Classes de Equivalência

Efeitos do Elemento Redundante e da Ordem dos Testes

  • Marília Santana Alves Associação Educativa do Brasil - Soebrás
  • Raquel Maria de Melo Universidade de Brasília
  • Elenice Seixas Hanna
Palavras-chave: Ordem dos testes, Topografia de controle de estímulos, Elemento redundante, Discriminação simples simultânea, Classes de equivalência

Resumo

Avaliou-se o efeito da ordem dos testes na formação de classes de equivalência e no controle de estímulos após ensino de discriminação simples simultânea com um elemento redundante (mancha preta). Dezenove universitários realizaram treino de relações condicionais, além de testes de equivalência e de controle de estímulos com máscara. A ordem dos testes foi alterada em duas fases experimentais: (1) testes intercalados com treinos e (2) testes após os treinos. A mancha aparecia em um dos estímulos de treino. Desempenhos mais precisos ocorreram em testes conduzidos no final dos treinos. Escores altos foram relacionados com controle pelo S+ e pelo S- e os mais baixos com múltiplos controles, principalmente pela mancha. Sugere-se que a ordem dos testes interage com efeitos do elemento redundante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Santana Alves, Associação Educativa do Brasil - Soebrás

Mestrado em Ciências do Comportamento pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências do Comportamento da Universidade de Brasília

Raquel Maria de Melo, Universidade de Brasília

Departamento de Processos Psicológicos Básicos, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília

Elenice Seixas Hanna

Departamento de Processos Psicológicos Básicos, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília

Referências

Adams, B. J., & Fields, L. (1993). Effects of test order on intersubject variability during equivalence class formation. Psychological Record, 43, 133-152.

Batitucci, L. A., Batitucci, J. S. L., & Hanna, E. S. (2007). Contingência Programada (Versão 2.0) [Software de computador]. Instrumento não publicado.

Brino, A. L. F., Galvão, O. F., Picanço, C. R. F., Barros, R. S., Souza, C. B. A., ... McIlvane, W, J. (2014). Generalized identity matching to sample after multiple-exemplar training in capuchin monkeys. Psychological Record, 64, 693-702.

Carrigan, P. F., & Sidman, M. (1992). Conditional discriminations and equivalence relations: A theoretical analysis of control by negative stimuli. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 58, 183-204.

Damim, E. T. B., Assis, G. J. A., & Baptista, M. Q. G. (1998). Efeitos da distribuição treinos/testes sobre a formação de classes de estímulos equivalentes sem consequências diferenciais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 14, 41-49.

Debert, P., Matos, M. A., & McIlvane, W. (2007). Conditional relations with compound abstract stimuli using a go/no-go procedure. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 87, 89-96.

de Rose, J. C. (1993). Classes de estímulos: Implicações para uma análise comportamental da cognição. Psicologia Teoria e Pesquisa, 9, 283-303.

de Rose, J. C., Hidalgo, M., & Vasconcelos, M. (2013). Controlling relations in baseline conditional discriminations as determinants of stimulus equivalence. The Psychological Record, 63, 85-98.

Dixon, L. S. (1977). The nature of control by spoken words over visual stimulus selection. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 7, 433-442.

Dube, W. V., & McIlvane, W. J. (1996). Some implications of a stimulus control topography analysis for emergent behavior and stimulus classes. In T. R. Zentall & P. M. Smeets (Eds.), Stimulus class formation in humans and animals (pp. 197-218). North Holland: Elsevier.

Green, G., & Saunders, R. R. (1998). Stimulus equivalence. In K. A. Lattal & M. Perone (Eds.), Handbook of research methods in human operant behavior (pp. 229-262). New York: Plenum.

Hanna, E. S., Kohlsdorf, M., Quinteiro, R. S., Fava, V. M. D., de Souza, D. G., & de Rose, J. C. (2008). Diferenças individuais na aquisição de leitura com um sistema linguístico em miniatura. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24, 45-57.

Huziwara, E. M. (2010). Controle por seleção e rejeição em discriminações condicionais em humanos (Tese de Doutorado não publicada). Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Johnson, C., & Sidman, M. (1993). Conditional discrimination and equivalence relations: Control by negative stimuli. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 59, 333-347.

Kataoka, K. B. (2008). Reforçamento específi co em treinos de discriminações condicionais e teste de simetria com um macaco prego (Dissertação de Mestrado não publicada). Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

McIlvane, W. J, & Dube, W. V. (2003). Stimulus control topography coherence theory: Foundations and extensions. The Behavior Analyst, 26, 195-213.

McIlvane W. J., Kledaras J. B., Munson L. C., King K. A., de Rose J. C., & Stoddard, L. T. (1987). Controlling relations in conditional discrimination and matching by exclusion. Journal of Experimental Analysis of Behavior, 48, 187-208.

McIlvane, W. J., Serna, R. W., Dube, W. V., & Stromer, R. (2000). Stimulus control topography coherence and stimulus equivalence: Reconciling test outcomes with theory. In J. Leslie & D. Blackman (Eds.), Issues in experimental and applied analyses of human behavior (pp. 85-110). Reno: Context Press.

Moreira, M. B. (2010). Identifi cação de variáveis relevantes para a emergência de relações condicionais a partir de discriminações entre estímulos compostos (Tese de doutorado não publicada). Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Moreira, M. B., & Hanna, E, S. (2012). Emergência de classes de equivalência após separação e recombinação de estímulos compostos utilizados no treino. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, 8, 59-80.

Moreira, M. B., Oliveira, A., & Hanna, E. S. (2017). Arranjo de estímulos em treino discriminativo simples com compostos e emergência de classes de estímulos equivalentes. Temas em Psicologia, 25, 351-367..

Moreira, M. B., Todorov, J. C., & Nalini, L. E. G. (2008). Discriminações simples simultâneas e responder relacional. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, 8, 127-142.

Nalini, L. E. (2002). Determinação empírica da nomeabilidade de estímulos: Implicações para o estudo das relações de nomeação (Tese de Doutorado não publicada). Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Oliveira, A. (2012). Efeito do reforço específico na formação de classes de estímulos a partir de discriminações simples entre estímulos compostos e procedimento com mancha redundante (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Serna, R. W., Wilkinson, K., & McIlvane, W. J. (1998). Blankcomparison assessment of stimulus-stimulus relations in individuals with mental retardation: A methodological note. American Journal on Mental Retardation, 103, 60-74.

Sidman, M. (2000). Equivalence relations and the reinforcement contingency. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 74, 127-146.

Sidman, M., Kirk, B., & Willson-Morris, M. (1985). Six-member stimulus classes generated by conditional-discrimination procedures. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 43, 21-42.

Sidman, M., & Tailby, W. (1982). Conditional discrimination vs matching to sample: Expansion of testing paradigm. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 43, 21-42.

Smeets, P. M., Barnes-Holmes, D., & Cullinan, V. (2000). Establishing equivalence classes with match-to-sample format and simultaneous-discrimination format conditional discriminations tasks. The Psychological Record, 50, 721-744.

Stromer, R., McIlvane, W. J., & Serna R. W. (1993). Complex stimulus control and equivalence. The Psychological Record, 43, 585-598.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
AlvesM. S., MeloR. M. de, & HannaE. S. (2017). Classes de Equivalência. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19485
Seção
Estudos Empíricos