ATIVIDADE FÍSICA COMO AÇÃO PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE.

  • Lara Belmudes Bottcher Centro Universitário Leão Sampaio
Palavras-chave: Atividade Física. Exercício. Promoção da Saúde.

Resumo

  A prática de Atividade Física já é vista como parte essencial de prevenção e tratamento de diversas doenças crônico-degenerativas. Muitos estudos relatam que a prática de Atividade Física previne e é coadjuvante no tratamento de diversas doenças crônico-degenerativas como diabetes, doenças relacionadas ao sistema cardiovascular, depressão, câncer, osteoporose, hipertensão arterial e obesidade, entre outras. Tais doenças são adquiridas por hábitos que comprometem a saúde e são relacionados ao estilo de vida. A falta de atividade física é um comportamento que leva ao desenvolvimento de diversas doenças. Este ensaio crítico discute a importância de compreender a prática regular de atividade física como ação de promoção da saúde. Segundo evidências relatadas sobre a atividade física e seus benefícios, o Ministério da Saúde atualmente considera as práticas corporais e atividade física como uma ação de extrema importância para a promoção da saúde. Tanto isso é verdade que foi publicada em 2006 a Política Nacional de Promoção da Saúde e uma das oito ações específicas desse documento são as práticas corporais e atividade física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Belmudes Bottcher, Centro Universitário Leão Sampaio

Faz doutorado em Ciências da Saúde na Faculdade de Medicina do ABC. É mestre em Ciencias da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista na linha de pesquisa Atividade Física e Saúde. Especialista em Gestão em Serviços da Saúde pela Unitoledo. Especialista em Educação na Saúde para Preceptores do SUS- Sírio Libanês. É graduada em Bacharelado em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista - Instituto de Biociencias - Rio Claro (2003). Atualmente é coordenadora do curso de Educação Física da Faculdade Leão Sampaio. Já lecionou em diversos cursos de graduação e pós graduação. Coordenou o curso de Licenciatura e Bacharelado em Educação Física das Faculdades Integradas de Três Lagoas entre 2007 e 2011. Foi uma das coordenadoras Programa de Atividade Física para Diabéticos, Hipertensos e Obesos vinculados às Unidades Básicas de Saúde, projeto realizado pela parceria entre Prefeitura Municipal de Rio Claro e Departamento de Educação Física da Universidade Estadual Paulista. Foi membro do Núcleo de Atividade Física, Esporte e Saúde da Universidade Estadual Paulista. Já ministrou cursos de extensão em diversas áreas relacionadas a Educação Física. Desde 2007 é orientadora de diversos trabalhos de conclusão de curso. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Atividade Física , Esporte e Saúde.

Referências

American College of Sports Medicine. Manual de Pesquisa das Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

United States Department of Health and Human Services. Physical Activity Guidelines Advisory Committee Report. Washington DC: United States Department of Health and Human Services; 2008.

World Health Organization (2010). Global recommendations on physical activity for health, Geneva, Switzerland; 2010. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44399/1/9789241599979_eng.pdf. Acesso em: 28 de maio de 2016.

Brasil. Ministério da Saúde (2013). Avaliação de efetividade de programas de educação física no Brasil, 1ª ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/avaliacao_efetividade_programas_atividade_fisica.pdf. Acesso em: 05 de março de 2016.

Vilarta R. Saúde Coletiva e Atividade Física: conceitos e aplicações dirigidos a graduação em educação física. 2ª ed. São Paulo: IPES Editorial, 2007.

Pitanga FJG, Lessa I. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo no lazer em adultos. Cad Saúde Pública. 2005; 21 (3): 870-877.

Hallal PC, Victora CG, Wells JC, Lima RC. Physical inactivity: prevalence and associated variables in Brazilian adults. Med Sci Sports Exerc. 2003; 35 (11): 1894-900.

Masson CR, Dias-da-Costa JS, Olinto MTA, Meneghel S, Costa CC, Bairros F, et al. Prevalência de sedentarismo nas mulheres adultas da cidade de São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2005; 21(6): 1685-1695.

Matsudo SM, Matsudo VR, Araújo T, Andrade D, Andrade E, Oliveira L, et al. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Rev Bras Ciênc Mov. 2002; 10 (4):41-50.

Nahas MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 3. ed. Londrina: Miograf, 2003.

Fagard RH. Physical activity, fitness and blood pressure. In: Handbook of Hypertension: Epidemiology of Hipertension. Pellenberg: Elsevier, p. 191-211, 2000.

Di Pietro, L. Physical activity in the prevention of obesity: current evidence and research issues. Med. Sci. Sports Exerc. 1999; 31 (11): S542–S546.

Wing RR. Physical activity in the treatment of the adulthood overweight and obesity: current evidence and research issues. Med. Sci. Sports Exerc. 1999; 31(11): S547–S552.

Kim IY, Park S, Trombold JR., Coyle E. Effects of moderate-and intermittent low-intensity exercise on postprandial lipemia. Med. Sci. Sports Exerc. 2014; 46(10), 1882-1890.

Cerqueira FS; Rezende L F. Atuação da Fisioterapia na Melhora da Qualidade de Vida da Mulher no Climatério e Menopausa. Revista da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. 2002; 30(7): 477-449.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Atividade Física e Diabetes (2015). A prática segura de Atividades Desportivas. São Paulo; 2015. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/images/2015/pdf/posicionamentos-acesso-livre/posicionamento-4.pdf. Acesso em: 05 de março de 2016.

Dunstan DW, Puddey IB, Beilin LJ, Burke V, Morton AR, Stanton, KG. (1998). Effects of a short-term circuit weight training program on glycaemic control in NIDDM. Diabetes research and clinical practice. 1998; 40(1): 53-61.

Tokmakidis SP, Zois CE, Volaklis KA, Kotsa K, Touvra AM. The effects of a combined strength and aerobic exercise program on glucose control and insulin action in women with type 2 diabetes. European journal of applied physiology. 2004; 92 (4-5): 437-442.

Berard A, Bravo G, Gauthier P. Meta-analysis of the effectiveness of physical activity for the prevention of bone loss in postmenopausal women. Osteoporos Int. 1997; 7 (4): 331–337.

Kemmler W, Bebenek M, Kohl M, Von Stengel, S. Exercise and fractures in postmenopausal women. Final results of the controlled Erlangen Fitness and Osteoporosis Prevention Study (EFOPS).Osteoporosis international. 2015; 26(10): 2491-2499.

Kelley GA. Exercise and regional bone mineral density in postmenopausal women. A meta-analytic review of randomized trials. Am I Phys Med Rehabil. 1998; 77 (1): 76-87.

Taylor RS, Brown A, Ebrahim S, Ebrahim S, Jolliffe J, Noorani H, et al. Exercise-based rehabilitation for patients with coronary heart disease: systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Am. J. Med. 2004; 116 (10): 682-92.

Corazza DI, Zago AS, Costa JLR, Gobbi S. Hipotensão pós-exercício agudo em idosas. Motriz: Revista de Educação Física. 2001; 7 (1): S176.

Cavalcante PAM, Rica RL, Evangelista AL, Serra AJ, Figueira Jr A, Pontes J F L, et al. Effects of exercise intensity on post exercise hypotension after resistance training session in overweight hypertensive patients. Clinical interventions in aging. 2015;10: 1487.

Friedenreich CM. Physical activity and cancer prevention: from observational to intervention research. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2001; 10 (4): 287-301.

Dutra, MT, Lima, R M, Mota, M R, de Oliveira, P F A, & Veloso, J H C L Hipotensão pós-exercício resistido: uma revisão da literatura. 2013; 24 (1): 145-157.

Adamsen L, Quist M, Midtgaard J, Andersen C, Møller, T, Knutsen L, et al. The effect of a multidimensional exercise intervention on physical capacity, well-being and quality of life in cancer patients undergoing chemotherapy. Support Care Cancer. 2006; 14 (2): 116-127.

Oldervoll LM, Kaasa S, Knobel H, Loge J H. Exercise reduces fatigue in chronic fatigued Hodgkins disease survivors--results from a pilot study. European Journal of Cancer. 2003; 39 (1): 57-63.

Oguma Y, Shinoda T. Physical activity decreases cardiovascular disease risk in women: review and meta-analysis. Am J Prev Med. 2004; 26 (5): 407-18.

PetroskiI EL, Gonçalves LHT. Atividade física e estado de saúde mental de idosos. Rev Saúde Pública. 2008; 42(2): 302-7.

Lampinen P, Heikkinen RL, Ruoppila I. Changes in intensity of physical exercise as predictors of depressive symptoms among older adults: an eightyear follow-up. Prev Med. 2000; 30(5):371-80.

Publicado
2019-02-28
Como Citar
Bottcher, L. B. (2019). ATIVIDADE FÍSICA COMO AÇÃO PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE. Revista Eletronica Gestão & Saúde, 98 - 111. https://doi.org/10.26512/gs.v0i0.23324
Seção
Artigos de Revisão