Avaliação externa do PMAQ-AB: elementos facilitadores e restritivos em capital do nordeste brasileiro

Daiane Celestino Melo, Ana Angélica Ribeiro de Meneses e Rocha, Ítalo Ricardo Santos Aleluia

Resumo


O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) tem como objetivo promover a melhoria do acesso e qualidade da atenção à saúde em todo país, por meio do apoio técnico e do incentivo financeiro. O PMAQ está organizado em quatro fases distintas que conformam um ciclo continuo de melhoria do acesso e da qualidade da AB. Dentre as suas fases destaca-se a de Avaliação Externa (AE), que consiste no processo de verificação in loco dos padrões de qualidade das equipes de AB que aderiam ao Programa. Este artigo tem como objetivo identificar os elementos facilitadores e limitantes do processo de AE/PMAQ em um município da Bahia, no ano de 2012. Trata-se de um estudo qualitativo com entrevistas semi-estruturadas por meio de informantes-chave do processo de AE/PMAQ 2012. Identificou-se como elementos facilitadores a forma de negociação entre a SMS e a instituição avaliadora, o empenho da gestão da atenção básica municipal e a presença do apoiador institucional. E como elementos limitantes foram identificados a pouca disponibilidade de carros, a desmotivação dos profissionais das equipes de atenção básica e o pouco tempo disponível para preparação das equipes para receber a AE/PMAQ.

Palavras-chave: Atenção primária à saúde; avaliação de serviços de saúde; gestão de qualidade.


Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012a.

Vaughan R. Evaluation and public health. Am J Publ Health 2004; 94 (3): 360.

Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FV, Rodrigues MA. Desempenho do PSF no Sul e no Nordeste do Brasil: avaliação institucional e epidemiológica da Atenção Básica à Saúde. Ciênc. saúde coletiva 2006; 11(3): 669-681.

Esperidião M, Trad LAB. Avaliação de satisfação de usuários. Ciência & Saúde Coletiva 2005; 10: 303-312.

Tanaka OY. Avaliação da atenção básica em saúde: uma nova proposta. Saude soc 2011; 20(4): 927-934.

Campos CEA. Estratégias de avaliação e melhoria contínua da qualidade no contexto da Atenção Primária à Saúde. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant 2005; 5(Supl 1): 63-69.

Carnut L, Narvai PC. Avaliação de desempenho de sistemas de saúde e gerencialismo na gestão pública brasileira. Saúde Soc. São Paulo 2016; 25 (2): 290-305.

Brasil. Portaria Nº 1.654, de 19 de julho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável - PAB Variável. Diário Oficial da União, Brasília – DF, 20 de julho de 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Mais Perto de Você – Acesso e Qualidade. Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade: Documento Síntese para Avaliação Externa. / Ministério da Saúde – Brasília: Ministério da Saúde, Brasília – DF, 2012b.

Pereira RL, Jeziorski LL, Facchini LA. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica - PMAQ. 21º Congresso de Iniciação Cientifica. 4º amostra Cientifica. Universidade de Pelotas. Realizado de 20 a 23 de novembro de 2012.

Instituto de Saúde Coletiva. Relatório Final: Termo de Cooperação 156/2011. Avaliação Externa do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica. Instituto de Saúde Coletiva / Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3º ed. Porto Alegre: Bookman; 2005.

Cardoso MO, Vieira-da-Silva ML. Avaliação da cobertura da atenção básica à saúde em Salvador, Bahia, Brasil (2000 a 2007). Cad. Saúde Pública 2012; 2 (7): 1273-1284.

Manzini EJ. A Entrevista na Pesquisa Social. Didática. 1991; 26/27: 149-158.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

Schraiber LB. Pesquisa qualitativa em saúde: reflexões metodológicas do relato oral e produção de narrativas em estudo sobre a profissão médica. Rev. Saúde Pública 1995; 29 (1); 63-74.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde / Departamento de Atenção Básica / Coordenação de Acompanhamento e Avaliação. (2003). Documento Final da Comissão de Avaliação da Atenção Básica. [Produto do trabalho da Comissão instituída pela Portaria Nº 676 GM/MS de 03 de junho de 2003, publicada no DOU em 04 de junho de 2003].

Hartz ZMA. Institucionalizar e qualificar a avaliação: outros desafios para a atenção básica. Cienc Saúde Coletiva 2002; 7: 419-421.

Sarti TD, Lima RCD, Silva MZ, Maciel ELN. A institucionalização da avaliação na atenção básica: alguns aspectos para a construção de práticas democráticas no contexto da estratégia saúde da família. Rev Odont 2008; 10(1): 63-66.

Felisberto E. Monitoramento e avaliação na atenção básica: novos horizontes. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant 2004; 4 (3): 317-321.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação de Acompanhamento e Avaliação. Avaliação na Atenção Básica em Saúde: caminhos da institucionalização / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação de Acompanhamento e Avaliação; Coordenação técnica: Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia e Instituto Materno Infantil Prof. Fernando Figueira, IMIP. – Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2005.

Barros SCM, Dimenstein M. O apoio institucional como dispositivo de reordenamento dos processos de trabalho na atenção básica. Estudos e Pesquisas em Psicologia 2010; 10 (1): 48-67.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): manual instrutivo / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012c.

Pinto ICM, Teixeira CF. Formulação da política de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde: o caso da Secretaria Estadual de Saúde da Bahia, Brasil, 2007-2008. Cad. Saúde Pública 2011; 27(9): 1777-1788.

Medeiros CRG, Junqueira AGW, Schwingel G, Carreno I, Jungles LAP, Saldanha OMFL. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva 2010; 15 (suppl.1): 1521-1531.

Junqueira TS, Cotta RMM, Gomes RC, Silveira SFR, Siqueira-Batista R, Pinheiro TMM, Sampaio RF. As relações laborais no âmbito da municipalização da gestão em saúde e os dilemas da relação expansão/precarização do trabalho no contexto do SUS. Cad. Saúde Pública 2010; 26 (5): 918-928.

Paim JS, Teixeira CF. Configuração institucional e gestão do Sistema Único de Saúde: problemas e desafios. Ciência & Saúde Coletiva 2007; 12 (suppl.): 1819-1829.




DOI: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v8i1.23916

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gestão & Saúde (ISSN 19824785)

Revista coordenada pelo Nucleo de Estudos em Educação, Promoção da Saúde e Projetos Inclusivos (NESPROM), do Centro de Estudos Avançados Multidiciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados