AVALIAÇÃO DO CONCEITO DAS DOENÇAS E AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA POR MÉDICOS E ENFERMEIROS QUE TRABALHAM NA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA

  • Cleber Vinicius Brito dos Santos Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • José Severino Campos Neto Secretaria Municipal de Saúde de Correntes
  • Daniel Friguglietti Brandespim Universidade Federal Rural de Pernambuco
Palavras-chave: Doenças de Notificação Obrigatória. Notificação de Doenças. Atenção Primária a Saúde. Vigilância em Saúde. Vigilância

Resumo

Objetivo: avaliar o conhecimento dos médicos e enfermeiros que trabalham na Estratégia Saúde da Família (ESF) em Doenças e Agravos de Notificaçao Compulsória (DANC)no município de Correntes, estado de Pernambuco, Brasil, no ano 2014. 

Métodos: estudo descritivo a partir da análise de variáveis referentes ao conhecimento das DANC. 

Resultados: Verificou- se o desconhecimento da penalidade para a omissão da notificação, tanto entre enfermeiros (28,6%) como entre médicos (25,0%). Em relação aos agravos não transmissíveis de notificação, 50,0% dos médicos os desconhecem. A dengue foi considerada, erroneamente, como doença de notificação imediata por 85,7% dos enfermeiros e 25,0% dos médicos. Já doenças como sarampo e poliomielite foram considerados erradicados por 71,4% dos enfermeiros e 25,0% dos médicos, 71,4% de enfermeiros e 75,0% dos médicos, respectivamente.

Conclusão: A avaliação permitiu verificar deficiências no conhecimento sobre DANC entre os  profissionais da ESF e sugere-se aos gestores, a realização de capacitação sobre o tema para o fortalecimento das ações de vigilância em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Severino Campos Neto, Secretaria Municipal de Saúde de Correntes

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade de Pernambuco (2008), Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2012), Especialista em Saúde Pública pela Universidade de Pernambuco (2014) e Gestão Escolar pela Universidade Federal de Pernambuco (2014). Atualmente é coordenador do Departamento de Vigilância em Saúde e gestor da Escola Estadual Profª Clarice Godoy. Tem experiência nas áreas de promoção, prevenção e vigilância em saúde.

Daniel Friguglietti Brandespim, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1994), especializaçao em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP) (1995), mestrado em Medicina Veterinária Preventiva pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus Jaboticabal (1998) e doutorado em Medicina Veterinária Preventiva pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus Jaboticabal (2003). Possui experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Medicina Veterinária Preventiva/Epidemiologia/Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: epidemiologia e planejamento em saúde animal, saúde coletiva, saúde pública veterinária e vigilância em saúde. Coordenador do grupo de Programa de Educação pelo Trabalho para Saúde (PET-SAÚDE/VIGILÂNCIA EM SAÚDE) - 2013/2015, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Garanhuns - PE. Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Unidade Acadêmica de Garanhuns da UFRPE (Portaria 161/2014 - GR)

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. 7. ed. Brasília, 2009.

TEIXEIRA, M. G.; PENNA, G. O.; RISI, J. B.; PENNA, M. L.; ALVIM, M. F.; MORAES, J. C.; LUNA, EXPEDITO. Seleção das doenças de notificação compulsória: critérios e recomendações para as três esferas de governo. Informe epidemiológico do SUS, Brasília, v. 7, n. 1, 1998. Disponível em: <http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?pid=S0104-16731998000100002&script=sci_arttext > Acesso em: 18 março 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1271, de 6 de Junho de 2014. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1271_06_06_2014.html >. Acesso: 23 abril 2015.

MACIEL, E. L. N.; ARAÚJO, W. K.; GLACOMIN, S. S.; JESUS, F. A.; RODRIGUES, P. M.; DIETZE, R. O conhecimento de enfermeiros e médicos que trabalham na estratégia de saúde da família acerca da tuberculose no município de Vitória (ES): um estudo transversal. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, Supl. 1, p. 1395-1402, 2009.

BARBOSA, M. C. L.; COSTA, M. C. N.; TEIXEIRA, M. G.; MOTA, E. L.; PEREIRA, S. M. Efeitos da descentralização das ações de vigilância epidemiológica para as equipes de Saúde da Família. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 19, n. 4, p. 347-354, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 1.399, de 15 dezembro de 1999a. Regulamenta a NOB SUS 01/96 no que se refere às competências da União, Estados, Municípios e Distrito Federal, na área de epidemiologia e controle de doenças, define a sistemática de financiamento e dá outras providencias. Disponível em: <http://www.brasilsus.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=13206>. Acesso em: 25 março 2015.

Ministério da Saúde. Portaria nº 950, de 23 de dezembro de 1999b. Define os valores anuais per capita e por quilômetro quadrado, relativos aos recursos federais destinados à composição do Teto Financeiro de Epidemiologia e Controle de Doenças TFECD, de cada um dos estratos previstos no art. 14 da Portaria GM/MS nº 1.399/99. Disponível em: < http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/secretaria-executiva/13551-950.html>. Acesso em: 25 março 2015.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466 de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: < http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf>. Acesso em 26 de março de 2015.

Lei nº 6.259, de 30 de outubro de 1975.Dispõe sobre a organização das ações de Vigilância Epidemiológica, sobre o Programa Nacional de Imunizações, estabelece normas relativas à notificação compulsória de doenças, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6259.htm> Acesso em: 25 março de 2015.

Ministério da Saúde. Portaria nº 104, de 25 de Janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde.. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt0104_25_01_2011.html > Acesso em: 25 março de 2015

COTTA, R. Minardi.M. ; SCHOTT, Marcia ; AZEREDO, Catarina Machado ; FRANCESCHINI, Sylvia Do Carmo C ; PRIORE, Silvia Eloisa ; DIAS, Glauce . Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa de Saúde da Família: Um desafio na reestruturação da atenção básica em saude.. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 15, n.03, p. 07-18, 2006.

BRASIL. Senado Federal. Capítulo 3 Artigo 269 Decreto-lei n° 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Disponível em: < http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=102343 >. Acesso em 28 de março de 2015.

SILVA, J.J.B. A nova face da vigilância epidemiológica. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v.12, n.1, p.5-6, 2003. Disponível em: < http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?pid=S1679-49742003000100001&script=sci_arttext > Acesso em 13 de abril de 2015

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de bolso: doenças infecciosas e parasitárias. 8. ed. Brasília, 2010.

MALTA, D. C.; CEZÁRIO, A. C.; MOURA, L.; NETO, O. L. M.; JUNIOR, J. B. S. A construção da vigilância e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis no contexto do Sistema Único de Saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 15, n. 3, p. 47-65, 2006. Disponível em: <http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/ess/v15n3/v15n3a06.pdf> Acesso em: 08 de abril de 2015.

SOUZA, S. P. O.; MASCARENHAS, M. D. M.; SILVA, M. C. B.; ALMEIDA, R. A. M. Conhecimento sobre doenças e agravos de notificação compulsória entre profissionais da Estratégia Saúde da Família no Município de Teresina, Estado do Piauí, Brasil – 2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 21, n. 3, p. 465-474, 2012.

Publicado
2019-08-14
Como Citar
1.
Brito dos SantosCV, Campos NetoJS, Brandespim DF. AVALIAÇÃO DO CONCEITO DAS DOENÇAS E AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA POR MÉDICOS E ENFERMEIROS QUE TRABALHAM NA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA. Rev. G&S [Internet]. 14º de agosto de 2019 [citado 23º de outubro de 2019];00:54 -67. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/23321
Seção
Artigos Originais