Turismo, Unidades de Conservação e Inclusão Social: Uma análise da “Área de Proteção Ambiental Recifes de Corais” (APARC)

  • Wagner Araújo Oliveira
  • Kerlei Eniele Sonaglio Universidade de Brasília
Palavras-chave: Turismo. Inclusão Social. Unidades de Conservação. Área de Proteção Ambiental Recifes de Corais.

Resumo

O trabalho objetiva conhecer como o planejamento e a gestão do turismo no âmbito da Área de Proteção Ambiental dos Recifes de Corais (APARC) vêm sendo desenvolvido sob a ótica da inclusão social das populações tradicionais do entorno. Adotou-se a abordagem qualitativa, de caráter exploratório e descritivo. Como instrumento de coleta, realizaram-se entrevistas semiestruturados, tendo como população do estudo os atores relacionados dinâmica turística, além da apreciação de documentos oficiais e legais. O método de análise de conteúdo permitiu compreender as relações e foi baseado nas dimensões da inclusão social no turismo de Sancho & Irving (2011). Foi possível constatar que o processo de criação da APARC não foi conduzido de modo participativo e consultivo em seus processos de criação e implementação. Além disso, foi possível perceber que a inclusão social no planejamento e gestão do turismo na APARC está atrelado, exclusivamente, a capacidade da atividade em gerar emprego e renda, sobretudo com a criação de novos postos de trabalhos que o mercado turístico oferece. Nesse sentido, permite-se afirmar que a concepção desse conceito impera em uma abordagem majoritariamente econômica, marcada por um discurso reducionista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arruda, Rinaldo (1997). "Populações 'Tradicionais' e a proteção dos recursos naturais em Unidades de Conservação". In: Anais do Primeiro Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Vol. 1 Conferências e Palestras, pp. 262-276. Curitiba, Brasil.
Bensusan, N. (2006). Conservação da biodiversidade em áreas protegidas. São Paulo, FGV.
Diegues, A. C. S. (1996). O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec.
Diegues, A. C. S. (2000a). Populações tradicionais em unidades de conservação: o mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Núcleo de Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas do Brasil.
Diegues, A. C., Arruda, R.S.V. (2001). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. MMA. Brasília.
Diegues, A. C. S. (2000b). O mito moderno da natureza intocada. São Paulo, Ed. Hucitec.
IDEMA, Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (2007). Relatório técnico do monitoramento ambiental e de visitação nos parrachos de Maracajaú. Brasil, Natal.
IDEMA, Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (2015). Área de Proteção Ambiental Recifes de Corais. Disponível em: < http://www.idema.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=944&ACT=null&PAGE=0&PARM=null&LBL=Unidades+de+Conserva%C3%A7%C3%A3o. Acesso em 25 de nov 2015.
Irving, M. A. (2010). Áreas Protegidas e Inclusão Social: uma equação possível em políticas públicas de proteção da natureza no Brasil? Sinais Sociais, v.4, p.122 - 147.
Irving, M. A.; Mendonça, T. C. M (2004) Turismo de base comunitária: a participação como prática no desenvolvimento de projetos turístico no Brasil - Prainha Do Canto Verde, Beberibe (CE). Caderno Virtual de Turismo, v. 4, n. 4, p. 12-22.
Lasso, L. A. G. (2008) Unidades de Conservação e Inclusão Social: Do Dualismo Homem Natureza ao Caminho da Gestão Participativa na Estação Ecológica Carijós Florianópolis SC. – 2008. Bibliografia: f. 138. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias.
SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Lei nº 9.985, 18 jul 2000 (2000).. Brasília, DF. Recuperado em 10 abril 2015 de
Marconi, M. A Lakatos, E. M (2010). Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas.
Medeiros, R.; Irving, M.A.; Garay, I (2006). Áreas Protegidas no Brasil: interpretando o contexto histórico para pensar a Inclusão Social. In: IRVING, M.A. (Org.). Áreas protegidas e inclusão social: construindo novos significados. Rio de Janeiro: Fundação Bio-Rio.
Sancho, A. (2007). Turismo: Alternativa Efetiva de Inclusão Social? Uma reflexão sobre as Políticas Públicas de Turismo no Brasil. Dissertação de Mestrado. EICOS/IP/UFRJ. Rio de Janeiro.
Sancho, A; Irving, M. A (2011). Interpretando tendências para a inclusão social no Plano Nacional de Turismo 2007/2010. In: Revista Geografias (UFMG), v. 7, p. 44 – 57. (ISSN: 2237-549X).
Silva, C. B (2009). Análise da atividade turística desenvolvida na área de proteção ambiental dos Recifes de Corais – APARC. 119 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Pro - Reitoria de Pós-Graduação. Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente/PRODEMA. Natal/RN.
Silveira-Junior, W.J.; Botelho, E.S. (2011). Turismo em áreas protegidas e inclusão social de populações tradicionais: um estudo de caso da Cooperativa de Ecoturismo de Guaraqueçaba (PR). Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.4, n.3, 2011, p.441-462.
Tomazin, M.; Beni, M. C. (2017). Limites e possibilidades da inclusão social pela Política Nacional de Turismo: o caso do Programa de Regionalização do Turismo. Revista CENÁRIO, Brasília, V.5, n.8, 2017, p. 83-95.
Publicado
2018-12-19
Como Citar
Oliveira, W., & Sonaglio, K. (2018). Turismo, Unidades de Conservação e Inclusão Social: Uma análise da “Área de Proteção Ambiental Recifes de Corais” (APARC). Revista Cenário, 6(11). https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i11.19082
Seção
Artigos