SEGUIMENTO DE RESULTADOS ALTERADOS DE PAPANICOLAU NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

Palavras-chave: Serviços de saúde da mulher. Prevenção e control. Colo do útero. Teste de Papanicolaou.

Resumo

O câncer de colo do útero, quando diagnosticado precocemente, apresenta um dos mais altos potenciais de prevenção e cura. Os objetivos do estudo foram: a) avaliar a proporção de resultados alterados de Papanicolau nas 20 unidades da Região da Supervisão de Saúde da Penha da cidade São Paulo, Brasil; b) diagnosticar os fluxos de acompanhamento corretos nas unidades de saúde e c) averiguar o acompanhamento dos exames alterados nas unidades de saúde. Utilizou-se a verificação dos livros de registro de exames, seu preenchimento correto e a coleta de dados, bem como os resultados destes exames. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva, tabelas de distribuição de frequências e análise de correlação de Spearman. Verificou-se que os indivíduos apresentaram em média 32 anos (intervalo de confiança de 95%), maior prevalência de NIC (Neoplasia Intra Epitelial) I (79,3%) e o tempo entre coleta de exame e diagnóstico final foi de 91 a 123 dias. Encontraram-se apenas nove unidades em conformidade com Protocolos de Seguimento do Ministério da Saúde e, nestas, o tempo entre coleta e diagnóstico final era menor. Concluiu-se que a implantação de protocolos é fator preponderante para um melhor seguimento dos exames alterados de Papanicolau.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luiz Vieira Franco

Mestrado Saúde Coletiva FOP/UNICAMP.

Jaqueline Vilela Bulgareli

Pós-doutoranda em Odontologia FOP/UNICAMP

Karine Laura Cortellazzi

Docente área bioestatística FOP/UNICAMP.

Luciane Miranda Guerra

Docente área Psicologia Aplicada FOP/UNICAMP.

Adriana Dantas da Costa

Mestrado Saúde Coletiva FOP/UNICAMP

Denise de Fátima Barros Cavalcante

Mestrado Saúde Coletiva FOP/UNICAMP.

Brunna Verna Castro Gondinho

Doutoranda em Odontologia FOP/UNICAMP.

Glaúcia Maria Bovi Ambrosano

Docente área bioestatística FOP/UNICAMP.

 

Antonio Carlos Pereira

Docente da área Saúde Pública FOP/UNICAMP.

Referências

Instituto Nacional de Câncer (INCA). Declaração Mundial Contra o Câncer. INCA; 2015. [página na Internet]. [acessado 2015 ago 25]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/acoes_programas/site/home/internacional/declaracao_mundial_contra_cancer

Instituto Nacional de Câncer (INCA). Incidência do Câncer no Brasil. INCA; 2009. [página na Internet]. [acessado 2011 mai 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estimativa_2010_incidencia_cancer.pdf

Pan American Health Organization (OPAS). A Situational Analysis of Cervical Cancer Latin America & the Caribbean. OPAS; 2004 [página na Internet]. [acessado 2011 mai 20]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/165994/1/92%2075%2012531%207.pdf?ua=1

Bulgareli JV, Diniz OCCF, Faria ET, Vazquez FL, Cortellazzi KL, Pereira AC. Prevenção e detecção do câncer bucal: planejamento participativo como estratégia para ampliação da cobertura populacional em idosos. Cien Saud Col 2013; 18(12):3461-3473.

Ohira RHF, Junior LC, Nunes EFPA. Análise das práticas gerenciais na Atenção Primária à Saúde nos municípios de pequeno porte do norte do Paraná, Brasil. Cien Saud Col 2014; 19(11):4439-4448.

Martins LFL, Thuler LCS, Valente JG. Cobertura do exame de Papanicolau no Brasil e seus fatores determinantes: uma revisão sistemática da literatura. Rev Bras Ginecol Obstet 2005; 27(8): 485-492.

Caetano R, Vianna CMM, Thuler LC, Girianelli V. Custo-efetividade no diagnóstico precoce do câncer do colo uterino no Brasil. Physis 2006;16(1):99-118.

Martins LFL, Valente JG, Thuler LCS. Fatores associados à não realização do exame de Papanicolaou: estudo transversal de base populacional em duas capitais brasileiras. Rev Bras Canc 2006; 52(2): 197.

Andrade SSC, Silva FMC, Silva MSS, Oliveira SHS, Leite KNS, Sousa MJ. Compreensão de usuárias de uma unidade de saúde da família sobre o exame Papanicolaou. Cien Saud Col 2013; 18(8):2301-10

Brito CMS, Nery IS, Torres LC. Sentimentos e expectativas das mulheres acerca da citologia oncótica. Rev Bras Enferm 2007; 60(4): 387-90.

Rafael RMR, Moura ATMS. Barreiras na realização da colpocitologia oncótica: um inquérito domiciliar na área de abrangência da Saúde da Família de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saude Publ 2010; 26(5):1045-50.

Ramos NPD, Amorim JÁ, Lima CEQ. Uterus cancer: influence of the suitability of the cervical sample on the result citopatológic test. Rev Bras Anal Clin 2008; 40(3):215-8.

Instituto Nacional de Câncer (INCA). Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Instituto Nacional de Câncer do Brasil: INCA; 2011. [página na Internet]. [acessado 2011 ago 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/rastreamento_cancer_colo_utero.pdf.

Castro B, Ribeiro DP, Oliveira J, Pereira MB , Sousa JC, Yaphe J. Rastreio do câncer do colo do útero: limites etários, periodicidade e exame ideal: revisão da evidência recente e comparação com o indicador de desempenho avaliado em Portugal. Cien Saude Colet 2014; 19(4): 1113-22.

Prefeitura Municipal de São Paulo (PMSP). Boletim CEInfo Impacto do câncer no Município de São Paulo. São Paulo: PMSP, 2009. [página na Internet]. [acessado 2009 nov 20]. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/arquivos/publicacoes/Boletim_ImpactodoCancer.pdf.

Instituto Nacional de Câncer (INCA). Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo do Útero. INCA, 2011. [página na Internet]. [acessado 2011 ago 17]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/PROGRAMA_UTERO_internet.PDF.

Fennell ML, Das IP, Clauser S, Petrelli N, Salner A. The Organization of Multidisciplinary Care Teams: Modeling Internal and External Influences on Cancer Care Quality. J Natl Cancer Inst Monogr 2010; 40: 72-80.

Zapka JG, Taplin SH, Solberg LI, Manos MM. A framework for improv¬ing the quality of cancer care: the case of breast and cervical cancer screen¬ing. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev 2003;12(1):4–13.

Arantes RC. A realização do exame papanicolaou em Paracatu-MG: análise do período 2004 a 2006. [dissertação]. Franca (SP): Universidade de Franca; 2009.

Sankaranarayanan R; Ferlay J. Worldwide burden of gynaecological cancer: The size of the problem. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol 2006; 20 (2): 207–25.

Amorim VMSL, Chester MBAB, César LG, Carandina L, Goldbaum M. Fatores associados a não realização do exame de Papanicolau: um estudo de base populacional no Município de Campinas. Cad Saude Publica 2006; 22(11):2329-2338.

Brenna SMF, Hardy E, Zeferino LC, Namura I. Conhecimento, atitude e prática do exame de Papanicolau em mulheres com câncer de colo uterino. Cad Saude Publica 2001;17(4): 909-14.

Domingos ACP, Murata IMH, Pelloso SM, Schirmer J, Carvalho MDB. Câncer do colo do útero: comportamento preventivo de auto-cuidado à saúde. Cienc Cuid Saude 2007; 6(Supl. 2): 397-403.

Greenwood SA, Machado MFAS, Sampaio NMV. Motivos que levam mulheres a não retornarem para receber o resultado de exame Papanicolau. Rev Lat Am Enferm 2006; 14(4):503-9.

Zeferino LC, Costa AM, Morelli MGLD, Tambascia J, Panetta K, Pinotti JA. Programa de detecção do câncer do colo uterino de Campinas e região: 1968-1996. Rev Bras Cancerol 1999; 45(4):25-33.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília: MS; 2013. [página na Internet]. [acessado 2013 ago 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/controle_canceres_colo_utero_2013.pdf.

Thuler LCS, Zardo LM, Zeferino LC. Perfil dos laboratórios de citopatologia do Sistema Único de Saúde. J Bras Patol Med Lab 2007;43 (2):103-14.

Donabedian A. The quality of care: How can it be assessed? JAMA 1988; 260(12):1743-1748.

El Haj HI, Lamrini M, Rais N. Quality Of Care Between Donabedian Model And Iso9001v2008. International Journal For Quality Research 2013; 7(1): 17-30.

Ribeiro LP, Maradei CM, Silva CL, Tombolato RM, Vieira EM. Prevenção do câncer de colo uterino em uma área do Programa de Saúde da Família em Ribeirão Preto. Rev Atenção Primária à Saude 2004; 7(2): 91-5.

Zeferino LC. O desafio de reduzir a mortalidade por câncer do colo do útero. Rev Bras Ginecol Obstet 2008; 5 (30): 213-15.

Vidal MLB. Efeitos adversos tardios subseqüentes ao tratamento radioterápico para câncer de colo uterino na bexiga, reto e função sexual [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Instituto Nacional de Câncer; 2008

Organización Panamericana de la Salud (OPAS). Indicadores de Salud: Elementos Básicos para el Análisis de la Situación de Salud. Boletín Epidemiológico. OPAS; 2001. [página na Internet]. [acessado 2011 ago 17]. Disponível em: http://www1.paho.org/spanish/sha/eb_v22n4.pdf

Instituto Nacional de Câncer (INCA). Falando sobre câncer do colo do útero. Brasília: INCA; 2002. [página na Internet]. [acessado 2011 mai 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/falando_cancer_colo_utero.pdf

Brasil. Portaria Nº 2.394 de 19 de dezembro de 2003. Brasília: MS; 2003. [página na Internet].[acessado 2015 ago17]. Disponível em:

http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/pacto/2004/portaria2394.pdf

International Agency for Research on Cancer (IARC). Screening for squamous cervical cancer: duration of low risk after negative results of cervical cytology and its implication for screening policies. IARC Working Group on evaluation of cervical cancer screening programmes. Br Med J 1986;13 (293): 659–664.

Publicado
2019-02-28
Como Citar
Franco, J. L., Bulgareli, J., Cortellazzi, K., Guerra, L. M., Dantas da Costa, A., Cavalcante, D. de F., Gondinho, B., Ambrosano, G. M., & Pereira, A. (2019). SEGUIMENTO DE RESULTADOS ALTERADOS DE PAPANICOLAU NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Revista Eletronica Gestão & Saúde, 19 - 36. https://doi.org/10.26512/gs.v0i0.23317
Seção
Artigos de Pesquisa

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##