Percepções dos catadores sobre resíduos dos serviços de saúde (rs) no lixão da Estrutural

Elisa Maria Amate, Fernando Ferreira Carneiro, Maria Graça Luderitz Hoefel

Resumo


Este estudo objetiva verificar a presença de resíduos de saúde (RS) no lixão da Estrutural, localizado no Distrito Federal (DF), 2013, por meio dos relatos dos catadores de recicláveis que trabalham no lixão. Os catadores foram entrevistados e suas falas analisadas por meio da Hermeneutica Dialetica, além do levantamento bibliográfico das políticas sobre resíduos no Brasil e DF, sob a ótica de sua evolução histórica. Os participantes entrevistados em sua maioria eram mulheres, de 35anos, pardas, oriundas do Nordeste, com renda de 1 a 2 salários mínimos, que trabalham em média 10 h por dia e se encontram em situações de insalubridade, sofrendo com acidentes de trabalho no lixão com material perfurocortante, além de outros agravos. Ficou evidente que há presença de RS no lixão, identificando os sacos azuis como aqueles que comportavam este material. Conclui-se que os RS no DF têm uma destinação inadequada e os catadores constituem um grupo de pessoas vulneráveis que cotidianamente lidam com essa problemática, além dos riscos próprios desta atividade. 


Texto completo:

PDF

Referências


Associação brasileira de empresas de limpeza pública e resíduos especiais (BR). Panorama dos Resíduos no Brasil. São Paulo, 2008. Acesso em: 24 de jun. 2013. Disponível em http://abrelpe.org.br/panorama_2008.php.

Schmitt JMP, Esteves ABS. Condições de Trabalho dos Catadores de Materiais Recicláveis do Lixão na Capital do Brasil. In: Challenges for Public and Private Sector Industrial Relations and Unions in times of Crisis and Austerity, Set. 5- 7, 2012, Lisboa. Anais Eletronicos. Lisboa: CIES-ISTEC, 2012. Disponível em . Acesso em: nov.2013

Vital, Antonio. Exemplo no tratamento de lixo hospitalar[Internet]. Brasília: Câmara Legislativa do Distrito Federal.; [atualizado em 13 jan.2014, citado em 25 jul. 2016]. Disponivel em:http://www2.camara.leg.br/responsabilidade-social/ecocamara/o-ecocamara/noticias/lixohospitalar.html

Maders GR, Castro HS. A gestão dos resíduos dos serviços de saúde e os princípios do Direito Ambiental com ênfase na equidade intergeracional. Planeta Amazônia: Rev Int de Direito Ambiental e Políticas Públicas 2010; 1(2): 11-20.

Oliveira CSC. Atuação da administração pública no desenvolvimento sustentável. Revista Ciências Humanas UNITAU [periódico da Internet]. 2010 [citado 2013 ago 11]: 3(1): 87-95. Disponível em http://www.unitau.br/revistahumanas.

Maciel RH, Matos TGR, Borsoi IZF, Mendes ABC, Siebra PT, Mota CA. Precariedade do trabalho e da vida de catadores de recicláveis em Fortaleza, CE. Arq Bras de Psic.2011;63(especial): 1-104.

Calvacante S, Franco MFA. Profissão perigo: percepção de risco à saúde entre os catadores do Lixão do Jangurussu. Rev Mal-estar e Subjetividade. 2007: VII(1): 211-231.

Santos, MLP, Carneiro FF, Hoefel MGL, Santos W, Montalvão, ACS, Nascimento S et al. Integração ensino, pesquisa e extensão na avaliação das condições de vida, trabalho e saúde em famílias de catadores de lixo na Cidade Estrutural, DF. Revista Participação. 2012;1(19): 15-21.

Kuhn DI, Vacari DA, Ulbricht L, Lopes MO, Gris VN. Condições de trabalho de catadores de materiais recicláveis na região do Guarituba. In: XVII Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e IV Congresso Internacional de Ciências do Esporte; 2011, Set. 11-16, Porto Alegre. Anais Eletronicos. Porto Alegre: CONBRACE; 2011. p.1-13. Disponível em http://www.rbceonline.org.br/congressos/index.php/XVII_CONBRACE/2011/index Acesso em: abr.2013.

Alexandrino DFL, Ferreira MEC, Lima CL, Makkai LFC. Proposta de inclusão social e melhoria da qualidade de vida e saúde dos catadores e catadoras de materiais recicláveis de Viçosa - MG através da atividade física. Fit Perf J.2009; 8 (2):115-22.

Dall'agnol CM, Fernandes FS. Saúde e autocuidado entre catadores de lixo: vivências no trabalho em uma cooperativa de lixo reciclável. Rev Latino-am Enfermagem, [periódico da Internet]. 2007 [citado 2013 ago 11]; 15 (número especial). Disponível em www.eerp.usp.br/rlae.

Silva CE, Hoppe AE. Diagnóstico dos resíduos de serviços de saúde no interior do Rio Grande do Sul. Eng. sanit. Ambient. 2005; 10(2): 146-151.

Azevedo AKN, Xavier LLX. Os resíduos sólidos de saúde e as farmácias: diagnóstico da destinação final dos resíduos na cidade de Natal – RN. Engenharia Ambiental - Espírito Santo do Pinhal. 2011; 8 (2): 65-73.

Garcia LP, Zanetti-Ramos BG. Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde: uma questão de biossegurança. Cad. Saud Pub. 2004; 20 (3): 744-752.

Cussiol NAM, Rocha GHT, Lange LC. Quantificação dos resíduos potencialmente infectantes presentes nos resíduos sólidos urbanos da regional sul de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2006; 22 (6): 1183-1191.

Roeder-Ferrari LD, Andriguetto Filho JM, Ferrari MV. Produção e manejo de resíduos sólidos de saúde no hospital veterinário da UFPR. Archives of Veterinary Science.2008.; 13(1): 26-30.

GUNTHER, W. M. R.. Apostila do Curso de Verão da USP sobre Elaboração do Plano Gerenciamento de Resíduos de Saúde. 2013. São Paulo (Brasil): Universidade de São Paulo; 2013.

RAMOS, Y. S.; PESSOA, Y. S. R. Q.; RAMOS, Y. S.; ARAUJO NETTO, F. B.; PESSOA, C. E. Q. Vulnerabilidade no manejo dos re´siduos de serviços de saúde de João Pessoa (Pb, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva. v.16, n. 8, p. 3553-60, 2011.

MOUTINHO, S. Radiação, um problema também brasileiro[Internet]. São Paulo: Instituto Ciência Hoje, São Paulo; [atualizado em 18 abr. 2011, citado em 10 nov.2013]. Disponível em: http://cienciahoje.uol.com.br/blogues/bussola/2011/05/maos-de-cesio-os-trabalhadores-por-tras-da-tragedia/#.

Brasil. Lei n. 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 03 ago.2010. Seção 1, p. 3.

Brasil. Governo do Distrito Federal. Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Diretoria de Saúde do Trabalhador. Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, 2003. Brasilia (Brasil): Brasília; 2003.

Froes, Paula. A 15 km do Planalto, a vida no maior lixão ativo da América Latina. Acesso em 25 de jul 2016. Disponível em http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160310_galeria_lixao_estrutural_pf

Brasil. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 fev.1998. Seção 1,p.1.

Doi KM, Moura GMSS. Resíduos sólidos de serviços de saúde: uma fotografia do comprometimento da equipe de enfermagem Rev Gaúcha Enfermagem, Porto Alegre (RS). 2011, vol. 32(2): 338-44.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785)

Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados