O gênero dos objetivos do desenvolvimento sustentável

representação discursiva da questão de gênero na agenda 2030

Palavras-chave: Mulher, Empoderamento, Sustentabilidade, Desenvolvimento, ODS, ADC, Gênero

Resumo

Resumo: Neste trabalho, apresentamos resultados da pesquisa sobre a representação do tema da equidade de gênero no texto da Agenda 2030, documento da Organização das Nações Unidas que estabelece os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Por meio de análise discursiva crítica, foram analisados, em profundidade, recortes do texto com referências à temática em análise. O software NVivo (QSR, 2017) foi usado para auxiliar a seleção dos excertos com referência ao tema e, por meio de suas ferramentas, foi possível realizar uma análise mais profunda e ampla. A ADC se propõe investigar os modos pelos quais os elementos discursivos se articulam na prática social e seus efeitos nas lutas hegemônicas (RESENDE, 2012). As análises apontam que, no texto dos ODS: a) A representação de mulheres é tematicamente restrita à abordagem de alguma questão de gênero a ser resolvida; sempre associada a ausências e frequentemente justaposta a representação de problema associados à vulnerabilidade, tais como a fome, a saúde precária, a mortalidade infantil e a carência de acesso a moradia; b) Mulheres não são representadas como agentes de seu próprio empoderamento, mas como seres que precisam “ser empoderados”; c) Mulheres não são representadas como agentes de mudança nos parágrafos que abordam as propostas de promoção da sustentabilidade; d) o gênero feminino é o único mencionado – o gênero masculino é subentendido como não marcado, com agente default de toda mudança, e outros gêneros são invisibilizados; e) o empoderamento feminino colocado trata-se principalmente do empoderamento econômico das mulheres. Não se trata, em nenhum momento, de empoderar as mulheres mentalmente, psicologicamente, mesmo diante de uma sociedade que oprime diariamente as mulheres das mais diversas formas. Concluímos que, de modo geral, a Agenda 2030 realça a gravidade de problemas relacionados à vulnerabilidade socioeconômica feminina, mas não rompe com o discurso sexista e, ainda, secundariza a importância do protagonismo de gêneros diversos na construção da sustentabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yara Resende Marangoni Martinelli, Universidade de Brasília - Instituto de Relações Internacionais

Graduação em andamento em Relações Internacionais. Universidade de Brasília, UnB, Brasil.

Carolina Lopes Araújo, Universidade de Brasília

Professora adjunta do quadro efetivo da Universidade de Brasília, campus Planaltina. Doutora pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB. Mestre em Management pela HEC Montreal (reconhecido no Brasil como equivalente ao mestrado em Administração pela UFMG). Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Temas prioritários de pesquisa: participação social, desenvolvimento sustentável, comportamento social e estudos discursivos.

Referências

ARAUJO, C. L. As vozes da Rio+20: a inserção dos interesses dos grupos sociais nos resultados da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. [tese de doutorado] Universidade de Brasília. Brasília. 2014.

ARAUJO, Carolina Lopes; NASCIMENTO, Elimar; VIANNA, João Nildo De Souza. Para onde nos guia a mão invisível? Considerações sobre os paradoxos do modelo econômico hegemônico e sobre os limites ecológicos do desenvolvimento. Desenvolvimento e Meio Ambiente UFPR, Paraná, v. 31, p. 9-18, ago. 2014.

COELHO, D. Ascensão profissional de homens e mulheres nas grandes empresas brasileiras. In: NEGRI, J. A., NEGRI, F.; COELHO, D. Tecnologia, exportação e emprego. IPEA, Brasília, 2006.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, [S.L], v. 31, n. 1, jan./abr. 2016.

CHOULIARAKI, L. Media discourse and the public sphere. D.E.L.T.A., 21: Especial, P. 45-71. 2005.

DIJK, Teun A. Van. Discurso e poder. São Paulo: Editora Contexto, 2008. 10-15 p.

GERMANO, Maria Do Socorro Pires. O sistema da transitividade de hallyday: aplicação a "I spy" de Graham Greene. Revista de Letras, UECE, v. 19, n. 2, p. 68-76, jan./dez. 1997.

GONDIM, A. C. et al. O corpo intersexual como desconstrução dos gêneros inteligíveis: uma abordagem sócio jurídica. Encontro Nacional da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre a Mulher e Relações de Gênero, Paraíba, v. 17, p. 1-20, jan. 2013.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado –, [S.L], v. 31, n. 1, jan./abr. 2016.

HALLIDAY, M. A.; MATTHIESSEN, C. An Introduction to Functional Grammar. 3a. ed. London: Edward Arnold, 2004.

IPEA INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Nota técnica - 2016 - março - número 24 - disoc mulheres e trabalho: breve análise do período 2004-2014. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=27317>. Acesso em: 04 jul. 2018.

JORNALWEBDIGITAL. Aumenta o número de mulheres em cargos de CEOs e diretoras executivas no Brasil, aponta Grant Thornton. 2017. Disponível em <http://jornalwebdigital.blogspot.com.br/2017/03/aumenta-o-numero-de-mulheres-em-cargos.html>. Acesso em: 16 nov. 2017.

NAVARRO-SWAIN, T. Os limites discursivos da história: imposição de sentidos. Labrys: Revista de Estudos Feministas, n.9, 2006

ONU BR: NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/cupula/>. Acesso em: 10 jul. 2018.

ONU BR: NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. Secretário-geral da onu lança panorama dos objetivos do milênio e da agenda de desenvolvimento pós-2015. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/secretario-geral-da-onu-lanca-panorama-dos-objetivos-do-milenio-e-da-agenda-de-desenvolvimento-pos-2015/>. Acesso em: 04 jul. 2018.

QRS INTERNATIONAL. NVivo 11 Pro for Windows, 2015.

RAMALHO, V.; RESENDE, V. Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas: Pontes Editores, 2011. ISBN 978-85-7113-336-5.

RESENDE, V. D. M.; RAMALHO, V. Análise do Discurso Crítica. 2a. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

RIBEIRO, Gustavo Lins. Poder, redes e ideologia no campo do desenvolvimento. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 80, p. 109-125, mar. 2008.

RÜSEN, Jörn. “Didática da história: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão” Práxis Educativa (Brasil), vol. 1, n. 2, julho-dezembro, 2006.

SANTOS, Carolina Maria Mota; TANURE, Betânia; NETO, Antônio Moreira De Carvalho. Mulheres executivas brasileiras: O teto de vidro em questão. Revista Administração em Diálogo, [S.L], v. 16, n. 3, p. 56-75, set./dez. 2014.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Conceituando “Empoderamento” na Perspectiva Feminista. Repositório Institucional UFBA, Bahia, p. 1-12, out. 2012.

SCOTT, J. W. Uma categoria útil para análise histórica. Cadernos de História UFPE, v.11, 2016. 9-39.

TANURE, B., CARVALHO NETO, A.; ANDRADE, J. Executivos: sucesso e (in)felicidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAMME. Human Development Report 2016: human development for everyone. United Nations Development Programme. New York, p. 286. 2016. (0969-4501).

Publicado
2018-11-14
Como Citar
MartinelliY. R. M., & AraújoC. L. (2018). O gênero dos objetivos do desenvolvimento sustentável. Revista Do CEAM, 4(1), 26-47. https://doi.org/10.5281/zenodo.2641984