Leitura

Relação entre Consciência Fonológica, Compreensão da Leitura e Percepção dos Professores

  • Ana Couceiro Figueira Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra - Portugal
  • Miriam Silva Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra - Portugal
Palavras-chave: Leitura, Consciência fonológica, Linguagem oral, Linguagem escrita

Resumo

Existe, em Portugal, uma carência de instrumentos válidos que avaliem os processos envolvidos na leitura. No processo de validação da bateria PROLEC-R (validade concorrente e preditiva), foram analisadas as relações entre consciência fonológica, compreensão da leitura e percepção dos professores das capacidades leitoras dos alunos. Neste estudo, participaram 30 alunos do 4º ano de escolaridade. Foram encontradas correlações positivas e estatisticamente significativas entre consciência fonológica e percepção dos professores e entre compreensão da leitura e perceção dos professores. Todavia, não foi encontrada nenhuma associação estatisticamente significativa entre a consciência fonológica e a compreensão da leitura. Esses resultados não vão no mesmo sentido dos obtidos na maioria dos estudos, podendo justificar-se pelo pequeno tamanho da amostra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Couceiro Figueira, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra - Portugal

professora na faculdade de psicologia e de ciências da educação da universidade de coimbra - portugal

doutoramento, mestrado e licenciatura em psicologia, psicologia da educação

bacharelato em educação de infância

 http://www.degois.pt/visualizador/curriculum.jsp?

Miriam Silva, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra - Portugal

Mestrado em psicologia da educação

Referências

Albuquerque, C., Simões, M. R., & Martins, C. (2011). Testes de Consciência Fonológica da Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra: Estudos deprecisão e validade. RIDEP, 29(1). Retirado de https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/14711

Barreira, L. F. (2012). Consciência fonológica e ensino da leitura – Integração das TIC no desenvolvimento de habilidades metalinguísticas (Dissertação não publicada). Escola Superior de Educação de Bragança, Bragança, Portugal.

Cruz, V. (2007). Uma abordagem cognitiva da leitura. Lisboa-Porto: Lidel Edições Técnicas.

Festas, M. I. (1994). Autoavaliação da compreensão da leitura (Tese de doutorado não publicada). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Figueira, A. P. C., & Lopes, I. L. (no prelo). Bateria de Avaliação dos Processos de Leitura para Crianças – Edição Revista PROLEC-R (versão de investigação, não publicada). Lisboa: CEGOC.

Figueira, A. P., Lobo, R., & Lopes, I. (no prelo) Sicole-R Primária (versão de investigação, não publicada). Coimbra: FPCE. UC.PT.

Freitas, J., Alves, D., & Costa, T. (2007). O conhecimento da língua: Desenvolver a consciência fonológica. Lisboa: Direcção Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular, Ministério da Educação.

Jiménez, J. E., Antón, L., Diaz, A., Estévez, A., García, A.I., García, E., ... Rodrigo, M. (2007). SICOLE-R-Primaria: Un sistema de evaluación de los processos cognitivos en la dislexia mediante

ayuda asistida a través del ordenador [Software informático]. Universidad de La Laguna: Autores.

Martins, M. (1994). Pré-história da aprendizagem da leitura: Conhecimentos precoces sobre a funcionalidade da linguagem escrita, desenvolvimento metalinguístico e resultados em leitura no final do 1º ano de escolaridade. Lisboa: ISPA

Martins, M. (1996). Pré-história da aprendizagem da leitura. Lisboa: ISPA.

Martins, M., & Niza, I. (1998). Psicologia de aprendizagem da linguagem escrita. Lisboa: Universidade Aberta.

Oliveira, C. M. (2005). A apropriação do princípio alfabético –Compreensão do processo. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, 3(5), 1-17.

Oliveira, A. (2009). Bioestatística, epidemiologia e investigação: Teoria e aplicações. Lisboa: LIDEL Edições técnicas.

Rebelo, J. (1993). Dificuldades da leitura e da escrita em alunos do ensino básico. Rio Tinto: Edições Asa.

Santos, E. M. (2000). Hábitos de leitura em crianças e adolescentes. Coimbra: Quarteto.

Sequeira, F.,& Sim-Sim, I. (1989). Maturidade linguística e aprendizagem da leitura (Vol. I). Universidade do Minho.

Silva, A. (2003). Até à descoberta do princípio alfabético. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Simão, A. M. V. (2002). Aprendizagem estratégica: Uma aposta na auto-regulação. Lisboa: Ministério da Educação.

Stanovich, K. E. (1980). Toward an interactive-compensatory model of individual differences in reading fluency. Reading Research Quarterly, 16, 32-71.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
FigueiraA. C., & SilvaM. (2017). Leitura. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19469
Seção
Estudos Empíricos