Estudos lesbianos e teoria cuíer pós-moderna

Harriet Malinowitz

Resumo


Nesse artigo, publicado na germinal antologia The new lesbian studies: into the twenty-first century (1996), Harriet Malinowitz discute o controverso encontro das políticas identitárias – tão caras ao feminismo e às movimentações ativistas ou acadêmicas de lésbicas, gays e transexuais nos anos 1990 – e as propostas pósidentitárias do pós-modernismo e das teorias cuíer, em evidência a partir da mesma década, que então ameaçavam as “sólidas” identidades de total pulverização.
Partindo de uma perspectiva crítica que explicita a noção de diferença proposta pela ativista, teórica e escritora lésbica negra Audre Lorde, Malinowitz historiciza o legado feminista das teorias cuíer e propõe uma retomada dos estudos lésbicos feministas desde esse encontro pautado na e pela diferença, na qual a existência e a afirmação da lesbiandade seja política, viva e não monolítica. A tradução feita quase vinte anos depois da publicação do artigo, e vinte anos depois da morte de Audre Lorde, mostra o fôlego e a atualidade da análise de Malinowitz e sua pertinência
ao momento crucial para o ativismo e as teorias feminista, lésbica feminista e/ou cuíer, em que as disputas políticas demandam teorização crítica e frutífera às coalizões, alianças e transformações.


Palavras-chave


Estudos lésbicos feministas. Teoria cuíer (queer). Audre Lorde.

Texto completo:

PDF

Referências


(Diana Fuss, 1989, p. 113)

(Diana Fuss, 1989, p. 114)

(Adrienne Rich, 1983, p. 192)

(BUTLER, 1990, p. 17)

(BUTLER, 1990, p. 15)

(BUTLER, 1990, p. 14)

(LORDE, 1984, p. 111)

(SEDGWICK, 1990, p. 77)

(SEDGWICK, 1990, p. 7)

(Foucault, 1990, p. 27)

(LORDE, 1984, p. 42)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.