Digerir, transformar

Cruz e Sousa e Baudelaire, Baudelaire e Cruz e Sousa

  • Francine Ricieri Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Palavras-chave: Cruz e Sousa. Charles Baudelaire. Recepção crítica. Simbolismo no Brasil

Resumo

Mais do que constatar a presença de Charles Baudelaire nos projetos poéticos de Cruz e Sousa, o objetivo deste texto é explorar alguns dos caminhos por meio dos quais a recepção crítica ao poeta brasileiro abordou aquela presença. Desde alguns leitores de primeira hora até trabalhos que se tornaram referência nos estudos do poeta brasileiro, Charles Baudelaire tem aparecido como um dos poetas (certamente o mais nítido) em relação aos quais a poética de Cruz e Sousa se configura: uma poética que encontra sua dicção no diálogo. Para além de definir quais seriam os termos em que se deram tais diálogos, ou, ao menos, de definir em quais termos a recepção crítica os teria interpretado, o que se pergunta, no texto, é de qual Baudelaire poderiam estar tratando os interlocutores considerados. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francine Ricieri, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Professora da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Referências

AMARAL, Glória Carneiro. Cruz e Sousa, leitor de Baudelaire. In: Travessia: Revista do Curso de Pós-Graduação em Letras, n◦. 26, UFSC, Florianópolis, 1993, p. 127-136.
ANTELO, Raúl. Leituras sincrônicas: Cruz e Sousa em Jaimes Freyre. In: Boletim Bibliográfico Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo, v. 49, n◦. 1/4, p. 165, jan./dez. 1988. p. 165- 175.
BAUDELAIRE, Charles. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.
BARRETO, Paulo (João do Rio). Momento literário. Rio de Janeiro: Garnier, 1905.
BASTIDE, Roger. A poesia afrobrasileira. São Paulo: Martins Fontes, 1943.
BORGES, Jorge Luís. Prólogo a LUGONES, Leopoldo. El império jesuítico. Buenos Aires, Hyspamérica, 1985.
CAMINHA, Adolfo. 1893. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 1893. In: CAROLLO, Cassiana Lacerda. Decadismo e simbolismo no Brasil: crítica e poética. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; Brasília / INL, 1980. pp. 181 - 187.
CAPOBIANCO, Juan Marcello. Cruz e Sousa em 1893: a incompreensão crítica de Missal e Broqueis. Revista Philologus, v. 58, p. 308-318, n. 2014.
JAIMES FREYRE, Ricardo. Letras Brasileiras: Cruz e Sousa. (Conferência leída en El Ateneo de Buenos Aires el 28 de agosto de 1899). El Mercurio de America, n◦. 3, Buenos Aires, set.-out. 1899. p. 83.
MELLO, Jefferson Agostini Mello. Um poeta simbolista na República Velha: literatura e sociedade em Missal de Cruz e Sousa. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.
PORTELLA, Eduardo. Nota prévia a Cruz e Sousa. In: COUTINHO, Afrânio. Cruz e Sousa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1979. Coleção Fortuna Crítica. (Transcrito de: Cadernos Brasileiros, Rio de Janeiro, 1961)
RABELLO, Ivone Daré. Um canto à margem: uma leitura da poética de Cruz e Sousa. São Paulo: Nankin/Edusp, 2006.
ROMERO, Sílvio. Evolução do lirismo brasileiro. Recife : J. B. Elbrock, 1905.
TORRES, Marie-Hélène Catherine Torres. Cruz e Sousa e Baudelaire: satanismo poético. Florianópolis: Editora da EDUSF, 1998.
RUPRECHT, Hans-George. Die epidemia baudeleriana in: Mexico und der Zweite Kontinuitätsbruch in der Geschichte der mexikanischen Lyrik. Beitraegefzur romanischen Philologie. Berlin 11 (2): 102, june 1974, p. 251).
Publicado
2018-05-18
Como Citar
RicieriF. (2018). Digerir, transformar. Revista XIX, 2(5), 141-154. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaXIX/article/view/21830