POR QUE OCUPAR? RESISTÊNCIA, CONTRACONDUTA E PROTAGONISMO ESTUDANTIL

José Luís Schifino Ferraro

Resumo


O presente ensaio tem como objetivo discutir o movimento de ocupações de escolas da rede pública do Brasil ocorridos no final do ano de 2015 e no início do ano de 2016 à luz da filosofia de Michel Foucault. Ao tomar como referências reportagens de jornais que acompanharam o dia a dia das ocupações - para contextualização do cenário - e da obra de Foucault para analisar tais ações protagonizadas pelos estudantes, pretendeu-se identificar elementos apontados pelo filósofo francês como importantes para o debate em torno da temática da governamentalidade. Resistência e contraconduta são dois conceitos que serão observados e discutidos ao longo desse trabalho em uma tentativa de legitimar o direito que alunos e professores têm em reivindicar uma educação pública de qualidade.


Palavras-chave


escolas; ocupação; resistência; contraconduta; protagonismo estudantil

Texto completo:

PDF


 

 

Licença Creative Commons
A Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação (RESAFE) é licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial 3.0 Unported.
Based on a work at seer.bce.unb.br.