A Diferença Sexual de Butler a Lacan

Gênero, Espécie e Família

  • Rafael Kalaf Cossi Universidade de São Paulo
  • Christian Ingo Lenz Dunker Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Diferença sexual, Psicanálise, Estudos de gênero, Real

Resumo

Judith Butler está no centro do fecundo debate estabelecido entre psicanálise e estudos de gênero. A filósofa utiliza teses psicanalíticas em seu proveito, porém critica alguns de seus referenciais teóricos. Neste artigo, reexaminamos tais críticas à luz da teoria do Real e as fórmulas da sexuação de Lacan.  Sugerimos que os apontamentos butlerianos dependem de um entendimento de ordem simbólica que identifica três instâncias: sistemas de parentesco; gêneros de relação ao falo; e modalidades de gozo. A nosso ver, este entendimento de diferença sexual, dualista e complementar, é revisto pela teoria lacaniana da disparidade do gozo. Também sustentamos que a teoria dos discursos, no quais “homem” e “mulher” são tomados como semblantes, abrem caminhos inovadores à pesquisa da diferença sexual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Kalaf Cossi, Universidade de São Paulo

Psicólogo (USP), mestre (USP) e doutorando em Psicologia clínica (USP); psicanalista

Christian Ingo Lenz Dunker, Universidade de São Paulo

professor titular do departamento de psicologia clínica da Unuiversidadade de São Paulo; psicanalista

Referências

Butler, J. (1993). Bodies that matter: On the discursive limits of “sex”. New York and London: Routledge.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero – feminismo e subversão da identidade (R. Aguiar, Trad.). Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira. (Originalmente publicado em 1990)

Butler, J. (2004). Undoing gender. New York and London: Routledge

Campbell, K. (2004). Jacques Lacan and feminist epistemology. New York and London: Routledge.

Copjec, J. (1994). Read my desire—Lacan against the historicists. Cambridge MA and London: MIT Press.

Cornell, D. (1995). Rethinking the time of feminism. In S. Benhabib, J. Butler, D. Cornell & N. Fraiser (Eds.), Femininst contentions: A philosofical exchange (pp. 145-157). New York and London: Routledge.

David-Ménard, M. (1998). As construções do universal: psicanálise, filosofia (C. P. Almeida, Trad.). Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Dunker, C. I. L. (2011). Estrutura e constituição da clínica psicanalítica: Uma arqueologia das práticas de cura, psicoterapia e tratamento. São Paulo: Annablume.

Knudsen, P. P. P. S. (2007). Gênero, psicanálise e Judith Butler: Do transexualismo à política (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lacan, J. (1985). O seminário, Livro 20: mais, ainda (2ª ed. revisada). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Seminário ministrado em 1972-73)

Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Comunicação feita em 1949)

Lacan, J. (1999). O seminário, Livro 5: As formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Seminário ministrado em 1957-58)

Lago, M. C. S. (2010). A psicanálise nas ondas dos feminismos. In C. Rial & J. M. Pedro (Eds.), Diversidades: Dimensões de gênero e sexualidade (pp. 1-23). Recuperado de http://www.miriamgrossi.cfh.prof.ufsc.br/pdf/a_psicanalise_nas_ondas.pdf

Lévi-Strauss, C. (1998). Antropologia estrutural I (B. Perrone-Moisés, Trad.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.(Originalmente publicado em 1955)

Zizek, S. (1999). The ticklish subject: The absent centre of politicalontology. London and New York: Verso.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
CossiR. K., & DunkerC. I. L. (2017). A Diferença Sexual de Butler a Lacan. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19501
Seção
Artigos Teóricos