Envolvimento paterno aos 24 meses de vida da criança

  • Marília Reginato Gabriel Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Rodrigo Gabbi Polli Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Luísa Fochesato Dall'Agnol Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Jonathan Tudge University of North Carolina at Greensboro
  • Cesar Augusto Piccinini Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Envolvimento paterno, Relações pais-criança, Paternidade

Resumo

O estudo investigou o envolvimento paterno aos 24 meses da criança. Foram entrevistados 27 pais, com idades entre 19 e 40. Análise de conteúdo revelou que o pai se relacionava com o filho de acordo com as necessidades específicas dos 24 meses da criança, quando ela se torna mais autônoma. Devido a isso, os pais se envolviam em atividades de cuidado, auxiliando o filho a dar conta de suas próprias demandas. Ao mesmo tempo, os pais mostraram-se envolvidos ao interagirem, estarem disponíveis e se preocuparem com os seus filhos. Apesar disso, a participação do pai ainda foi percebida como menor quando comparada à da mãe, mesmo quando o pai compartilhava os cuidados e responsabilidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições70.

Bowlby, J. (2006). Psicanálise e cuidados com a criança. In J.

Bowlby, Formação e rompimento dos laços afetivos (4ª ed., pp. 13-41). São Paulo: Martins Fontes. (Original published in 1958)

Brown, G. L., Mangelsdorf, S. C., & Neff, C. (2012). Father involvement, paternal sensitivity, and father-child attachment security in the first 3 years. Journal of Family Psychology, 26(3), 421-430.

Cabrera, N. J., Tamis-LeMonda, C. S., Bradley, R. H., & Lamb, M. E. (2000). Fatherhood in the twenty-first century. Child Development, 71(1), 127-136.

Castoldi, L. (2002). A construção da paternidade desde a gestação até o primeiro ano do bebê (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Castoldi, L., Gonçalves, T. R., & Lopes, R. C. S. (2014). Envolvimento paterno da gestação ao primeiro ano de vida do bebê. Psicologia em Estudo (Maringá), 19(2), 247-259. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-737222105008

Carvalho, A. M. A., Pedrosa, M. I., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2012). Aprendendo com a criança de zero a seis anos. São Paulo: Cortez.

Dessen, M. A., & Oliveira, M. R. (2013). Envolvimento paterno durante o nascimento dos filhos: Pai “real” e “ideal” na perspectiva materna. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(1), 184-192. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000100020

Fagan, J., Day, R., Lamb, M. E., & Cabrera, N. J. (2014). Should researchers conceptualize differently the dimensions of parenting for fathers and mothers? Journal of Family Theory & Review, 6(4), 390-405. doi: DOI10.1111/jftr.12044

Flouri, E., & Buchanan, A. (2003). The role of father involvement in children’s later mental health. Journal of Adolescence, 26(1), 63-78.

Fouts, H. N. (2008). Father involvement with young children among the Aka and Bofi foragers. Cross-Cultural Research, 42(3), 290-312.

Fuertes, M., Faria, A., Breeghly, M., & Santos, P. L. (2016). The effects of parental sensitivity and involvement in caregiving on mother-infant and father-infant attachment in a portuguese sample. Journal of Family Psychology, 30(1),147-56. doi: 10.1037/fam0000139.

Fulgencio, C. D. R. (2007). A presença do pai no processo de amadurecimento: Um estudo sobre D. W. Winnicott (Dissertação de mestrado não publicada). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Gabriel, M. R., & Dias, A. C. G. (2011). Percepções sobre a paternidade: Descrevendo a si mesmo e o próprio pai como pai. Estudos de Psicologia, 16(3), 253–261.

Goetz, E. R., & Vieira, M. L. (2009). Percepções dos filhos sobre aspectos reais e ideais do cuidado parental. Estudos de Psicologia, 26(2), 195-293.

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia. (1998a). Ficha de contato inicial (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia. (1998b). Termo de consentimento livre e esclarecido (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia. (1998c). Entrevista sobre dados demográficos da família (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia. (1999). Entrevista sobre a experiência da paternidade (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Henn, C. G., & Piccinini, C. A. (2010). A experiência da paternidade e o envolvimento paterno no contexto da Síndrome de Down. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(4), 623-631.

Hill, C. E., Knox, S., Thompson, B. J., Williamns, E. N., Hess, S. A., & Ladany, N. (2005). Consensual Qualitative Research: An Update. Journal of Counseling Psychology, 52(2), 1-27. doi: 10.1037%2F0022-0167.52.2.196.

Hohmann-Marriott, B. (2011). Coparenting and father involvement in married and unmarried coresident couples. Journal of Marriage and Family, 73, 296-309. doi: 10.1111/j.1741-3737.2010.00805.x

Houzel, D. (2004). As implicações da parentalidade. In L. Solis-Ponton (Ed.), Ser pai, ser mãe: Parentalidade, um desafio para o terceiro milênio (pp. 47-52). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kasura, K. (2000). Fathers’ qualitative e quantitative involvement: An investigation of attachment, play and social interactions. The Journal of Men’s Studies, 9, 41-57.

Jia, R., Kotila, L. E., Schoppe-Sullivan, S. J., & Dush, C. M. K. (2016). New parents’ psychological adjustment and trajectories of early parental involvement. Journal of Marriage and Family, 78(1), 197-211. doi: 10.1111/jomf.12263

Lamb, M. E., Pleck, J. H., Charnov, E. L., & Levine, J. A. (1985). Paternal behavior in humans. American Zoologist, 25(3), 883-894.

Laville, C., & Dione, J. (1999). A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Levandowski, D. C., & Piccinini, C. A. (2006). Expectativas e sentimentos em relação à paternidade entre adolescentes e adultos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(1), 17-28.

Manfroi, E. C., Macarini, S. M., & Vieira, M. L. (2011). Comportamento parental e o papel do pai no desenvolvimento infantil. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 21(1), 59-69.

Matthey, S., & Barnett, B. (1999). Parent-infant classes in the early postpartum period: Need and participation by fathers and mothers. Infant Mental Health Journal, 20(3), 278-290.

McBride, B. A., & Mills, G. (1993). A comparison of mother and father involvement with their preschool age children. Early Childhood Research Quarterly, 8, 457-477.

Monteiro, L., Veríssimo, M., Santos, A. J., & Vaughn, B. E. (2008). Envolvimento paterno e organização dos comportamentos de base segura das crianças em famílias portuguesas. Análise Psicológica, 3(26), 395-409.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. C. S. L., & Tudge, J. (2004). O envolvimento paterno durante a gestação. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(3), 303-314.

Piccinini, C. A., Silva, M. R., Gonçalves, T. R., Lopes, R. C. S. L., & Tudge, J. (2012). Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(3), 303-314.

Piccinini, C. A., Tudge, J., Lopes, R. C. S., & Sperb, T. (1998). Estudo longitudinal de porto alegre: Da gestação à escola. Instituto de Psicologia (Projeto de pesquisa não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Saleh, M. F., & Hilton, J. M. (2011). A comparison of the paternal involvement of low-income fathers in four development stages: Adolescence, young adult, adult, and midlife. The Familý Journal, 19(1), 47-55. doi: https://doi.org/10.1177/1066480710387496

Seward, R. R., Yeatts, D. E., & Zottarelli, L. K. (2002). Parental leave and father involvement in child care: Sweden and the United States. Journal of Comparative Family Studies, 33(3), 387-399.

Shannon, J. D., Cabrera, N. J., Tamis-LeMonda, C., & Lamb, M. E. (2009). Who stays and who leaves? Father accessibility across children’s first 5 years. Parenting: Science and Practice, 9(1), 78-100.

Silva, M. R., & Piccinini, C. A. (2004). O Envolvimento Paterno em Pais Não-residentes: Algumas Questões Teóricas. Psico (PUCRS), 35(2), 185-194.

Silva, M. R., & Piccinini, C. A. (2007). Sentimentos sobre paternidade e o envolvimento paterno: Um estudo qualitativo. Estudos de Psicologia, 24(4), 561-573.

Silva, M. R., & Piccinini, C. A. (2009). Paternidade no contexto da depressão pós-parto materna: Revisando a literatura. Estudos de Psicologia, 14(1), 5-12.

Silva, L. W., & Tokumaru, R. (2008). Cuidados parentais e aloparentais recebidos por crianças de escolas públicas e particulares de Vitória – ES. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 133-141.

Souza, C. L. C. (2008). Paternidade e desemprego: Características do envolvimento paterno e aspectos do relacionamento familiar (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, Brasil.

Tamis-LeMonda, C. S, Shannon, J. D., Cabrera, N. J., & Lamb, M. E. (2004). Fathers and mothers at play with their 2- and 3-yearolds: Contributions to language and cognitive development. Child Development, 75(6), 1806-1820.

Tokumaru, R. S., Zortea, T. C., Howat-Rodrigues, A. B. C., & Andrade, A. L. (2011). Diferenças no investimento materno em função de variáveis socioambientais. Estudos de Psicologia, 16(1), 49-55.

Tudge, J. R. H. (2008). The everyday lives of young children: Culture, class, and child rearing in diverse societies. New York: Cambridge University Press. Veneziano, R. A. (2003). The importance of paternal warmth. Cross-Cultural Research, 37(3), 265-281.

Winnicott, D. W. (1982). E o pai?. In D. W. Winnicott, A criança e o seu mundo (pp. 127-133). Rio de Janeiro: LTC Editora. (Original published in 1957)

Winnicott, D. W. (1983). Da dependência à independência no desenvolvimento do indivíduo. In D. W. Winnicott. O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1963)

Yavorsky, J. E., Dush, C. M. K., & Schoppe-Sullivan, S. J. (2015). The production of inequality: The gender division of labor across the transition to parenthood. Journal of Marriage and Family, 77(3), 662-679. doi: 10.1111/jomf.12189

Yoshihara, C. (2008). Qualidade de vida e envolvimento paterno em crianças e adolescentes com transtorno do desenvolvimento (Dissertação de Mestrado não publicada). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Reginato GabrielM., Gabbi PolliR., Fochesato Dall’AgnolL., TudgeJ., & PiccininiC. A. (2017). Envolvimento paterno aos 24 meses de vida da criança. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19465
Seção
Estudos Empíricos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##