Da Proteção ao Risco

Configurações da Violência Intrafamiliar na Juventude Paraense

  • Rosely Cardoso Maia Universidade Federal do Pará
  • Lúcia Isabel da Conceição Silva Universidade Federal do Pará
  • Tatiene Germano Reis Nunes Universidade Federal do Pará
  • Kátia Mesquita da Silva Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Adolescentes, Jovens, Violência na família, Fatores de risco

Resumo

Este estudo investigou a violência intrafamiliar como fator de risco no desenvolvimento dos jovens, identifcando os principais agressores e os tipos de violência. Participaram 658 jovens de 13 a 24 anos, de ambos os sexos, que cursavam entre a 7ª série do Ensino Fundamental e o 3º ano do Ensino Médio de 10 escolas públicas de Belém. As violências verbais e físicas foram as mais identifcadas. Mãe e pai apareceram como principais perpetradores da violência física, madrastas e avós da violência psicológica e da categoria outros e o padrasto da violência sexual. Os resultados apontam para compreensão da dinâmica familiar e para a proposição de políticas públicas de proteção às famílias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abramovay, M. (2002). Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: Desafios para políticas públicas. Brasília: UNESCO, BID.

Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência (1997). Abuso sexual contra crianças e adolescentes: Proteção e prevenção – guia de orientação para educadores. Petrópolis, RJ: Autores & Agentes & Associados.

Amparo, D., Galvão, A., Alvez, P., Brasil, K., & Koller, S. (2008). Adolescentes e jovens em situação de risco psicossocial: Redes de apoio social e fatores de proteção. Estudos de Psicologia, Natal, 13(2), 165-174.

Araújo, M. (2002). Violência e abuso sexual na família. Psicologia em Estudo, Maringá, 7(2), 3-11.

Arpini, D., Quintana, M., & Gonçalves, C. (2010). Relações familiares e violência em adolescentes em situação de rua. Psicologia Argumento, 28(63), 325-336.

Assis, S., & Deslandes, S. (2006). Abuso físico em diferentes contextos de socialização infanto-juvenil. In C. A. Lima (Ed.), Violência faz mal à saúde (pp. 47-57). Brasília: Ministério da Saúde.

Assis, S., & Avanci, J. (2006). Abuso psicológico e desenvolvimento infantil. In C. Lima (Ed.). Violência faz mal à saúde (pp. 59-67). Brasília: Ministério da Saúde.

Bolen, R. M., & Lamb, J. L. (2004). Ambivalence of nonoffending guardians after child sexual abuse disclosure. Journal of Interppersonal Violence, 19, 185-211.

Ministério da Saúde. (2002). Violência Intrafamiliar: Orientações para a prática em serviço. Cadernos da Atenção Básica, 8, 07-88.

Ministério da Saúde. (2006). Violência faz mal à saúde (1ª edição Série B. Textos Básicos de Saúde). Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. (2008). Projeto Pedagógico Integrado – PPI: ProJovem Urbano. Brasília, DF: Secretaria Nacional de Juventude.

Brasil. (2010). Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: Experimentos naturais e planejados (M. A. V. Veronese, Trad). Porto Alegre: Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1979)

Bronfenbrenner, U. (2011). Bioecologia do desenvolvimento humano: Tornando os seres humanos mais humanos (A. C. Barreto, Trad). Porto Alegre: Artes Médicas.

Cecconelo, A., De Antoni, C., & Koller, S. (2003). Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em Estudo, 8(Número Especial), 45-54.

Chauí, M. (1985). Participando do debate sobre mulher e violência. Perspectivas Antropológicas da Mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 25-62.

Costa, M., Carvalho, R., Bárbara, J., Santos, C., Gomes, W., & Sousa, H. (2007). O perfil da violência contra crianças e adolescentes, segundo registros de Conselhos Tutelares: Vítimas, agressores e manifestações de violência. Ciência & Saúde Coletiva, 12(5), 1129-1141.

Day, V., Telles, L., Zoratto, P., Azambuja, M., Machado, D., Silveira, Debiaggi, M., Reis, M. G., Cardoso, R. G., & Blank, P. (2003). Violência doméstica e suas diferentes manifestações. Revista de psiquiatria, 25(1), 9-21.

De Antoni, C., Hoppe, M. W., Medeiros, F., & Koller, S. (1999). Uma família em situação de risco: Resiliência e vulnerabilidade. Interfaces: Revista de Psicologia, 2(1), 81-85.

De Antoni, C. & Koller, S. H. (2000). A visão de família entre adolescentes que sofreram violência intrafamiliar. Estudos de Psicologia, 5(2), 347- 382.

De Antoni, C., Teodoro, M., & Koller, S. (2009). Coesão e hierarquia em famílias fisicamente abusivas. Universitas Psychologica, 8(2), 399-411.

Dell’aglio, D., & Siqueira, A. (2010). Preditores de satisfação de vida de jovens em situação de vulnerabilidade no Sul do Brasil. Psicodebate, 10, 213-230.

Dell’aglio, D., Koller, S., Cerqueira-Santos, E., & Colaço, V. (2011). Revisando o questionário da juventude brasileira: Uma nova proposta. In D. D. Dell’Aglio & S. H. Koller (Orgs.), Adolescência e Juventude: Vulnerabilidade e contextos de proteção (pp. 259-270). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dutra-Thomé, L., Santos, E., & Koller, S. (2011). Exploração sexual e trabalho na adolescência: Um estudo de caso. Universitas Psychologica, 10(3), 881-896.

Franzin, L. C. S., Franzin, F. M., & Moysés, S. T. (2012). Violência doméstica contra crianças e adolescentes: prevalência em cidade do Sul do Brasil. Colloquium Vitae, 4(2), 79-84.

Garbarino, J., & Eckenrode, J. (1997) Understanding abusive families. New York: Jossey-Bass.

Gelinski, C. (2010). Proteção social em saúde para famílias vulneráveis com monoparentalidade feminina via estratégia saúde da família (Tese de doutorado não publicada). Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Hutz, C., Koller, S., & Bandeira, D. (1996). Resiliência e vulnerabilidade em crianças em situação de risco. Coletâneas da ANPEPP, 1(12), 79-86.

Koller, S. (2000). Violência doméstica: Uma visão ecológica. In Amencar (Ed.), Violência Doméstica (pp. 32-42). Brasília: UNICEF.

Maia, J., & Williams, L. (2005). Fatores de risco e fatores de proteção ao desenvolvimento infantil: Uma revisão da área. Temas em Psicologia, 13(2), 91-103.

Morais, N., & Koller, S. (2004). Abordagem ecológica do desenvolvimento humano, psicologia positiva e resiliência: a ênfase na saúde. In S. H. Koller (Ed.), Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenção no Brasil (pp.91-107). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Narvaz, M., & Koller, S. (2006). Famílias e patriarcado: Da prescrição normativa à subversão criativa. Psicologia & Sociedade, 18(1), 49-55.

Nunes, T. G., Pontes, F. A. R., Silva, L. I. C., & Dell’Aglio, D. D. (2014). Fatores de risco e proteção na escola: Reprovação e expectativas de futuro de jovens paraenses. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 18(2), 203-210.

Paludo, S., & Koller, S. (2008). Toda criança tem família: Criança em situação de rua também. Psicologia & Sociedade, 20(1), 42-52.

Pelcovitz, D., Kaplan, S., Ellenberg, A., Labruna, V., Salzinger, S., Mandel, F., & Weinner, M. (2000). Adolescent physical abuse: Age at time of abuse and adolescent perception of family functioning. Journal of Family Violence, 15(4), 375-389.

Poletto, M., & Koller, S. (2008). Contextos ecológicos: Promotores de resiliência, fatores de risco e de proteção. Estudos de Psicologia – Campinas, 25(3), 405-416.

Prati, L., Couto, M., & Koller, S. (2009). Famílias em vulnerabilidade social: Rastreamento de termos utilizados por terapeutas de família. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(3), 403-408.

Rocha, C., & Moraes, P. (2011). Violência familiar contra a criança e perspectivas de intervenção do Programa Saúde da Família: A experiência do PMF/Niterói (RJ, Brasil). Ciência e Saúde Coletiva, 16(7), 3285-3296.

Ruzany, M., & Meirelles, Z. (2009). Adolescência, juventude e violência: Identificação, abordagem e conduta. Adolescência & Saúde, 6(3), 52-60.

Sapienza, G., & Pedromônico, M. (2005). Risco, proteção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicologia em Estudo – Maringá, 10(2), 209-216.

Septimus-Berger, A. (1999). Adolescent physical abuse: Predictive factors. The Sciences and Engineering, 59, 3713-3735.

Silva, L. (2013). Entre risco e proteção: O ser jovem em Belém do Pará (Relatório final de pesquisa não publicado). Belém: ICED/FAED.

Siqueira, A. (2006). Instituições de abrigo, família e rede de apoio social e afetivo em transição ecológica na adolescência. (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil. Retirado de http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/5955/000522590.pdf?...1

Souza, E., & Jorge, M. (2006). Impacto da violência na infância e adolescência brasileiras: Magnitude da morbimortalidade. In C. A. Lima (Ed.), Violência faz mal à saúde (pp. 23-38). Brasília: Ministério da Saúde.

Zuma, C. E. (2004). A Violência no Âmbito das Famílias: identificando práticas sociais de prevenção. (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização não publicado). Rio de Janeiro: Universidade do Federal do Rio de Janeiro. Retirado de http://www.noos.org.br/acervo/A-violencia-no-ambitodas-familias-identificando-praticas-sociais-de-prevencao.pdf

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Maia, R., Silva, L. I., Nunes, T., & Silva, K. (2017). Da Proteção ao Risco. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19477
Seção
Estudos Empíricos