Reflexões nascidas do empírico

possibilidades e limitações da teoria da luta por reconhecimento na fundamentação de políticas públicas e práticas emancipatórias

Palavras-chave: Brasil, Cartografia social, Consultório na rua, Limitações, Luta por reconhecimento, População em situação de rua, Possibilidades

Resumo

Resumo: O texto reflete teoricamente acerca das potencialidades e limitações da teoria do reconhecimento em fundamentar políticas públicas e práticas emancipatórias a partir da experiência empírica de uma pesquisa cartográfica no Consultório na Rua, dispositivo de saúde voltado para a prestação de cuidados à população em situação de rua no Brasil. A pesquisa foi realizada com usuários de profissionais de saúde do serviço e contou com observação participante, o registro em diário de campo e entrevistas semiestruturadas voltadas para explorar a percepção dos usuários e profissionais acerca das potencialidades e limitações do serviço. Compreende-se que apenas as experiências de injustiça e sofrimento não são suficientes para desencadear lutas por reconhecimento que demandam uma disposição crítica capaz de articular tais experiências. Reflete-se sobre o modo como o cuidado é ofertado no Consultório na Rua e as barreiras que se interpõem para o desenvolvimento da criticidade e mobilização de lutas por reconhecimento. A partir da experiência empírica, bem como do aporte teórico de autores como Foucault e Bourdieu, reflete-se acerca das limitações da teoria da luta por reconhecimento como projeto teórico emancipatório. Por último, a partir de um diálogo com a pedagogia crítica de Paulo Freire são contempladas as possibilidades emancipatórias da teoria da luta por reconhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLEN, A. Recognizing Domination: Recognition and Power in Honneth ́s Critical Theory. Journal of Power, v.3, n.1, p. 21-32, 2010.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papris, 1996.

BOURDIEU, P. Esboço de uma teoria da prática. In. ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática (coleção: Grandes Cientistas Sociais), 1994.

BOURDIEU, Pierre. A distinção– crítica social do julgamento. Porto Alegre, Editora Zouk, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 3.088, de 23 de dezembro de 2011, Institui a rede de atenção Psicossocial para pessoas sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html> Acesso em: 02 de abril. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual sobre o cuidado à saúde junto à população em situação de rua. Brasília: Ministério da Saúde. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). 2012a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 122, de 25 de janeiro de 2012, define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. Diário Oficial da União, Brasília, 22 jan. 2012b, p.46. Disponível em: <http://www.in.gov.br/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=46&data=26/01/2012>. Acesso em: 02 de abril. 2018.

BOURDIEU, P. Esboço de uma teoria da prática. In. ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática (coleção: Grandes Cientistas Sociais), 1994.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papris, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A distinção– crítica social do julgamento. Porto Alegre, Editora Zouk, 2015.

BRESSIANI, N. Crítica e Poder? Crítica Social e Diagnóstico de Patologias em Axel Honneth. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2015. 2015.

DELEUZE, G. ¿Que es un dispositivo? In: Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990, p. 155-161.

DREYFUS, L. RABINOW, P. Michel Foucault: Uma trajetória filosófica, para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

DODIER, N. BARBOT, J. A força dos dispositivos. Sociedade e Estado, v. 32, n. 2, p. 487 – 518, maio-agosto, 2017.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Trad. M.T. C. Albuquerque e J. A G. Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

FOUCAULT, M. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1977.

FOUCAULT, M. A Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1980.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

FRASER, N. Rethinking Recognition. New Left Review, 3, p. 107-120. 2000.

FRASER, N. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça na era pós-socialista. In: SOUZA, J. (Org.). Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Editora UnB, 2001. p. 245-282.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa / Paulo Freire: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos Freire. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GUATTARI. F. As três ecologias. (M.C.F. Bittencourt, Trad.). Campinas: Papirus, 1990.

GUATTARI, F. Caosmose: Um novo paradigma estético. (Ana Lúcia de Oliveira & Lúcia Cláudia, Trad.). São Paulo: 34, 1992.

HONNETH, A. The critique of power: reflective stages in a critical social theory. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1991.

HONNETH, A. Luta por Reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Honneth: Tradução Luis Repa. São Paulo, Editora 34, 2003.

HONNETH A. Disrespect: the normative foundations of critical theory. Cambridge: Polity Press, 2007.

MCNAY, L. Against recognition. Cambridge: Polity Press, 2008.

MEHRY, E. E. FRANCO, T. B. Por uma composição técnica do trabalho centrada nas tecnologias leves e no campo relacional. Em Saúde em Debate (Rio de Janeiro), v.7, n. 65, p. 316-323, 2003.

MIGUEL, L. F. Mecanismos de Exclusão Política e os Limites da Democracia Liberal: uma conversa com Poulantzas, Offe e Bourdieu. Revista Novos Estudos 98, Março, 2014.

PAULON, S.M. ROMAGNOSLI, R.C. Pesquisa-intervenção e cartografia: melindres e meandros metodológicos. Em Estudos e pesquisa em psicologia, UERJ, RJ, v. 10 n.1, p.85 -102, 2010.

PRADO FILHO, K. TETI, M.M. A A cartografia como método para as ciências humanas e sociais. Barbaroi, Santa Cruz do Sul, n. 38, jun. 2013.

SOBOTTKA, E.A. Desrespeito e luta por reconhecimento. Civitas, Porto Alegre, v. 15, n. 4, p. 686 – 702, out-dez. 2015.

TOSTA, L.R.O. SILVA, T.B.F. Duas nômades e inúmeras rotas: cartografias de um processo de acompanhamento terapêutico. Em Revista da SPAGESP, v. 17, n. 1, p. 80-95, 2006.

Publicado
2018-11-14
Como Citar
CesarioR. P., & Cavasin Zabotto PulinoL. H. (2018). Reflexões nascidas do empírico. Revista Do CEAM, 4(1), 9-25. https://doi.org/10.5281/zenodo.2613152