Análise das ações da fisioterapia do NASF através do SINAI no Município de Sobral - CE. Cadernos da Escola de Saúde Pública 2010; 4(2):32-41.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre ascompetências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O Mundo da Saúde 2010; 34(1):92-96

Neves LMT, Acioli GG. Challenges of integrality: revisiting concepts about the physical therapist’s role in the Family Health Team. Interface - Comunic., Saúde, Educ 2011; 15(37):551-64.

Johansson H, Stenlund H, Lundström L, Weinehall L. Reorientation to more health promotion in health services – a study of barriers and possibilities from the perspective of health professionals. Journal of Multidisciplinary Healthcare. 2010;3:213-224. doi:10.2147/JMDH.S14900.

Loch-Neckel G, Seemann G, Eidt HB, Rabuske MM, Crepaldi MA. Desafios para a ação interdisciplinar na atenção básica: implicações relativas à composição das equipes de saúde da família. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 14, supl. 1, p. 1463-1472, Oct. 2009 .

Trelha CS, Silva DW, Iida LM. O fisioterapeuta no programa de Saude da Familia em Londrina (PR). Revista Espaço para a Saúde 2007; 8(2):20-25.

Castanheira ERL, Dalben I, Almeida MAS, Puttini RF, Patrício KV, Machado DF, et al. Avaliação da Qualidade da Atenção Básica em 37 Municípios do Centro-Oeste Paulista: características da organização da assistência. Saúde e Sociedade 2009; 18(2):84-88.

Formiga NFB, Ribeiro KSQS. Inserção do Fisioterapeuta na Atenção Básica: uma Analogia entre Experiências Acadêmicas e a Proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. R bras ci Saúde 2012; 16(2):113-122.

Filho AVD, Aveiro MC. Atuação dos Fisioterapeutas nos Núcleos de Apoio á Saúde da Família entre Idosos do Município de Arapiraca-AL, Brasil. Rev Bras Promoç Saúde 2012; 25(4):397-404.

Barbosa EG, Ferreira DLS, Furbino SAR, Ribeiro EEN. Experiência da Fisioterapia no Núcleo de Apoio à Saúde da Família em Governador Valadares, MG. Fisioter. Mov. 2010; 23(2):323-330.

Júnior BJP. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15(1):1627-1636.

Yonamine CY, Trelha CS. O modo de fazer saúde: A Fisioterapia na Residência Multiprofissional em Saúde da Família em uma Unidade Básica. Revista Espaço para a Saúde 2009; 11(1):17-27.

Portes LH, Caldas MAJ, Paula LT, Freitas MS. Atuação do fisioterapeuta na Atenção Básica à Saúde: uma revisão da literatura brasileira. Rev. APS 2011; 14(1): 111-119.

Costa JL da, Pinho M de A, Filgueiras M de C, Oliveira BB de O. A fisioterapia no programa de saúde da família: percepções dos usuários. Revista Ciência & Saúde 2009; 2(1):2-7.

Costa, LR, Costa, JLR, OISHI J, DRIUSSO P. Distribuição de fisioterapeutas entre estabelecimentos públicos e privados nos diferentes níveis de complexidade de atenção à saúde. Rev. bras. fisioter., São Carlos , v. 16, n. 5, p. 422-430, Oct. 2012 .

Fernandes LCL, Machado RZ, Anshcau GO. Gerência de serviços de saúde: competências desenvolvidas e dificuldades encontradas na atenção básica. Ciência & Saúde Coletiva 2009; 14(1):1541-1552.

Kantorski LP, Jardim VMR, Coimbra VCC, Oliveira MM, Heck RM. A integralidade da atenção à saúde na perspectiva da gestão no município. Texto Contexto Enferm 2006; 15(3):434-41.

Silva, SOC, DILL M, GAUER APM, FERRETI F. Atuação Do Fisioterapeuta do NASFO no Contexto Escolar [abstract]. In: Suplemento - Anais do XXV Fórum Nacional de Ensino em Fisioterapia e II Congresso Brasileiro de Educação em Fisioterapia. Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia. v. 2, n. 3 (2015). Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/cadernos-educacao-saude-fisioterapia/article/view/385




DOI: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v1i3.24113

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785)

Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados