Representações de Loucura e Cuidado no Contexto das Residências Terapêuticas

  • Pedro Machado Ribeiro Neto Universidade Federal do Espírito Santo
  • Luziane Zacché Avellar Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Representações sociais, Loucura, Cuidado, Residências terapêuticas, Etnografia

Resumo

Este estudo foi realizado com objetivo de conhecer as representações sociais de loucuraede cuidado para habitantes de um bairroque recebe cinco residências terapêuticas, localizado em um município do sudeste brasileiro. Partimos de perspectiva etnográfica e realizamos entrevistas com pessoas que habitam ou trabalham nesse bairro. Da análise temática,
sete categorias surgiram, sendo três no contexto das representações sociais de loucura e quatro sobre o cuidado, indicando duas vertentes principais: uma relacionada às ideias clássicas de loucura como doença e de seu cuidado como tratamento, ao passo que a segunda vertente indicou a existência de diálogo e troca de afeto entre participantes e moradores das residências terapêuticas localizadasno bairro em estudo, aspecto fundamental no contexto da desinstitucionalização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Machado Ribeiro Neto, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutor em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFES.

Luziane Zacché Avellar, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFES.

Referências

Angrosino, M. (2009). Etnografia e observação participante (J. Fonseca, Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Argiles, C. T. L., Kantorski, L. P., Willrich, J. Q., Antonacci, M. H., & Coimbra, V. C. (2013). Redes de sociabilidade: Construções a partir do serviço residencial terapêutico. Ciência & Saúde Coletiva, 18(7), 2049-2058. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000700020

Bibeau, G. (2013). O Humano entre a medida e a desmedida: O que são “evidências”?. Ciência & Saúde Coletiva, 18(10), 2808-2812. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001000004

Brasil. (2000). Portaria 106 de 11 de fevereiro de 2000. Institui os Serviços Residenciais Terapêuticos no âmbito do SUS. Ministério da Saúde: Brasília, DF. Retrieved from <http://portal.saude.gov.br/portal/saude/cidadao/visualizar_texto.cfm?idtxt=23119>.

Brasil. (2011a). Portaria 3.088 de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde: Brasília, DF. Retrieved from <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html>.

Brasil. (2011b). Portaria 3.090 de 23 de dezembro de 2011. Altera a Portaria nº 106/GM/MS, de 11 de fevereiro de 2000. Ministério da Saúde: Brasília, DF. Retrieved from <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3090_23_12_2011_rep.html>.

Del Giudice, G. (1998). Le strutture residenziali nel Dipartimento di Salute Mentale. Dipartimento di Salute Mentale Trieste, Trieste, Itália. Retrieved from <http://www.deistituzionalizzazionetrieste.it/letteratura/Letteratura/index.php>.

Duveen, G. (2012). O poder das ideias (P. Guareschi, Trad.). In S. Moscovici (Ed.), Representações sociais: Investigações em psicologia social (pp. 07-28). Petrópolis: Vozes. (Trabalho original publicado em 2000)

Fassheber, V. B., & Vidal, C. E. L. (2007). Da tutela à autonomia: Narrativas e construções do cotidiano em uma residência terapêutica. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(2), 194-207. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932007000200003

Furtado, J. P., Tugny, A., Nakamura, E., Braga-Campos, F. C., Guerra, A., Generoso, C., ... Baltazar, A. P. (2013). Modos de morar de pessoas com transtorno mental grave no Brasil: Uma avaliação interdisciplinar. Ciência & Saúde Coletiva, 18(12), 3683-3693.doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-

Jovchelovitch, S. (1998). Re(des)cobrindo o outro – Para um entendimento da alteridade na teoria das representações sociais. In A. Arruda (Ed.), Representando a alteridade (pp. 69-82). Petrópolis: Vozes.

Jovchelovitch, S. (2000). Representações sociais e esfera pública: A construção simbólica dos espaços públicos no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Jovchelovitch, S. (2008). Os contextos do saber: Representações, comunidade e cultura. Petrópolis: Vozes.

Luiz, R. T., Loli, M. N., Kawanichi, N. K., & Boarini, M. L. (2011). Estado da arte sobre o serviço residencial terapêutico no Brasil: Um panorama exploratório. Psicologia: Teoria e Prática, 13(1), 131-140.

Martins, G. da C. S., Peres, M. A. de A., Oliveira, A. M. B. De, Stipp, M. A. C., & Almeida Filho, A. J. de. (2013). O estigma da doença mental e as residências terapêuticas no município de Volta Redonda-RJ. Texto & Contexto – Enfermagem, 22(2), 327-334. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000200008

Matos, B. G., & Moreira, L. H. D. (2013). Serviços residenciais terapêuticos: O olhar do usuário. Escola Anna Nery, 17(4), 668-676.doi: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20130010

Minayo, M. C. S. (2004). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (8ª ed.). São Paulo: Hucitec.

Moreira, M. I. B., & Castro-Silva, C. R. (2011). Residências terapêuticas e comunidade: A construção de novas práticas antimanicomiais. Psicologia & Sociedade, 23(3), 545-553. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822011000300012

Moscovici, S. (2012). Representações Sociais: Investigações em psicologia social (P. Guareschi, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Trabalho original publicado em 2000)

Ribeiro Neto, P. M., Avellar, L. Z., & Bonomo, M. (2016). Etnografia e desinstitucionalização da loucura: Um estudo no contexto das residências terapêuticas. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 8(17), 57-77.

Rotelli, F., De Leonardis, O., & Mauri, D. (2001). Desinstitucionalização, uma outra via. In F. Nicácio (Ed.), Desinstitucionalização (pp. 17-51). São Paulo: Hucitec.

Sato, L., & Souza, M. P. R. (2001). Contribuindo para desvelar a complexidade do cotidiano através da pesquisa etnográfica em psicologia. Psicologia USP, 12(2). doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642001000200003

Silva, D. S., & Azevedo, D. M. (2011). As novas práticas em saúde mental e o trabalho no serviço residencial terapêutico. Escola Anna Nery, 15(3), 603-609. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452011000300023

Sprioli, N., & Costa, M. C. C. (2011). Cuidar em novo tempo: O trabalho de cuidadores com pacientes psiquiátricos em moradias. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19(5), 1155-1162. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692011000500013

Vidal, C. E. L., Bandeira, M., & Gontijo, E. D. (2008). Reforma psiquiátrica e serviços residenciais terapêuticos. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 57(1), 70-79.doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852008000100013

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Ribeiro NetoP. M., & AvellarL. Z. (2017). Representações de Loucura e Cuidado no Contexto das Residências Terapêuticas. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19475
Seção
Estudos Empíricos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##