PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE BUCAL ACERCA DAS MUDANÇAS DAS AÇÕES COLETIVAS NO PROCESSO DE TRABALHO DA ESF

Palavras-chave: Odontologia em Saúde Pública., Estratégia de Saúde da Família, Saúde Bucal.

Resumo

Ao longo de três décadas do Sistema Único de Saúde(SUS), o processo de trabalho da Odontologia foi baseado no ‘modelo tradicional’ de atenção com foco na doença, na intervenção curativista e no biológico; contudo, uma mudança de atuação ainda se encontra em construção, já que esse modelo biomédico é muito expressivo na formação dos profissionais da área de saúde. No entanto, para os próximos anos, faz-se necessário readequar a forma de trabalho da equipe de saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família (ESF). Este trabalho visa analisar a percepção dos profissionais da equipe de Saúde Bucal do Distrito Federal acerca da aplicação das ações coletivas no processo de trabalho, antes e após o início do exercício profissional como ESF.O presente estudo é transversal descritivo de abordagem quali-quantitativa, com questionário semiestruturado, entrevistas e análise de conteúdo. Foram selecionadas duas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de cada Região de Saúde que apresentaram o melhor e pior indicador de cobertura em saúde bucal. Dentistas e técnicos de saúde bucal com maior tempo de exercício profissional apresentaram maior resistência ao ‘novo modelo ‘do que o grupo que está a menos tempo na Secretaria, ou que entrou como membro da ESF. Todos os profissionais entrevistados relataram dedicar-se às atividades coletivas, mas, em sua maior parte, ainda vinculadas ao modelo tradicional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago Araújo Coelho de Souza, Universidade de Brasília

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal do Pará (2001), Mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005) e Doutorado em Saúde Pública - área de Epidemiologia - pela Universidade de Kentucky - USA (2009). Foi Subsecretário de Vigilância à Saúde (2015-2016) e de Gestão Estratégica e Participativa (2015) da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Secretário Adjunto de Ciência e Tecnologia do DF (2017) e Presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (2018). Desde 2010, é Professor Adjunto da Faculdade de Ciências de Saúde da Universidade de Brasília (UnB) e professor associado da Sociedade Brasileira de Pesquisa Odontológica, parecerista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, parecerista do Ministério da Saúde, e membro da American Public Health Association. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: epidemiologia, disparidades em saúde, vigilância à saúde, saúde bucal, educação na saúde, saúde indígena, gestão estratégica e participativa

Referências

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2017.

Ministério da Saúde (Brasil). Diretrizes da política nacional de saúde bucal. Ministério da Saúde,Brasília, DF, 2004.

BOARETO,P. A inclusão da Equipe de Saúde Bucal na Estratégia de Saúde da Família. Monografia [Trabalho de conclusão de curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família]. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, 2011.

SCHERER,C. O trabalho em saúde bucal na estratégia saúde da família: revisão da literatura e estudo qualitativo no Distrito Federal. Dissertação [Mestrado]. Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, 2014.

NARVAI,P. C. Saúde bucal coletiva: caminhos da odontologia sanitária à bucalidade. Revista de Saúde Pública, São Paulo,vol. 40(spe), p. 141-147, 2006.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 1.444, de 28 de dezembro de 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa de Saúde da Família. Brasília, DF, 2000, seção 1 p. 85.

PEREIRA,D.:PEREIRA,J.:ASSIS,M. A prática odontológica em Unidades Básicas de Saúde em Feira de Santana (BA) no processo de municipalização da saúde: individual, curativa, autônoma e tecnicista. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 8(2):599-609, 2003.

MENDES,E. As redes de atenção à saúde. Organização Pan-Americana de Saúde,2011.

BARBOSA,A.;BRITO,E.;COSTA,I. Saúde Bucal no PSF, da inclusão ao momento atual: percepções de Cirurgiões-Dentistas e auxiliares no contexto de um município. Brazilian Dental Science, vol. 10(3),2007.

ARAÚJO, L. C. Programa Saúde da Família pelo olhar do cirurgião-dentista [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2005.

CORDÓN,J. A construção de uma agenda para a saúde bucal coletiva. Rio de Janeiro: Escola Nacional de SaúdePública, Fundação Oswaldo Cruz, 1997.

Ministério da Saúde (Brasil). Relatório do histórico de cobertura de equipes de Saúde da Família. Departamento de Atenção Básica, 2017. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/dab/historico_cobertura_sf/historico_cobertura_sf_relatorio.php.Acesso em: 8 set. 2017.

COSTA,R. et. al. O trabalho em equipe desenvolvido pelo cirurgião-dentista na Estratégia Saúde da Família: expectativas, desafios e precariedades. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 7(24), 2012.

FLISH, T. M. P. Práticas coletivas de educação em saúde na Atenção Primária à Saúde em Contagem, MG [dissertação]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

FARIAS,M;COELHO SAMPAIO, J. Integração da equipe de saúde bucal na estratégia saúde da família: a percepção dos profissionais. Revista Baiana de Saúde pública. 34(4):745-757, 2010.

CARVALHO,B;PEDUZZI,M;AYRES,J. Concepções e tipologia de conflitos entre trabalhadores e gerentes no contexto da atenção básica no Sistema Único de Saúde (SUS). Cadernos de Saúde Pública,30:1453-1462, 2014.

SANTOS,A.et. al. Linhas de tensões no processo de acolhimento das equipes de saúde bucal do Programa Saúde da Família: o caso de Alagoinhas, Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública,23(1):75-85,2007.

Ministério da Saúde (Brasil). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Publicado
2019-05-23
Como Citar
1.
Quintanilha E, Coelho de Souza T. PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE BUCAL ACERCA DAS MUDANÇAS DAS AÇÕES COLETIVAS NO PROCESSO DE TRABALHO DA ESF. gs [Internet]. 23maio2019 [citado 16jul.2019];10(2):164 -180. Available from: http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/22822
Seção
Artigos Originais