Fourmillante cité na poesia de Baudelaire

  • Marcos Antonio de Menezes Universidade Federal de Goiás (UFG)
Palavras-chave: Cidades. Literatura. Baudelaire. Arte moderna

Resumo

Baudelaire, ao perscrutar a cidade impôs um estilo para a compreensão da “arte moderna”. É nos Tableaux parisiens — nos seus quadros de Paris — que ele melhor deixa transparecer todo o brilho de sua modernidade. Sua leitura da cidade e da multidão, que desfilava por suas ruas, cria seguidores. Walter Benjamin ao ler o poeta de Les Fleurs du Mal teoriza sobre os efeitos produzidos, na vida das pessoas, pelo crescimento urbano. Os escritos destes dois homens são a base de entendimento, que boa parte, das ciências humanas sobre o fenômeno do agigantamento das cidades modernas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Antonio de Menezes, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Professor da Universidade Federal de Goiás (UFG)

Referências

BARTHES, Roland. A aventura semiológica. Lisboa: Edições 70, 1992.
BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. 5. ed. Tradução e notas Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
BENEVELO, Leonardo. História da arquitetura moderna. São Paulo: perspectiva,1988.
BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. 3. ed. Obras Escolhidas, Vol. II. São Paulo: Brasiliense, 1994.
CARPEAUX, Otto Maria. História da literatura ocidental. V. 07. São Paulo: Leya, 2012.
FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. São Paulo: Duas Cidades, 1991.
GIJON, Eduardo Fernandes. Walter Benjamín: iluminación mística e iluminación profana. Valladolid: Universidad de Valladolid, 1990.
JAMESON, Fredric. O inconsciente político: a narrativa como ato socialmente simbólico. São Paulo: Ática, 1992.
NASCIMENTO, Roberta Andrade do. Charles Baudelaire e a arte da memória. Alea, v. 7, n. 1, p. 49-63, jun. 2005.
ORTIZ, Renato. Cultura e modernidade. São Paulo: Siciliano, 1991.
SHORSKE, Carl. A cidade segundo o pensamento europeu: de Voltaire a Spengler. Espaço & Debates, n. 27, São Paulo, 1989, p. 47.
SIMEL, George. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otavio Guilherme (org). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973, p. 11-25.
TROYAT, Henri. Baudelaire. São Paulo: Scrita, 1995.
Publicado
2018-05-18
Como Citar
Menezes, M. A. (2018). Fourmillante cité na poesia de Baudelaire. Revista XIX, 2(5), 58-70. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaXIX/article/view/21823