Projeto parental não compartilhado

implicações no exercício da parentalidade

  • Sabrina Daiana Cúnico Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Dorian Mônica Arpini Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Relações conjugais, Parentalidade, Ausência paterna, Relações familiares

Resumo

Trata-se de uma pesquisa qualitativa, cujo objetivo foi conhecer, a partir do olhar de mulheres chefes de família, o impacto da conjugalidade e do projeto parental não compartilhado no exercício da parentalidade. Participaram deste estudo dez mães que compunham uma família monoparental. Entrevistas semiestruturadas e grupos focais foram utilizados para a coleta de dados, tendo-se realizado uma análise de conteúdo temática. Os resultados evidenciaram que o projeto parental, quando não compartilhado pela dupla parental, produz fragilidades no exercício da parentalidade, em especial no que se refere ao envolvimento paterno. Ademais, identifcou-se que, não obstante às mudanças atribuídas ao papel do pai na família, o exercício da paternidade ainda parece ser considerado, na perspectiva das mulheres, como opcional para muitos homens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Daiana Cúnico, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Psicóloga; Mestre em Psicologia (UFSM); Doutoranda em Psicologia (PUCRS)

Dorian Mônica Arpini, Universidade Federal de Santa Maria

Professora Associada do Departamento de Psicologia e Professora do programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria

Referências

Barbour, R. (2009). Grupos focais. Porto Alegre: Artmed.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (Ed. rev. e amp.; L. A. Reto & A. Pinheiro, Trad.). Lisboa: Edições 70.

Borsa, J. C., Nunes, M. L. T. (2011). Aspectos psicossociais da parentalidade: O papel de homens e mulheres na família nuclear. Psicologia Argumento, 26(64), 31-30.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Resolução 466/12 – Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas envolvendo Seres Humanos. Brasília-DF.

Brito, L. M. T. (2007). Família pós-divórcio: A visão dos filhos. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(1), 32-45. doi: 10.1590/S1414-98932007000100004.

Castillo, J. T. (2010). The relationship between non-resident fathers’ social networks and social capital and the establishment of paternity. Child and Adolescent Social Work Journal, 27(3), 193-211.

Corso, D. L., & Corso, M. (2011). A psicanálise na terra do nunca: Ensaios sobre a fantasia. Porto Alegre: Penso.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Cúnico, S. D., & Arpini, D. M. (2013). O afastamento paterno após o fim do relacionamento amoroso: Um estudo qualitativo. Interação em Psicologia, 17(1), 99-108. doi: 10.5380/psi.v17i1.27560

Dantas, C., Jablonski, B., & Féres-Carneiro, T. (2004). Paternidade: Considerações sobre a relação pais-filhos após a separação conjugal. Paidéia, 14(29), 347-357. doi: 10.1590/S0103-863X2004000300010.

Dolto, F. (2011). Quando os pais se separam (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1989)

East, L., Jackson, D., & O’Brien, L. (2006). Father absence and adolescent development: A review of the literature. Journal of Child Health Care, 10(4), 283-295.

Eizirik, M., & Bergmann, D. S. (2004). Ausência paterna e sua repercussão no desenvolvimento da criança e do adolescente: Um relato de caso. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 26(3), 330-336. doi: 10.1590/S0101-81082004000300010.

Ferrari, J. L. (2007). Ser padres en el tercer milênio. Mendoza: Editorial del Canto Rodado.

Fonseca, C. (2005). Paternidade brasileira na era do DNA: A certeza que pariu a dúvida. Cuadernos de Antropologia Social, 22, 27-51.

Gaskell, G. (2005). Entrevistas individuais e grupais. In M. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som (pp. 64-89). Petrópolis, RJ: Vozes.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gomes, A. J. S., & Resende, V. R. (2004). O pai presente: O desvelar da paternidade em uma família contemporânea. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(2), 119-125. doi: 10.1590/S0102-37722004000200004.

Grzybowski, L. S., & Wagner, A. (2010). Casa do pai, casa da mãe: A coparentalidade após o divórcio. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(1), 77-87. doi: 10.1590/S0102-37722010000100010.

Hack, S. M. P. K., & Ramires, V. R. R. (2010). Adolescência e divórcio parental: Continuidades e rupturas dos relacionamentos. Psicologia Clínica, 12(1), 85-97. doi: 10.1590/S0103-56652010000100006

Housel, D. 2004. As implicações da parentalidade. In M. C. P. Silva, & L. Solis-Ponton (Orgs.), Ser pai, ser mãe. Parentalidade: Um desafio para o terceiro milênio (pp. 47-51). São Paulo: Casa do Psicólogo.

King, V., & Heard, H. (1999). Nonresident father visitation, parental conflict, and mother’s satisfaction: What’s best for child wellbeing? Journal of Marriage and the Family, 61(2), 385-396.

Lopes, R. C. S., Menezes, C., Santos, G. P. dos, & Piccinini, C. A. (2006). Ritual de casamento e planejamento do primeiro filho. Psicologia em Estudo, 11(1), 55-61. doi: 10.1590/S1413-73722006000100007.

Matias, M., Silva, A., & Fontaine, A. M. (2011). Conciliação de papéis e parentalidade: Efeitos de género e estatuto parental. Exedra, 5, 57-76.

Padilha, C. C. (2008). Quando o pai vira réu por alegação de abandono afetivo. In L. M. T. Brito (Org.), Famílias e Separações: Perspectivas da Psicologia Jurídica (pp. 187-217). Rio de Janeiro: ED/UERJ.

Pereira, R. C. (2011). Divórcio – Teoria e prática. Rio de Janeiro: GZ.

Pereira, C. R. R., & Arpini, D. M. (2012). Os irmãos nas novas configurações familiares. Psicologia Argumento, 30(69), 275-285.

Pittman, F. (1994). Mentiras privadas: A infidelidade e a traição da intimidade. Porto Alegre: Artes Médicas.

Prietsch, S. O. M., González-Chica, D. A., Cesar, J. A., & Mendoza-Sassi, R. A. (2011). Gravidez não planejada no extremo Sul do Brasil: Prevalência e fatores associados. Cadernos de Saúde Pública, 27(10), 1906-1916. doi: 10.1590/S0102-311X2011001000004

Reis, E. F. (2010). Varas de família – Um encontro entre Psicologia e Direito. Curitiba: Juruá.

Sganzerla, I. M., & Levandowski, D. C. (2010). Ausência paterna e suas repercussões para o adolescente: Análise da literatura. Psicologia em Revista, 16(2), 295-309.

Spengler, F. M. (2012). O fim das relações amorosas: Como mediar o litígio para ter uma convivência pacífica após a separação? In D. S. Ibias (Org.), Família e seus desafios: Reflexões pessoais e patrimoniais. (pp. 243-250). Porto Alegre: IBDFAM/RS.

Staudt, A. C. P., & Wagner, A. (2008). Paternidade em tempos de mudança. Psicologia: Teoria e Prática, 10(1), 174-185.

Szejer, M., & Stewart, R. (1997). Nove meses na vida da mulher. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Tachibana, M., Santos, L. P., & Duarte, C. A. M. (2006). O conflito entre o consciente e o inconsciente na gravidez não planejada. Psychê, 19, 149-167.

Turatto, E. R. (2008). Tratado de metodologia da pesquisa clínicoqualitativa. Petrópolis: Vozes.

Turney, L. (2011). The denial of paternity: Pregnancy as a risk to the ‘pure relationship’. Sociology, 45(6), 1110–1125.

Veludo, C. M, B, & Viana, T, De C. (2012). Parentalidade e o desenvolvimento psíquico na criança. Paidéia, 22(51), 111-118. doi: 10.1590/S0103-863X2012000100013

Wallerstein, J., & Kelly, J. (1998). Sobrevivendo à separação: Como pais e filhos lidam com o divórcio (M. A. V. Veronese, Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Warpechowski, A., & Mosmann, C. (2012). A experiência da paternidade frente à separação conjugal: Sentimentos e percepções. Temas em Psicologia, 20(1), 247-260.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Cúnico, S., & Arpini, D. (2017). Projeto parental não compartilhado. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19473
Seção
Estudos Empíricos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##