Interseccionalidade de violências, discriminações e resistências

as trabalhadoras terceirizadas da limpeza e conservação

Palavras-chave: interseccionalidade; trabalhadoras, terceirização; raça; gênero; classe

Resumo

Resumo: É abordada a perspectiva interseccional das categorias gênero, raça e classe neste artigo, a partir do aprofundamento do seu debate teórico transdisciplinar e epistêmico. Recupera-se suas origens, sua elaboração por intelectuais latino-americanas e seu emprego em análise a respeito da presença majoritária de mulheres negras pobres na função terceirizada de limpeza e conservação no setor público e privado, tendo como estudo de caso, a Universidade de Brasília (UnB), no período de 2011 a 2013. O resultado da articulação entre vários sistemas de poder e da integralidade dos marcadores identitários gera o desvendamento de uma dinâmica de inomináveis e invisibilizadas violências e discriminações, as quais complexificam as desigualdades das nossas relações sociais e questionam paradigmas modernos vigentes na teoria social e nas políticas de intervenção. Por fim, remarca-se a dimensão positiva da interseccionalidade, uma vez que formas inesperadas de resistência e enfrentamento emergem no mesmo movimento de opressão e exploração no meio desse grupo de mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Alice R. P. Globalización, género y trabajo. In: Ediciones de las Mujeres, n. 22, Santiago de Chile, ISIS, novembro, 1995.

ALMEIDA, T.M.C. e PEREIRA, B.C.J. Violência doméstica e familiar contra mulheres pretas e pardas no Brasil: reflexões pela ótica dos estudos feministas latino-americanos. Crítica e Sociedade: revista de cultura política, v.2, n.2, p. 42 a 63, 2012.

ARAÚJO, Clara e SCALON, Celi (org). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: FGV e FAPERJ, 2005.

AUTOR/A deste artigo, 2016.

AZEREDO, S. Teorizando sobre gênero e relações raciais. Revista Estudos Feministas, número especial, p. 203-216, 2. sem, 1994.

BAIRROS, L. Nossos feminismos revisitados. Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 2, 1995.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Rev. Bras. Ciênc. Polít. [online]. 2013, n.11, pp.89-117.

BANDEIRA, Lourdes e ALMEIDA, Tânia Mara C. A dinâmica de desigualdades e interseccionalidades no trabalho de mulheres da limpeza pública urbana: o caso das garis. Revista Mediações (UEL), v. 20, p. 160-183, 2015.

BANDEIRA, Lourdes. M.; OLIVEIRA, E. Representações de Gênero e Moralidade na Pratica Profissional da Enfermagem. Revista da Associação Brasileira de Enfermagem. Brasília: 2000.

BAUER, M., GASKELL, G. (2002). Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: Um Manual Prático. Petrópolis: Vozes.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; FIGUEIREDO, Ângela; CRUZ, Tania. A realidade do trabalho doméstico na atualidade. Brasília: CFEMEA, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF.

BRASIL. Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015. Dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico; altera as Leis no 8.212, de 24 de julho de 1991, no 8.213, de 24 de julho de 1991, e no 11.196, de 21 de novembro de 2005; revoga o inciso I do art. 3o da Lei no 8.009, de 29 de março de 1990, o art. 36 da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, a Lei no 5.859, de 11 de dezembro de 1972, e o inciso VII do art. 12 da Lei no 9.250, de 26 de dezembro 1995; e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial, 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LCP/Lcp150.htm>.

BRUSCHINI, Cristina. e SORJ, Bila. (orgs.) Novos olhares: mulheres e relações de gênero no Brasil. São Paulo: FCC/Marco Zero, 1994.

BUTLER, Judith. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 1990.

CARNEIRO, S. A mulher negra brasileira na década da mulher. São Paulo: Nobel, 1985.

CEPAL, Las mujeres en América Latina y el Caribe em los años noventa: elementos de diagnóstico y propuesta. Série Mujer y Desarrolo, n. 18. Santiago de Chile, 1997.

COHEN, L., & MANION, L. (1994). Research methods in education (4th ed). London: Routledge.

COSTA, F. B. Moisés e Nilce: retratos biográficos de dois garis. Um estudo de psicologia social a partir de observação participante e entrevistas. Tese de Doutorado. USP. 2008.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas. Vol. 10/1 – p. 171 a 188, 2002.

CUNHA, Y. R. Terceirização e o setor público. Politica & Trabalho, n. 43, 2015.

DIOGO, M. F.; MAHEIRIE, K. De balde e vassoura na mão: os sentidos que mulheres serventes de limpeza atribuem aos seus trabalhos. Revista Mal Estar e Subjetividade, v. 7, n. 2, p. 557 a 579, 2007.

DAL ROSSO, S. Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

DAWSON S, MANDERSON L e TALLO VL. A manual for the use of focus groups. Methods for Social Research in Disease. Boston. World Health Organization, 1993

DEJOURS, C. A loucura do trabalho. Estudo de Psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez: Cortez / Oboré, 1992.

DIEESE. Terceirização e negociação coletiva: velhos e novos desafios para o movimento sindical brasileiro. Nota técnica nº 112. Jul.2012. São Paulo: DIEESE, 2012. Disponível em: <https://www.dieese.org.br/notatecnica/2012/notaTec112terceirizacao.pdf>. Acesso em 20 de janeiro de 2018.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.

DRUCK, G. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. spe 01p. 37 a 57, 2011.

EMENDA CONSTITUCIONAL, 72/2013. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/emecon/2013/emendaconstitucional-72-2-abril-2013-775615-publicacaooriginal-139358-pl.html>. Acesso em 10 de setembro de 2018.

ESTUDOS FEMINISTAS. CIEC/ECO/UFRJ, n. esp., 2º sem. Rio de Janeiro, 6-10 jun. 1994.

FOLHA DE SÃO PAULO - “Escolaridade não equipara renda entre negros e brancos” – Mercado, em 15/11/2017. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/11/1935511-instrucao-maior-eleva-fosso-salarial-entre-branco-e-negro.shtml>.

GOMES, Maria Elasir; BARBOSA, Eduardo. A técnica de grupos focais para obtenção de dados qualitativos. Educativa: Instituto de Pesquisas e Inovações Educacionais. 1999.

GONZALEZ, L. A mulher negra na sociedade brasileira In: LUZ, M. (Org.) O lugar da mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade. Rio de Janeiro, Graal, 1982.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira In: SILVA, L. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília, ANPOCS, 1983.

HASENBALG, C. A. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. RJ, 1979.

HASENBALG, C. A. e Silva, N.V. Estrutura social, mobilidade e raça. RJ, 1988.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Daniele. La división sexual del trabajo: permanência y cambio. Buenos Aires: Asociación Trabajo y Sociedad, Centro de Studios de la Muljer e Piette/Conicet, 1997.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social, v. 26, n. 1, p. 61 a 73, 2014.

IPEA. Mulheres e trabalho: breve análise do período 2004-2014. Brasília: IPEA, 2016.

IPEA E ONU MULHERES. Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça: 1995 a 2015. Brasília: IPEA, 2017.

KIRJNER, D.A.P. Entre gênero e espécie: à margem teórica das Ciências Sociais e do Feminismo. PPGSOL/UnB, 2016.

KRISTEVA, Julia. The power of horror: an essay on abjection. New York: Columbia University Press, 1986.

KÜCHEMANN, Berlindes Astrid. Estratégias de Sobrevivência de Mulheres no Setor Informal Urbano. In: KOHLHEPP, Gert (Org.). Brasil: Modernização e Globalização. Madrid: Iberamericana/Frankfurt am Main: Vervuert Verlag, 2001, p. 155-174.

KÜCHEMANN, Berlindes Astrid. Mulheres no Mundo do Trabalho: Em Busca de um Modelo de Desenvolvimento Inclusivo. In: DAL ROSSO, Sadi; FORTES, José Augusto Abreu Sá (Orgs.). Condições de Trabalho no Limiar do Século XXI. Brasília: Época, 2008, p. 71-87.

LUGONES, M. Heterosexualismo and the colonial modern gender. Hypatia, v. 22, n.1, p. 186 a 209, 2007.

LUGONES, M. Colonialidad y género. Tabula Rasa, Julio-Diciembre, p. 73 a 101, 2008.

MELO, Hildete P.; CONSIDERA, Cláudio M.; SABBATO, Alberto. Os afazeres domésticos contam! In: Economia e Sociedade. Campinas, dezembro de 2007 e nova versão 2009 (mimeo).

MELO, Hildete P.; CASTILHO, Marta. Trabalho Reprodutivo quem faz e quanto custa In: Revista de Economia Contemporânea. Rio de Janeiro: UFRJ, n.13, 1/2009.

MENDOZA, B. La epistemología del sur, la colonialidad del género y el feminismo latinoamericano. In: MIÑOSO, Y. E. Aproximaciones críticas a las prácticas teórico-políticas del feminismo latinoamericano. Buenos Aires: Ediciones de la Frontera, 2010.

NOBRE, Miriam. Trabalho Doméstico e Emprego Doméstico. In: COSTA, Ana Alice et al. (orgs). Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. São Paulo: CUT Brasil, 2004.

OIT. O ABC dos direitos das mulheres trabalhadoras e da igualdade de gênero. Portugal, 2ª Edição, 2007. Disponível em: <http://www.oitbrasil.org.br/sites/default/files/topic/gender/pub/abc%20dos%20direitos%20das%20mulheres_606.pdf>.

ORTNER, Sherry & Whitehead, Harriet. Accounting for sexual meanings In Sexual Meanings. The cultural construction of gender and sexuality, Cambridge, Cambridge University Press, 1981.

OSORIO, R. G. O sistema classificatório de cor ou raça do IBGE. 2003. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_0996.pdf>.

RIBEIRO, M. Mulheres negras brasileiras: de Bertioga a Beijing. Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 2, p. 446 a 457, 1995.

RICO, Nieves. Formación de los recursos humanos femeninos: prioridad del crecimiento y la equidad. Santiago de Chile, Cepal. (Série Mujer y Desarrollo, 15), 1996.

SAFFIOTTI, H. Rearticulando gênero e classe social. In BRUSCHINI, C. e COSTA, A. (Orgs). Uma questão de gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos/FCC, 1992.

SAFFIOTI, H. Diferença ou Indiferença: Gênero, Raça/Etnia, Classe Social In: ADORNO, S. A Sociologia entre a Modernidade e a Contemporaneidade. Porto Alegre: Editora da Universidade UFRGS, 1995.

SEGATO, Rita L. Las estructuras elementales de la violencia: ensayos sobre género entre la antropología, el psicoanálisis y los derechos humanos. Buenos Aires: Prometeo/Universidad de Quilmes, 2003

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬SEGATO, Rita L. O Édipo brasileiro: a dupla negação de gênero e raça. In. STEVENS, C. (Org.) Maternidade e feminismo: diálogos interdisciplinares. Florianópolis, Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2007.

SILVA, D. e JUNIOR, F. O Estado Brasileiro e a Ressignificação do Outro. Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos, vol. 3, nº 5, p. 163 a 185, 2015.

SORJ, B. Sociologia e trabalho: mutações, encontros e desencontros. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol.15 n.43, São Paulo, p. 25 a 34, 2000.

VIEIRA, N.S. O Trabalho da Babá: trajetórias corporais entre o afeto, o objeto e o abjeto. Dissertação de Mestrado PPGSOL/UnB. 2014.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

TURATO, E. (2003). Tratado de metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis: Vozes.

YANNOULAS, S. C. Perspectivas de Género y Políticas de Formación e Inserción Laboral en América Latina. 1. ed. Buenos Aires: RedEtis, IIPE/UNESCO - IDES, 2005.

WARNER, Michael. The lettres of the Republic: publication and the public sphere in eighteenth-century America, Cambridge, Mass. Harvard University Press, 1990.

WARNER, Michael. The mass public and the mass subject. In Calhoum, Craig (ed.) Habermans and the public sphere, Cambridge, Mass, The Mit Press, 1992.

WERNECK, J. De ialodês e feministas. Nouvelles Questions Féministes – Revue Internationale Francophone, v. 24, n. 2, 2005. Disponível em: <http://mulheresrebeldes.blogspot.com.br/2008/10/de-ialods-e-feministas.html>.

WOOLF, Virgínia. Kew gardens: o status intelectual da mulher. Um toque feminino na ficção. Profissões para mulheres. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997

Publicado
2018-11-14
Como Citar
AlmeidaT. M. C. de. (2018). Interseccionalidade de violências, discriminações e resistências. Revista Do CEAM, 4(1), 73-95. https://doi.org/10.5281/zenodo.2648089