A TEORIA CRÍTICA DA SOCIEDADE E A EDUCAÇÃO PARA A FORMAÇÃO HUMANA: PONTUAÇÕES PARA SE REPENSAR OS PROCESSOS FORMATIVOS NA PERSPECTIVA EMANCIPATÓRIA

  • Estelamaris Brant Scarel
Palavras-chave: Teoria Crítica, Educação, Formação, Emancipação

Resumo

As análises elaboradas pelos pensadores frankfurtianos Adorno e Horkheimer, a partir da obra “Dialética do Esclarecimento” (1985), com referência à promessa de iluminação da razão, que, contraditoriamente, transformou-se em um malogro, em virtude de as relações entre os homens em sociedade pautarem-se pelo viés da racionalidade científico-instrumental, levaram o presente texto a deter-se em três objetivos específicos. Primeiramente, ele procura trazer à tona alguns elementos fundamentais contidos na obra acima aludida, os quais possibilitam o entendimento de que a limitação da filosofia pela sua rendição à ciência se deve, principalmente, à fragilização da capacidade reflexiva. Em segundo lugar, busca fazer uma aproximação aos conceitos de educação, formação e experiência formativa, tentando, simultaneamente, apreender os nexos que conduziram à ruptura, na modernidade, entre sujeito e objeto, universal e particular, teoria e práxis. Em terceiro e último lugar, põe em relevo os desafios postos à educação contemporânea no que concerne à premência de ela recuperar o processo formativo, mediante o desenvolvimento de uma educação para a experiência, por conseguinte, para a emancipação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor W. “La actualidad de la filosofia”. In: ______. Actualidad de la filosofia. Barcelona: Paidós Ibérica: Instituto de Ciências de la Educación: Universidad Autónoma de Barcelona, 1991a, p. 73-102 (Colección Pensamiento Contemporáneo; v. 18).

______. “La ideia de historia natural”. In: ______. Actualidad de la filosofia. Barcelona: Paidós Ibérica: Instituto de Ciências de la Educación: Universidad Autónoma de Barcelona, 1991b, p. 103-134 (Colección Pensamiento Contemporáneo; v. 18).

______. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

______. Escritos sociológicos I. Madrid: Akal, 2004 (Obra Completa; v. 8).

_____. Dialética negativa. Trad. Marco Antônio Casanova. rev. téc. Eduardo Soares Neves Silva. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

BENJAMIN, Walter. “Experiência e pobreza”. In: Magia, técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras Escolhidas; v. 1).

BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. Trad. Wantensir Dutra. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. 25. ed. Petrópolis: Vozes, v. 1, 2013.

FREUD, Sigmund. “Além do princípio do prazer (1920)”. In: ______. História de uma neurose infantil (“o homem dos lobos”): além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 161-239 (Coleção Obras Completas; v. 14).

HORKHEIMER, Max. “Teoria tradicional e teoria crítica”. In: ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Textos escolhidos. Trad. Zeljko Loparić et al. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991a. p. 31-68 (Coleção Os Pensadores; v. 16).

______. “Filosofia e teoria crítica”. In: ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Textos escolhidos. Trad. Zelko Loparić et al. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991b. p. 69-75.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Trad. Valerio Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Coleção Os Pensadores).

______. “Resposta à pergunta: o que esclarecimento (Aufklärung)?” In: Textos seletos. Trad. Floriano de Sousa Fernandes. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2005, p. 63-71.

LAPLANCHE, Jean; PONTALIS, Jean-Bertrand. Vocabulário da psicanálise. 4. ed. Trad. Pedro Tamen. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MARCUSE, Herbert. Ideologia da sociedade industrial. Trad. Giasone Rebuá. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

______. “Industrialização e capitalismo na obra de Marx Weber”. In: Cultura e sociedade. Trad. Wolfgang Leo Maar, Isabel Maria Loureiro, Robespierre de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, v. 2, 1968. p. 113-136.

MARX, Karl. O capital. Trad. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988 (Coleção Os Economistas; v.1).

______. Manuscritos econômico-filosóficos. Trad. apres. e notas Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2010.

SCAREL, Estelamaris Brant. Dilemas inerentes ao potencial formativo entre conhecimento e dialética negativa. Goiânia, 2016. 158f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Goiás.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 7. ed. São Paulo: Pioneira, 1989.

Publicado
2018-12-21
Seção
Dossiê: "Teoria Crítica e Educação na atualidade: olhares plurais"