Os Vínculos Afetivos no Contexto de Acolhimento Institucional

um estudo de campo

  • Suziani de Cássia Almeida Lemos Instituto Luterano de Ensino Superior ILES/ULBRA Itumbiara-GO
Palavras-chave: Acolhimento institucional, Vínculos afetivos, Mães sociais

Resumo

Este trabalho relata uma pesquisa realizada no interior do Estado do Paraná com o objetivo de estudar os vínculos afetivos no contexto de acolhimento institucional. Participaram do estudo 4 mães sociais, 31 crianças e 5 adolescentes. Os dados foram coletados através de entrevistas semiestruturadas e três observações participantes em cada casa lar. O trabalho evidenciou aspectos que podem dificultar o estabelecimento dos vínculos afetivos, como a escassez de atividades que estimulem a interação, excesso de atividades domésticas, fatores emocionais relacionados à história pregressa dos envolvidos na relação e a falta de preparação das mães sociais para o exercício da função. No entanto, apesar das dificuldades encontradas, o estudo mostrou que é possível a formação de vínculos afetivos neste contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suziani de Cássia Almeida Lemos, Instituto Luterano de Ensino Superior ILES/ULBRA Itumbiara-GO

Mestre em Psicologia Linha de Pesquisa Psicanálise e Cultura pela Universidade Federal de Uberlândia. Graduada em Psicologia pela mesma universidade. Especialista em Gestão Pública da Saúde pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (PR). Especialista em Psicologia do Trânsito pelo Conselho Federal de Psicologia. Psicóloga clínica com experiência na docência do ensino superior. Coordenadora do Curso de Psicologia do Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara-GO. Orienta projetos de pesquisa e extensão nas áreas da Psicologia e da Psicanálise de Família.

Referências

Ainsworth, M. D. (1982). Attachment: retrospect and prospect. In C. M. Parkes & J. S. Hinde (Eds.), The place of attachment in human behavior (pp. 03-30). Nova York: Basic Books.

Alexandre, D. T., & Vieira, M. L. (2004). Relação de apego entre crianças institucionalizadas que vivem em situação de abrigo. Psicologia em Estudo, 9(2), 207-217. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/pe/v9n2/v9n2a07.pdf

Bairros, J., Belz, C.W., Moura, M., Oliveira, S. G., Rodrigues,T. T., Silva, S. C., & Costa, F. T. (2011). Infância e adolescência: A importância da relação afetiva na formação e desenvolvimento emocional (XVI Seminário Interinstitucional de Ensino, Pesquisa e Extensão). Universidade de Cruz Alta, Cruz Alta, RS, Brasil. Retirado de http://www.unicruz.edu.br/seminario/artigos/humanas/INF%C3%82NCIA%20E%20ADOLESC%C3%8ANCIA%20A % 2 0 I M P O R T % C 3 % 8 2 N C I A % 2 0 D A % 2 0RELA%C3%87%C3%83O%20AF

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bee, H. (1997). O Ciclo Vital. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bowlby, J. (2002). Apego: A natureza do vínculo. São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1969).

Bowlby, J. (2004). Teoria do apego e perda. São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1973).

Faquinello, P., & Collet, N. (2003). Vínculo afetivo mãe/criança na unidade de alojamento conjunto pediátrico. Revista Gaúcha de Enfermagem, 24(3), 294-304. Retirado de http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/viewFile/4462/2400

Ferreira, E. O., Francischini, R., & Patiño, J. F. (2008). Crianças em situação de abrigo – casas lares: os vínculos e a composição do espaço sob o olhar das crianças. Núcleo de Estudos Socioculturais da Infância e Adolescência – Departamento de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil. Retirado de http://www.consec.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/consec/arquivos/enviados/crian%C3%A7as%20em%20situa%C3%A7%C3%A3o%20de%20abrigo.pdf

Golin, G., & Benetti, S. P. C. (2013). Acolhimento precoce e o vínculo na institucionalização. Psicologia: Teoria e Pesquisa,29(3), 241-248. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/ptp/v29n3/v29n3a01.pdf

Hecht, B., & Silva, R. F. P. (2009). Crianças institucionalizadas: A construção psíquica a partir da privação do vínculo materno (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Psicologia). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Retirado de http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/TL0199.pdf

Lei n. 7.644, de 18 de dezembro de 1987. (1987). Dispõe sobre a regulamentação da atividade de mãe social e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Retirado de http://www.dji.com.br/leis_ordinarias/1987-007644/1987-007644-.htm

Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Presidência da República. Brasília, DF. Retirado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

Lei n. 12.010, de 3 de agosto de 2009. (2009). Dispõe sobre adoção. Presidência da República. Brasília, DF. Retirado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12010.htm

Lima, R. C. P. (2001). Sociologia do desvio e interacionismo. Tempo Social, 13(1), 185-201. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/ts/v13n1/v13n1a12.pdf

Mondardo, A. H., & Valentina, D. D. (1998). Psicoterapia infantil: Ilustrando a importância do vínculo materno para o desenvolvimento da criança. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(3), 621-630. Retirado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-9721998000300018&lng=en&tlng=pt

Nogueira, P. C., & Costa, L. F. (2005). Mãe social: Profissão? Função materna?. Estilos da Clínica, 10(19), 162-181. Retirado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1415-71282005000200010&script=sci_arttext

Oliveira, S. V., & Próchno, C. C. S. C. (2010). A vinculação afetiva para crianças institucionalizadas à espera de adoção. Psicologia Ciência e Profissão, 30(1), 62-84. Retirado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000100006

Parreira, S. M. C. P., & Justo, J. S. (2005). A criança abrigada: considerações acerca do sentido da filiação. Psicologia em Estudo, 10(2), 175-180. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/pe/v10n2/v10n2a03.pdf

Resolução nº196/96 de 2012. (2012). Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Conselho Nacional de Saúde. Ministério da saúde. Retirado de http://conselho.saude.gov.br/Web_comissoes/conep/aquivos/resolucoes/23_out_versao_final_196_ENCEP2012.pdf

Rodarte, B. C., Carlos, D. M., Leite, J. T., Beserra, M. A., Oliveira, V. G., & Ferriani, M. G. C. (2015). Fatores de proteção sob o olhar de adolescentes vitimizados e institucionalizados. Revista de Enfermagem Referência, 4(7), 73-80. Retirado de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-02832015000700008

Schogor, W. L. C. (2003). Um olhar simbólico sobre a casa lar: Veneno e remédio (Monografia Especialização em Psicologia Analítica). Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Retirado de http://www.symbolom.com.br/monografias/veneno-e-remedio.doc.

Silva, E. R. A., & Aquino, L. M. C. (2005). Os abrigos para crianças e adolescentes e o direito à convivência familiar e comunitária. Políticas Sociais – Acompanhamento e Análise, 11, 186-193. Retirado de http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/publicacoes/bpsociais/bps_11/ENSAIO3_Enid.pdf

Silva, M. R. C., & Neto, Z. G. S. (2012). Perspectiva psicanalítica do vínculo afetivo: O cuidador na relação com a criança em situação de acolhimento (Trabalho de Conclusão de Curso de Psicologia). Instituto Luterano de Ensino Superior de Porto Velho, Porto Velho, RO, Brasil.

Vasconcelos, Q. A., Yunes, M. A. M., & Garcia, N. M. (2009). Um estudo ecológico sobre as interações da família com o abrigo. Paidéia, 19(43), 221-229. Retirado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103863X2009000200010&lng=pt&nrm=iso

Winnicott, D. (2001). A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1965).

Winnicott, D. (2007). O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. Porto Alegre: Artmed. (Originalmente publicado em 1979).

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Lemos, S. (2017). Os Vínculos Afetivos no Contexto de Acolhimento Institucional. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19466
Seção
Estudos Empíricos