Trajetórias Escolares de Surdos

Entre Práticas Pedagógicas e Processos de Desenvolvimento Bicultural

  • Camila Brito Ribeiro Universidade de Brasília
  • Daniele Nunes Henrique Silva Universidade de Brasília
Palavras-chave: Surdo, Educação inclusiva, Comunicação intercultural, Psicologia do desenvolvimento

Resumo

Caracterizada por uma variedade de estratégias de ensino, a experiência dos surdos na escola tem sido marcada por fracasso e evasão escolar. Assim, propomos refletir sobre os processos de escolarização desses sujeitos. Os dados foram coletados em sessões clínicas, estruturadas por equipe profssional multidisciplinar (pedagogo, psicóloga e intérprete), com um grupo de quatro surdos. As narrativas analisadas detiveram-se nas práticas pedagógicas, apontando três eixos de análise: (a) o papel da língua no processo de ensino-aprendizagem, (b) a atuação do intérprete de língua de sinais em sala de aula e (c) difculdades decorrentes da aprendizagem baseada exclusivamente na escrita e na oralidade. Conclui-se pela importância de pensar o processo de inclusão do surdo a partir do respeito à sua condição bilíngue.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Brito Ribeiro, Universidade de Brasília

Instituto de Psicologia

Daniele Nunes Henrique Silva, Universidade de Brasília

Instituto de Psicologia

Referências

.Angelucci, C. B., & Luz, R. D. (2010). Contribuições da escola para a (de)formação dos sujeitos surdos. Psicologia Escolar e Educacional, 14(1), 35-44. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572010000100004

Araújo, C. C. M., & Lacerda, C. B. F. de. (2010). Linguagem e desenho no desenvolvimento da criança surda: Implicações histórico-culturais. Psicologia em Estudo, 15(4), 695-703. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722010000400005

Buzar, E. A. S. (2009). A singularidade visuo-espacial do sujeito surdo: Implicações educacionais (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Campello, A. R. e S. (2007). Pedagogia Visual/Sinal na Educação dos Surdos. In R. M. de Quadros & G. Perlin (Eds.), Estudos surdos II (pp. 100-131). Petrópolis, RJ: Arara Azul.

Costa, I. I., & Silva, D. N. H. (2010). Surdez e sofrimento psíquico. Em busca de um cuidado a partir da pesquisa em uma abordagem psicoeducacional: Um estudo preliminar (Projeto de Pesquisa aprovado pelo CEP/IH e submetido ao CNPq. Brasília). Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Damázio, M. F. M. (2007). Atendimento educacional especializado para pessoas com surdez. Retirado de http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_da.pdf

Dizeu, L. C. T. B., & Caporali, S. A. (2005). A língua de sinais constituindo o surdo como sujeito. Educação & Sociedade, 26(91), 583-597. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302005000200014

Fernandes, E. (2003). Linguagem e surdez. Porto Alegre: Artmed

Gesueli, Z. M. (2006). Língua(gem) e identidade: A surdez em questão. Educação & Sociedade, 27(94), 277-292. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302006000100013

Góes, M. C. R. (2002). Linguagem, surdez e educação (3ª ed.). Campinas, SP: Autores Associados.

Góes, M. C. R., & Lacerda, C. B. F. (2000). Surdez: Processos educativos e subjetividade. São Paulo: Lovise.

Kelman, C. A., Silva, D. N. H., Amorim, A. C. F. de, Monteiro, R. M. G., & Azevedo, D. C. (2011). Surdez e família: Facetas das relações parentais no cotidiano comunicativo bilíngue. Linhas Críticas, 17(33), 349-365. Retirado de http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/5698/4710

Lacerda, C. B. F. (1996). Os processos dialógicos entre aluno surdo e professor ouvinte – Examinando a construção do conhecimento (Tese de doutorado não-publicada). Universidade Estadual de Campinas, São Paulo. SP.

Lacerda, C. B. F. (2006). A inclusão escolar de alunos surdos: O que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Caderno Cedes, 26(69), 163-184. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622006000200004

Lacerda, C. B. F., & Lodi, A. C. B. (2010). A inclusão escolar bilíngue de alunos surdos: Princípios, breve histórico e perspectivas. In A. C. B. Lodi & C. B. F. Lacerda (Eds.), Uma escola, duas línguas: Letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização (2ª ed., pp. 11-32). Porto Alegre: Mediação.

Lacerda, C. L., & Poletti, J. E. (2004, novembro). A escola inclusiva para surdos: A situação singular do intérprete de língua de sinais. In 27ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pesquisa em Educação (ANPED), Caxambu.

Lebedeff, T. B. (2005). O que lembram os surdos de sua escola: Discussão das marcas criadas pelo processo de escolarização. In A. S. Thoma & M. C. Lopes (Eds), A invenção da surdez II: Espaços e tempos de aprendizagem na educação de surdo (pp.47-62). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Lebedeff, T. B. (2010). Aprendendo a ler “com outros olhos”: Relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. Cadernos de Educação, 36, 175-190.

Leite, E. M. C. (2005). Os papéis do intérprete de Libras na sala de aula inclusiva. Petrópolis, RJ: Arara Azul.

Lodi, A. C. B. (2005). Plurilinguismo e surdez: Uma leitura bakhtiniana da história da educação dos surdos. Educação e Pesquisa, 31(3), 409-424. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022005000300006

Lodi, A. C. B., & Luciano, R. de R. (2010). Desenvolvimento da linguagem de crianças surdas em língua brasileira de sinais. (2. ed.). In A. C. B. Lodi & C. B. F. de Lacerda (Eds.), Uma escola, duas línguas: Letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização (pp. 23-47). Porto Alegre: Mediação.

Lopes, M. C. (2006). A mediação material e sígnica no processo de integração de crianças surdas. In C. Skliar (Ed.), Educação & exclusão: Abordagens sócio-antropológicas em educação especial (5ª ed., pp. 81-104). Porto Alegre: Mediação.

Luria, A. R. (1991). A atividade consciente do homem e suas raízes Histórico-Sociais. In A. R. Luria, As raízes histórico-culturais da consciência. Curso de Psicologia Geral (v. 1., 2ª ed., pp. 71-84). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Machado, P. C. (2006). Integração/Inclusão na escola regular: Um olhar do egresso surdo. In R. M. Quadros (Ed.), Estudos surdos I (pp. 38-75). Petrópolis: Arara Azul.

Martins, D. A., & Machado, V. L. C. (2009). Educação bilíngue para surdos: Um olhar a partir da trajetória de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais. Educação Temática Digital, 11(1), 234-254. doi: http://dx.doi.org/10.20396/etd.v11i1.924

Oliveira, S. (2006) Texto visual e leitura crítica: O dito, o omitido, o sugerido. Linguagem e Ensino, 9, 15-39. Retirado de http://www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/view/174/141

Presidência da República. (2010). Lei número 12.319. Regulamenta a profissão de tradutor e intérprete da língua brasileira de sinais – Libras. Retirado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12319.htm

Quadros, R. M. (2003). Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: Inclusão/exclusão. Ponto de Vista, 05, 81-111. Retirado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/view/1246/3850

Quadros, R. M. (2008). O ‘Bi’ em bilinguismo na educação de surdos. In E. Fernandes (Ed.), Surdez e bilinguismo (2ª ed. pp. 27-37). Porto Alegre: Mediação. (Original publicado em 2005)

Rosa, A. da S. (2006). Tradutor ou Professor? Reflexão preliminar sobre o papel do intérprete de língua de sinais na inclusão do aluno surdo. Ponto de vista, 8, 75-95. Retirado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/view/1106

Rosa, E. F., & Luchi, M. (2010). Semiótica imagética: A importância da imagem na aprendizagem. Anais do IX Encontro do CELSUL, Palhoça, SC.

Sacks, O. (2010). Vendo vozes: Uma viagem ao mundo dos surdos (L. T. Motta, trad). São Paulo: Companhia das Letras.

Skliar, C. (2009). A localização política da educação bilíngue para surdos. In C. Skliar (Ed.), Atualidades da educação bilíngue para surdos (pp. 7-14). Porto Alegre: Mediação.

Skliar, C. (Ed.). (2006). Educação & exclusão: Abordagens sócioantropológicas em educação especial (5ª ed.). Porto Alegre: Mediação. (Original publicado em 1997)

Souza, M. de (Escritor) & Souza, M. de (Diretor). (2009). Os azuis [Episódio de série de televisão]. In M. de Souza (Produtor executivo), Discriminação étnica. Brasil: Estúdios Maurício de Souza.

Stefanelli, M. C., & Moreno, R. A. (2008). Intervenção psicoeducacional: Orientação e educação em saúde mental. In M. C. Stefanelli, I. M. K. Fukuda & E. C. Arantes (Eds.), Enfermagem psiquiátrica em suas dimensões assistenciais (pp. 281-295). Barueri: Manole.

Stumpf, M. R. (2008). Mudanças estruturais para uma inclusão ética. In R. M. de Quadros (Ed.), Estudos surdos III (pp. 14-29). Petrópolis, RJ: Arara Azul.

Tuxi, P. (2009). A atuação do intérprete educacional no ensino fundamental (Dissertação de mestrado não-publicada). Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Vigotski, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1934)

Vygotski, L. S. (1997). Obras escogidas. Tomo V. Fundamentos de defectología. Madrid: Visor.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Ribeiro, C., & Silva, D. (2017). Trajetórias Escolares de Surdos. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19478
Seção
Estudos Empíricos