“Mas Ele Diz que me Ama...”

Duplo-Vínculo e Nomeação da Violência Conjugal

  • Fabrício Lemos Guimarães Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT/ Universidade de Brasilia - UnB
  • Glaucia Ribeiro Starling Diniz Universidade de Brasília - UnB
  • Fabio Pereira Angelim Superior Tribunal de Justiça - STJ
Palavras-chave: Violência conjugal, Gênero, Teoria sistêmica, Duplo-vínculo, Pesquisa-intervenção

Resumo

O objetivo dessa pesquisa qualitativa foi discutir a aplicação da Teoria do Duplo-Vínculo ao contexto da violência conjugal.Foram considerados três critérios de duplo-vínculo: (a) Relacionamento de imenso valor afetivo; (b) Mensagens paradoxais; (c) Impossibilidade de refletir sobre a relação. A estratégia metodológica foi a leitura do livro Mas ele diz que me ama..., aplicação de questionário e reflexão grupal sobre o livro.Participaram da pesquisa 20 mulheres encaminhadas pela justiça. A análise dos títulos atribuídos pelas participantes a sua própria história resultou em quatro categorias que revelaram dimensões da relação duplo-vincular: Ambiguidade de sentimentos; Promessas do parceiro; Constatação da realidade violenta; Perspectiva de nova vida. Essa pesquisa-intervenção facilitou a reflexão das mulheres sobre sua realidade e ofereceu ferramentas para avaliação de riscos da violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabrício Lemos Guimarães, Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT/ Universidade de Brasilia - UnB

Doutorando e Mestre em Psicologia Clínica e Cultura pela UnB. Especialista em Terapia Familiar e de Casais pela PUC-GO/INTERPSI. Pós-Graduação em nível de Aperfeiçoamento em Impactos da Violência na Saúde pela ENSP/FIOCRUZ. Psicólogo e Bacharel em Psicologia pela UnB, CRP 01/13.650. Terapeuta Comunitário pelo MISMEC-DF/UFC. Psicólogo do Serviço de Assessoramento aos Juízos Criminais – SERAV da Subsecretaria Especializada em Violência e Família – SUAF/SEPSI do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios – TJDFT. Professor da Pós-Graduação em Psicologia Jurídica do Instituto de Educação Superior de Brasília – IESB e da Pós-Graduação em Psicopatologia e Psicodiagnóstico da Universidade Católica de Brasília – UCB.

Glaucia Ribeiro Starling Diniz, Universidade de Brasília - UnB

Possui graduação em Psicologia (Graus de Bacharel e Psicóloga) pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981); Especialização em Saúde Coletiva pela Escola de Saúde de Minas Gerais/UFMG/FIOCRUZ (1983); Mestrado (1990) e Doutorado (1993) no Marriage And Family Therapy Program - United States International University. Professora e Pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Departamento de Psicologia Clínica, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília - UnB. Possui experiência em Psicologia Clínica, com ênfase em Psicologia Conjugal e Familiar e Psicologia do Gênero. Desenvolve projetos de pesquisa sobre a interação gênero, casamento e trabalho; gênero e violência; gênero e saúde mental. Coordenadora do NEGENPSIC - Núcleo de Estudos de Gênero e Psicologia Clínica do Laboratório de Saúde Mental e Cultura - PCL/ IP/UnB. Vice-coordenadora do Projeto de Extensão de Ação Contínua - Projeto de Atendimento a Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar, projeto de natureza interdisciplinar sediado no NPJ/UnB em Ceilândia, DF.

Fabio Pereira Angelim, Superior Tribunal de Justiça - STJ

Possui graduação em Psicologia pela Universidade de Brasília. Mestrado em Psicologia Clínica (2004) e Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília (2009). Especialista em Socionomia pelo Instituto Círculo de Giz. Psicólogo do Superior Tribunal de Justiça - STJ e psicólogo clínico do Instituto Círculo de GIZ. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Clínica e Psicologia Jurídica. Membro do NEGENPSIC - Núcleo de Estudos de Gênero e Psicologia Clínica do Laboratório de Saúde Mental e Cultura – PCL/ IP/UnB.

Referências

Aguiar, L. H. M. (2009). Gênero e masculinidades: Follow-up de uma intervenção com homens autores de violência conjugal. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

Alves, S. L. B., & Diniz, N. M. F. (2005). Eu digo não, ela diz sim: A violência conjugal no discurso masculino. Revista Brasileira de Enfermagem, 58(4), 387-392.

Angelim, F.P. (2009). Mulheres vítimas de violência: Dilemas entre a busca da intervenção do Estado e a tomada de consciência (Tese de doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília.

Angelim, F. P., & Diniz, G. R. S. (2010). A Teoria do Duplo-Vínculo como referencial teórico para intervenções em casos de violência contra mulheres. Em I. Ghesti-Galvão & E.C.B Roque (Orgs.), Aplicação da lei em uma perspectiva interprofissional: Direito, psicologia, psiquiatria, serviço social e ciências sociais na prática jurisdicional. (pp. 397 –412). Brasília: Editora Lumen Juris.

Bateson, G., Jackson, D. D., Haley, J., & Weakland, J. H. (1956). Toward a theory of schizophrenia. Behavioral Science, 1(4), 251-254

Beauvoir, S. (1967) O segundo sexo: A experiência vivida (2ª ed.). São Paulo: Difusão.

Diniz, G. R.S . (2011). Conjugalidade e violência: Reflexões sob uma ótica de gênero. Em Terezinha Féres-Carneiro (Org.), Casal e família: Conjugalidade, parentalidade e psicoterapia (pp. 11-26). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Diniz, G. R. S., & Pondaag, M. C. M. (2006). A face oculta da violência contra a mulher: O silêncio como estratégia de sobrevivência. Em A. M. O. Almeida, M. F .S. Santos, G. R. S. Diniz & Z. A. Trindade (Orgs.), Violência, Exclusão Social e Desenvolvimento Humano: Estudos em Representações Sociais. (pp. 233-259). Brasília: Editora Universidade de Brasília – EDUnB.

Guimarães, F. (2009). “Mas ele diz que me ama...”: Impacto da história de uma vítima na vivência de violência conjugal de outras mulheres (Dissertação de mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Guimarães, F., Silva, E. C., & Maciel, S. A. B (2007). Resenha: “Mas ele diz que me ama...”: Cegueira relacional e violência conjugal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(4), 481-482.

Hamilton, L., & Armstrong, E. A. (2009). Gendered sexuality in young adulthood: Double binds and flawed options. Gender & Society, 23(5), 589-616.

Krug, E. G., Dahlberg, L. L., Mercy, J. A., Zwi, A. B., & Lozano, R. (2002). Relatório mundial sobre violência e saúde. Geneva: Organização Mundial de Saúde.

Macedo, D., Guimarães, F., Tusi, M., Guimarães, R., Chaves, R.,& Ramos, T. (2012). Audiências interdisciplinares e violência contra a mulher: Intervenções psicossociais no âmbito do TJDFT. Em M. Lobão, E. Resende, E. C. B. Roque & V. Brito (Orgs.), Conexões: Teoria e Prática do Trabalho em Redes na Secretaria Psicossocial Judiciária do TJDFT (pp. 13-32). Brasília: Lúmens Juris.

Macedo, D. S. (2013). Exercícios para Liberação da Tensão e do Trauma (TRE): Aplicação a situações de violência conjugal. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Magalhães, N. T. (2011). Gênero e violência conjugal: Olhares de um sistema de justiça especializado (Dissertação de Mestrado), Universidade de Brasília, Brasília.

Mahmoud, V. M. (2003). Os duplos vínculos do racismo (pp. 293-307). Em M. McGoldrick (Org.), Novas abordagens da terapia familiar: Raça, cultura e gênero na prática clínica. São Paulo: Roca.

McGoldrick, M. (1994). As mulheres e o ciclo de vida familiar. Em B. Carter& M. McGoldrick (Orgs.), O ciclo de vida familiar: Uma abordagem para a terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Knickmeyer, N., Levitt, H. M., Horne, S. G., & Bayer, G. (2004). Responding to mixed messages and double binds: Religious oriented coping strategies of Christian battered women. Journal of

Religion and Abuse, 5, 55-82.

Penfold, R. B. (2006). Mas ele diz que me ama: Graphic novel de uma relação violenta (D. Pelizzari, trad.). Rio de Janeiro: Ediouro.

Pondaag, M. C. M. (2009). Sentidos da violência conjugal: A perspectiva de casais (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Ravazzola, M. C. (1997). Historias infames: Los maltratos en las relaciones. Buenos Aires: Paidós.

Saffioti, H. I. B. (1999). Já se mete a colher em briga de marido e mulher. São Paulo em Perspectiva, 13(4), 82-91.

Seidl de Moura, M. L., & Ferreira, M. C. (2005). Projetos de Pesquisa: Elaboração, redação e apresentação. Rio de Janeiro, RJ: EDUERJ.

Soares, B. M. (2005). Enfrentando a violência contra a mulher: Orientações práticas para profissionais e voluntários(as). Brasília: SPM.

Teixeira, A. B. (2009). Nunca você sem mim: Homicidas-suicidas nas relações afetivo-conjugais. São Paulo: Annablume.

Walker, L. E. A. (1999). The battered woman syndrome. (2º ed.). Nova York: Springer Publishing Company.

Waiselfisz, J. J. (2012). Mapa da Violência 2012. Os novos padrões da violência homicida no Brasil – Caderno Complementar 1: Homicídios de Mulheres no Brasil. São Paulo: Instituto Sangari.

Watzlawick, P., Beavin, J.H., & Jackson, D. D. (1995). Pragmática da comunicação humana. São Paulo: Cutrix. (Original publicado em 1967)

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Guimarães, F., Diniz, G., & Angelim, F. (2017). “Mas Ele Diz que me Ama.”. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19460
Seção
Estudos Empíricos