A Economia Solidária como um Instrumento de giro Decolonial do saber Econômico Capitalista

  • Thiago Moreira de Carvalho Universidade de Brasília
  • Luiz Guilherme de Oliveira Universidade de Brasília
  • Mariana Lima Cruz de Almeida Universidade de Brasília
  • Polliana Cristina Oliveira de Carvalho Universidade de Brasília
Palavras-chave: giro decolonial, economia solidária, colonialidade do saber, capitalismo

Resumo

O capitalismo influencia as formas de produção, estruturas sociais e relações humanas da nossa sociedade. A colonialidade do saber econômico reproduz e submete aos subalternos suas perspectivas, seus objetivos, estruturas e dinâmicas. Assim, a proposta deste trabalho é sugerir o desenvolvimento da economia solidária como alternativa de produção do saber econômico, com a finalidade de promover conhecimentos e práticas que possibilitem um giro decolonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Moreira de Carvalho, Universidade de Brasília

 Doutorando em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília (UnB), Mestre em Agronegócios pela Universidade de Brasília (UnB), possui graduação em Direito e Psicologia pelo Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB). Foi professor do Curso de Gestão em Agronegócios/UnB e atualmente é professor do Curso de Direito da Universidade Católica de Brasília/UCB e Faculdade Projeção/FAPRO. Consultor Jurídico da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Sindicato dos Avicultores do Distrito Federal (Sindiaves\DF). Advogado Chefe do Escritório Oliveira e Carvalho Advocacia.

Luiz Guilherme de Oliveira, Universidade de Brasília

Economista. Pós doutorado École des Hautes Études en Science Sociales (EHESS, Paris/França), 2015. Pós doutorado Columbia University - School of International and Public Affairs (SIPA, Nova Iorque/EUA), 2011. Doutor em Política Científica e Tecnológica (DPCT/Unicamp), 2005. Mestre em Economia (PUC/SP), 1998. Professor Associado II da Universidade de Brasília (UnB). Professor Visitante na Columbia University - SIPA (School of International and Public Affairs) - Cátedra Ruth Cardoso NYC/EUA, 2012. Pesquisador do Centro de Estudos Avançados de Governo e Administração Pública (CEAG-UnB). Foi bolsista da Fapesp, Capes, CNPq e Comissão Fulbright.

Mariana Lima Cruz de Almeida, Universidade de Brasília

 Possui graduação em Ciências Sociais - Licenciatura pela Universidade de Brasília (2011) e graduação em Ciências Sociais com habilitação em Antropologia pela Universidade de Brasília (2011). Foi assistente de pesquisa I do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - DF, no projeto de pesquisa II Pesquisa Nacional do Pronera (Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária). Concluiu o Curso de Pós-Graduação - Residência Agrária em Direitos Sociais do Campo, na UFG, campus de Cidade de Goiás. Atuou na Assessoria Técnica, Social e Ambiental a Assentamentos da Reforma Agrária, com ênfase em construção de Planos de Desenvolvimento. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil e Educação Libertária. Tem experiência na área de comunicaçao e educação, atuando principalmente na produção coletiva de mídia (rádio, video e texto). Atua nos seguintes temas: corpo, arte e técnica, infância, questão agrária e gênero.

Polliana Cristina Oliveira de Carvalho, Universidade de Brasília

Mestre em Letras. Bacharel em Direito e Letras. Advogada e professora.

Referências

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política. 2013, n.11, pp. 89-117 BRASIL, MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. O que é economia solidária? 2014. Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/ecosolidaria/o-que-e-economiasolidaria.htm>. Acesso em 14 de abril de 2015 CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Decolonizar la universidad. La hybris del punto cero y el diálogo de saberes. In: El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global / compiladores Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel. – Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (Ed.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Siglo del Hombre Editores, 2007. CUNHA, Manuela Carneiro da. Populações tradicionais e a Convenção da Diversidade Biológica. Estudos Avançados, 13(36) pp.147-163. DE MELO LISBOA, Armando. Economia solidária e autogestão: imprecisões e limites. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 3, p. 109-115, 2005. DE FRANÇA FILHO, Genauto Carvalho de. Terceiro setor, economia social, economia solidária e economia popular: traçando fronteiras conceituais.Bahia Análise & Dados, v. 12, n. 1, p. 9-19, 2002. DE FRANÇA FILHO, Genauto Carvalho; LAVILLE, Jean-Louis. Economia solidária: uma abordagem internacional. UFRGS Editora, 2004. DUBEUX, Ana; MEDEIROS, Alzira; VILAÇA, Mônica; SANTOS, Shirley. A construção de conhecimento em economia solidária: Sistematização de experiências no chão de trabalho e da vida no Nordeste. Pernambuco: F&A Gráfica e Editora Ltda, 2012. DUPAS, Gilberto. O mito do progresso. Editora Unesp, 2006. DUSSEL, Enrique. Introducción a una filosofía de la liberación latinoamericana, (II e III) 2000.

DUMONT, Louis. O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna.1985[1983]. Rio de Janeiro: Rocco. ESCOBAR, Arturo. La invención del Tercer Mundo. Construcción y deconstrucción del desarrollo. Bogotá: Editorial Norma. 1996 (47 a 100). GARCÉS, Fernando. Las políticas del conocimiento y la colonialidad lingüística y epistémica. : El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global / compiladores Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel. – Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. GATTAI, Silvia. As competências dos empreendedores solidários: estudo com catadores em cooperativas de coleta e tratamento de resíduos sólidos em São Bernardo do Campo. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 2014. GROSFOGUEL, Ramón. Hacia um pluriversalismo transmoderno decolonial. Tabula Rasa, n.9, julho-dezembro, 2008. ______. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, 2008. GARCÉS, Fernando. Las políticas del conocimiento y la colonialidad lingüística y epistémica.In: El giro decolonial Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. 2007. Bogotá, Siglo del Hombre Editores. MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: El giro decolonial: refl exiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global / compiladores Santiago Castro-Gómez y MAUSS, Marcel. Ensaio sobre o Dom. In: Antropologia e Sociologia. 2003[1925]. São Paulo: Cosac Naif. _____________. Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a de “eu”. In: Antropologia e Sociologia. 2003[1938]. São Paulo: Cosac Naif. MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistemica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008. NEAMTAN, Nancy. The social and solidarity economy: towards an „alternative‟globalisation. In: Background paper prepared for the symposium Citizenship and Globalization: Exploring Participation and Democracy in a Global Context. 2002. p. 14-16. OLIVEIRA, Paulo de Salles. Entrevista. Estudos Avançados, vol. 22, nº 62. Jan-abril - São Paulo, 2008. PONTES, S.; TAVARES, M. A Universidade Federal da Integração Latino Americana (UNILA): um estudo da inclusão da diversidade epistemológica numa perspectiva não hegemônica. Congreso Iberoamericano de Ciencia, Tecnología, Innovación y Educación, 2014. QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad del Poder, Eurocentrismo y América Latina”. En: Edgardo Lander (ed.). La colonialidad del saber. Eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, CLACSO. 2000. RETOUR, Didier; KROHMER, Cathy. A competência coletiva: uma relação-chave na gestão das competências. RETOUR, D. et al. Competências coletivas: no limiar da estratégia. Porto Alegre: Bookman, p. 45-78, 2011. RODRÍGUEZ, Ileana. “Subalternismo”. Diccionario de Estudios Culturales Latinoamericanos. Mónica Zsurmuck, Robert Mckee (coord.). México: Siglo XXI editores, 2009. SANTOS, Antônio Bispo dos. Colonização, Quilombos. Modos e significações. 2015. Brasília: INCTi. SARAIVA, Regina Coelly Fernandes; DA SILVA CRUZ, Tânia Cristina. A cultura, os saberes e a tradição no arranjo da economia solidária ambiental.Cadernos de Agroecologia, v. 9, n. 3, 2014. SINGER, Paul. Finanças solidárias e moeda social. FELTRIM, Luiz E.; VENTURA, Elvira CF; DOLD, Alessandra Von B. Projeto inclusão financeira. Brasília: Banco Central do Brasil, 2009. ______. Introdução à economia solidária. 1ª ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002. SHIVA, Vandana. Monoculturas da mente. São Paulo: Gaya. 2002. TIBURCIO, Breno Aragão; VALENTE, Ana Lucia EF. O comércio justo e solidário é alternativa para segmentos populacionais empobrecidos? Estudo de caso em Território Kalunga (GO). Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 45, n. 2, p. 497-519, 2007. WALSH, Catherine. Interculturalidad y colonialidad del poder. Un pensamiento y posicionamiento “otro” desde la diferencia colonial. In: El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global / compiladores Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel. – Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007

Publicado
2018-12-20
Seção
Artigos