Análise Empírica de Tendências na Produção Científica sobre Coping (SciELO, 1993/2012)

  • Fabíola Ribeiro de Moraes Santeiro Psicoterapeuta da prática privada.
  • Daniela Sacramento Zanini Pontifícia Universidade Católica de Goiás
  • Tales Vilela Santeiro Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Palavras-chave: Estilos de enfrentamento, Bases de dados, Periódicos científicos, Metaciência

Resumo

Coping indica uma ação intencional, física ou mental, iniciada em resposta a um estressor percebido, dirigida para circunstâncias externas ou estados internos.  A pesquisa visou obter panorama sistemático do que tem sido feito e discutido em parte da produção científica sobre coping, através da análise de artigos publicados em periódicos indexados à Base de Dados SciELO, entre 1993 e 2012 (N=294).  Observou-se aumento quantitativo das produções no período investigado e elas foram divulgadas predominantemente em periódicos da Psicologia.  Autorias femininas e grupais, desenvolvendo estudos empíricos, foram expressivas.  Transtornos orgânicos, instituições hospitalares e usuários de serviços de saúde foram mais investigados e discutidos.  A terminologia coping nem sempre é enfocada como um corpo teórico específico, o que requer atenção do leitor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabíola Ribeiro de Moraes Santeiro, Psicoterapeuta da prática privada.

Psicóloga, Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Daniela Sacramento Zanini, Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Professora Adjunto e Psicóloga Clínica e da Saúde do Instituto de Neurologia de Goiânia e Bueno Medical Center; Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2 - CNPq.

Tales Vilela Santeiro, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Professor Adjunto do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação - Mestrado em Psicologia.

Referências

Aros, M. S., & Yoshida, E. M. P. (2009). Estudos de depressão: Instrumentos de avaliação e gênero. Boletim de Psicologia, LIX(130), 61-76.

Barroso, S. M. (2010). Avaliação psicológica: análise das publicações disponíveis na SciELO e BVS-Psi. Fractal: Revista de Psicologia, 22(1), 141-154.

Bordens, K. S., & Abbott, B. B. (1999). Research design and methods: A process approach (4a ed.). Mountain View (CA): Mayfield Publishing Company.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior [CAPES] (2013). Qualis periódicos. Brasília: CAPES. Retrieved from http://capes.gov.br/avaliacao/qualis .

Costa, A. L. F., Amorim, K. M. O., & Costa, J. P. (2010). Profissão de psicólogo no Brasil: análise da produção científica em artigos. In O. H. Yamamoto & A. L. F. Costa (Eds.), Escritos sobre a profissão de psicólogo no Brasil (pp. 31-58). Natal: EDUFRN.

Custódio, Z. A. O., Crepaldi, M. A, & Cruz, R. M. (2012). Desenvolvimento de crianças nascidas pré-termo avaliado pelo teste de Denver-II: revisão da produção científica brasileira. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(2), 400-406.

Domingos, N. A. M. (1999). Perspectivas da produção científica da pós-graduação em psicologia da PUC-Campinas. In G. P. Witter (Ed.), Produção científica em Psicologia e Educação (pp. 79-102). Campinas, SP: Alínea.

Folkman, S., & Lazarus, R. S. (1980). An analysis of coping in a middle-aged community sample. Journal of Health and Social Behavior, 21, 219-239.

Gomes, W. B. (2003). Pesquisa e prática em psicologia no Brasil. In O. H. Yamamoto & V. V. Gouveia (Eds.), Construindo a psicologia brasileira: desafios da ciência e da prática psicológica (pp. 23-59). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Granja, E. C. (1995). Produção científica: Dissertações e teses do Instituto de Psicologia da USP (1980/1989). (Unpublished doctoral dissertation). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Herculano, R. D., & Norberto, A. M. Q. (2012). Análise da produtividade científica dos docentes da Universidade Estadual Paulista, Campus de Marília/SP. Perspectivas em Ciência da Informação, 17(2), 57-70.

Joly, M. C. R. A., Berberian, A. A., Andrade, R. G., & Teixeira, T. C. (2010). Análise de teses e dissertações em avaliação psicológica disponíveis na BVS-PSI Brasil. Psicologia: Ciência Profissão, 30(1), 174-187.

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal, and coping. New York: Springer.

Massi, L., & Queiroz, S. L. (2012). Investigando processos de autoria na produção do relatório de Iniciação Científica de um graduando em Química. Ciência & Educação (Bauru), 18(2), 271-290.

Moos, R. H. (1993). Coping response inventory youth form - Professional manual. Odessa: PAR Psychological Assessment Resources.

Moos, R. H. (2002). The mystery of human context and coping: An unraveling of clues. American Journal of Community Psychology, 30(1), 67-88.

Moos, R. H. (2003). Social context: Transcending their power and their fragility. American Journal of Community Psychology, 31(2), 1-13.

Packer, A. L. (2009). The SciELO open access: A gold way from the South. Canadian Journal of Higher Education, 39(3), 111-126.

Packer, A. L. (2011). Os periódicos brasileiros e a comunicação da pesquisa nacional. Revista USP, 89, 26-61.

Packer, A. L., Biojone, M. R., Antonio, I. T. R. M., García, A. P., Silva, A. C., Murasaki, R. Delbucio, H. (1998). SciELO: uma metodologia para publicação eletrônica. Ciência da Informação, 27(2), 109-121.

Pinto, L. P., de Lima, T. H., & de Lima, R. C. (2011). Estudo da produção científica da Revista Psico-USF de 2007 a 2011. Psico-USF, 16(3), 383-390.

Pinto, F. P., Santeiro, T. V., & Santeiro, F. R. M. (2010). Produção científica sobre psicoterapias na base de dados PePsic (1998/2007). Fractal: Revista de Psicologia, 22(2), 411-430.

Poblacion, D. A., Witter, G. P., & Silva, J. F. M. (Eds.) (2006). Comunicação & produção científica: Contexto, indicadores e avaliação. São Paulo: Angellara.

Sabadini, A. Z. P., Sampaio, M. I. C., & Koller, S. H. (Eds.) (2009). Publicar em Psicologia: Um enfoque para a revista científica. São Paulo: Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia; Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Sampaio, M. I. C., & Serradas, A. (2009). O movimento de acesso aberto, os repositórios e as revistas científicas. In A. Z. P. Sabadini, M. I. C. Sampaio & S. H. Koller (Eds.), Publicar em Psicologia: Um enfoque para a revista científica (pp. 75-86). São Paulo: Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia; Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Scientific Electronic Library Online. (2012). Sobre o SciELO: Modelo SciELO. São Paulo: FAPESP; BIREME. Retrieved from http://www.scielo.org/php/level.php?lang=pt&component=56&item=1

Siegel, S. (1975). Estatística não-paramétrica para as ciências do comportamento. Trad. Alfredo Alves de Farias. São Paulo: McGraw-Hill. (Trabalho original publicado em 1956)

Witter, G. P. (2008). Psicologia da saúde e produção científica. Estudos de Psicologia (Campinas), 25(4), 577-584.

Yoshida, E. M. P., Santeiro, T. V., Santeiro, F. R. M., & Rocha, G. M. A. (2005). Psicoterapias breves psicodinâmicas: características da produção científica nacional e estrangeira (1980/2003). Psico-USF, 10(1), 51-59.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
SanteiroF. R. de M., ZaniniD. S., & SanteiroT. V. (2017). Análise Empírica de Tendências na Produção Científica sobre Coping (SciELO, 1993/2012). Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19479
Seção
Estudos Empíricos