Envolvimento Paterno com filhos adotivos e Estrutura Familiar

  • Rovana Kinas Bueno Universidade Federal de Santa Catarina
  • Mauro Luís Vieira Universidade Federal de Santa Catarina
  • Maria Aparecida Crepaldi Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Paternidade, Adoção, Relações pai-filho, Relações familiares

Resumo

O presente artigo teve como objetivo analisar a relação entre envolvimento paterno com flhos adotivos e estrutura familiar. Participaram do estudo quatro pais de crianças que foram adotadas até um ano de idade. Esta pesquisa qualitativa teve como instrumentos um questionário sociodemográfco e duas entrevistas semiestruturadas. Constata-se que esses pais brincam, cuidam, conversam, demonstram afeto e têm lazer com seus flhos. Eles também buscam ser participativos quando estão disponíveis, dividindo tarefas e responsabilidades com suas esposas, destacando-se seu papel de provedor. No que se refere à estrutura familiar, predominam nas famílias o relacionamento harmônico ou muito estreito. Conclui-se que, nas famílias investigadas, os pais mostraram-se envolvidos com seus flhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andolfi, M. (1996). A linguagem do encontro terapêutico. Porto Alegre: Artes Médicas.

Andrade, R. P. de, Costa, N. R. D. A., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2006). Significações de paternidade adotiva: Um estudo de caso. Paidéia, 16(34), 241–252. doi:10.1590/S0103-863X2006000200012

Balancho, L. S. (2012). Ser pai, hoje (9ª ed.). Lisboa: Editorial Presença.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bolze, S. D. A. (2011). A relação entre engajamento paterno e conflito conjugal dos pais com crianças de 4 a 6 anos (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Bossardi, C. N. (2011). Relação do engajamento parental e relacionamento conjugal no investimento com os filhos (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Bossardi, C. N., Bueno, R. K., & Vieira, M. L. (2015). Interação do pai com seus filhos e filhas. In E. R. Goetz & M. L. Vieira (Eds.), Novo pai: Percursos, desafios e possibilidades (pp. 77–93). Curitiba: Juruá.

Bueno, R. K., Gomes, L. B., & Crepaldi, M. A. (2015). A importância do pai no desenvolvimento da criança. In E. R. Goetz & M. L. Vieira (Eds.), Novo pai: Percursos, desafios e possibilidades (pp. 95–107). Curitiba: Juruá.

Bueno, R. K., Vieira, M. L., & Crepaldi, M. A. (2015). Envolvimento paterno no contexto da adoção. In E. R. Goetz & M. L. Vieira (Eds.), Novo pai: Percursos, desafios e possibilidades (pp. 45–55). Curitiba: Juruá.

Bustamante, V., & Trad, L. A. B. (2005). Participação paterna no cuidado de crianças pequenas: Um estudo etnográfico com famílias de camadas populares. Cadernos de Saúde Pública, 21(6), 1865–1874.

Cabrera, N. J., & Bradley, R. H. (2012). Latino fathers and their children. Child Development Perspectives, 6(3), 232-238. doi:10.1111/j.1750-8606.2012.00249.x

Carter, B., & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para a terapia familiar. In B. Carter & M. McGoldrick (Eds.), As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para a terapia familiar (2ª ed., pp. 7–29). Porto Alegre: Artmed.

Cerveny, C. M. de O., & Berthoud, C. M. E. (2009). Ciclo vital da família brasileira. In L. C. Osorio & M. E. P. do Valle (Eds.), Manual de terapia familiar (p. 25-37). Porto Alegre: Artmed.

Dubeau, D., Devault, A., & Paquette, D. (2009). L’engagement paternel, un concept aux multiples facettes. In D. Dubeau, A. Devault, & G. Forget (Eds.), La paternité au XXI sièle (pp. 71–98). Québec, Canada: Les Presses de l’Université Laval.

Dumont, C., & Paquette, D. (2012). What about the child’s tie to the father? A new insight into fathering, father-child attachment, children’s socio-emotional development and the activation relationship theory. Early Child Development and Care, 183(3), 1–17. doi:10.1080/03004430.2012.711592

Fagundes, A. J. F. M. (1999). Descrição, definição e registro de comportamento (12ª ed.). São Paulo: Edicon.

Gabriel, M. R. (2012). Transformações no envolvimento paterno ao longo dos seis primeiros meses do bebê na creche (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Ghirardi, M. L. de A. M. (2009). A devolução de crianças adotadas: Ruptura do laço familiar. Revista Brasileira de Medicina: Psicologia em Pediatria, 2(45), 66–70.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. Retrieved from http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/default.shtm

Jayakody, R., & Phuong, P. T. T. (2013). Social change and fathering: Change or continuity in vietnam? Journal of Family Issues, 34(2), 228–250. doi:10.1177/0192513X12461618

Lamb, M. E. (1997). Fathers and child development: An introductory overview and guide. In The role of the father in child development (3ª ed., pp. 1–18). New York: John Wiley & Sons, Inc.

Lamb, M. E., Pleck, J. H., Charnov, E. L., & Levine, J. A. (1985). Paternal Behavior in Humans. American Zoologist, 25, 883–894.

Manfroi, E. C., Macarini, S. M., & Vieira, M. L. (2011). Comportamento parental e o papel do pai no desenvolvimento infantil. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 21(1), 59–69.

Marchetto, M. V. (2012). A estrutura e a dinâmica de famílias de crianças vítimas de violência (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

McGoldrick, M., & Gerson, R. (1995). Genetogramas e o ciclo de vida familiar. In B. Carter & M. McGoldrick (Eds.), As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para a terapia familiar (2ª ed., pp 144-166). Porto Alegre: Artmed.

Minuchin, S. (1982). Famílias: Funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Nascimento, A. R. A. do, Vieira, G. T., Mesquita, A. C. R., Gomes, M. M. L. O., Silva, M. C., & Alves, R. G. S. (2013). Representações sociais de paternidade na revista Pais & Filhos (1969–2008). Psicologia Argumento, 31(73), 205–213.

Paquette, D. (2004). Theorizing the father-child relationship: Mechanisms and developmental outcomes. Human Development, 47(4), 193–219. doi:10.1159/000078723

Paquette, D., Coyl-shepherd, D. D., & Newland, L. A. (2012). Fathers and development: New areas for exploration. Early Child Development and Care, 183(6), 735–745. doi: http://dx.doi.org/10.1080/03004430.2012.723438

Paquette, D., Eugene, M. M., Dubeau, D., & Gagnon, M.-N. (2009). Les pères ont-ils une influence spécifique sur le développement des enfants? In D. Dubeau, A. Devault, & G. Forget (Eds.), La paternité au XXI sièle (pp. 99–119). Québec, Canada: Les Presses de l’Université Laval.

Piccinini, C. A., Silva, M. da R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. de C. S., & Tudge, J. (2012). Envolvimento Paterno aos Três Meses de Vida do Bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303–314.

Pleck, J. H. (1997). Paternal involvement: Levels, sources, and consequences. In M. E. Lamb (Ed.), The role of the father in child development (3ª ed., pp. 66–103). New York: John Wiley & Sons, Inc.

Reppold, C. T. (2001). Estilo parental percebido e adaptaçao psicológica de adolescentes adotados (Dissertaçao de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, _. (1996). Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Retrieved from http://www.bioetica.ufrgs.br/res19696.htm

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa (3ª ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Sánchez, Y. (1996). Relaciones padres-hijos en familias adoptivas. Anuario de Psicología, 71, 87–105.

Schmidt, B. (2012). Relacionamento conjugal e temperamento de crianças com idade entre quatro e seis anos (Dissertaçao de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Schober, P. S. (2012). Paternal child care and relationship quality: A longitudinal analysis of reciprocal associations. Journal of Marriage and Family, 74(2), 281–296. doi:10.1111/j.1741-3737.2011.00955.x

Silva, M. da R., & Piccinini, C. A. (2007). Sentimentos sobre a paternidade e o envolvimento: Um estudo qualitativo. Estudos de Psicologia, 24(4), 561–574.

Simões, R., Isabel, L., & Maroco, J. (2010). Paternal involvement in a group of fathers of elementary school children. Psicologia, Saúde & Doenças, 11(2), 339–356.

Staudt, A. C. P., & Wagner, A. (2008). Paternidade em tempos de mudança. Psicologia: Teoria e Prática, 10(1), 174–185.

Vasconcellos, M. J. E. de. (2010). Pensamento Sistêmico: O novo paradigma da ciência (9ª ed.). Campinas: Papirus.

Vieira, M. L., Bossardi, C. N., Gomes, L. B., Bolze, S. D. A., Crepaldi, M. A., & Piccinini, C. A. (2014). Paternidade no Brasil: Revisão sistemática de artigos empíricos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66(2), 36–52.

Vieira, M. L., Crepaldi, M. A., Bossardi, C. N., Gomes, L. B., Bolze, S. D. A., & Piccinini, C. (2013). Paternity in the Brazilian context. In M. L. Seidl-de-Moura (Ed.), Parenting in South American and African Contexts (pp. 35–64). InTech. doi:10.5772/57520

Wagner, A., Predebon, J., Mosmann, C., & Verza, F. (2005). Compartilhar tarefas? Papéis e funções de pai e mãe na família contemporânea. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(2), 181–186.

Wagner, A., Tronco, C., & Armani, A. B. (2011). Os desafios da família contemporânea. In A. Wagner (Ed.), Desafios psicossociais da família contemporânea: Pesquisas e reflexões (p. 19-35). Porto Alegre: Artmed.

Weber, L. N. D. (2003). Aspectos psicológicos da adoção (2ª ed.). Curitiba: Juruá.

Wendt, N. C. (2006). Fatores de risco e de proteção para o desenvolvimento da criança durante a transição para a parentalidade (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Wendt, N. C., & Crepaldi, M. A. (2008). A utilização do genograma como instrumento de coleta de dados na pesquisa qualitativa. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(2), 302–310.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Kinas Bueno, R., Vieira, M., & Crepaldi, M. (2017). Envolvimento Paterno com filhos adotivos e Estrutura Familiar. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19476
Seção
Estudos Empíricos