Sistemas de pagamento por serviços ambientais

uma possibilidade para os produtores de cactáceas de Picuí-PB

  • Aldenir Gomes Assis Universidade Federal da Paraíba
  • Márcia Batista Fonseca Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Degradação;, Pagamento por Serviço Ambiental;, Cactáceas

Resumo

Na microrregião do Seridó Oriental paraibano o processo de desertificação atingiu 73,5% do território. O município de Picuí (PB) está entre os que apresentam um grau muito alto de desertificação e as ações antrópicas nocivas agravam ainda mais a situação. Nesse contexto, a agricultura familiar em conjunto com políticas públicas, a exemplo do Pagamento por Serviço Ambiental (PSA), pode contribuir para mitigar esse processo. Este trabalho tem o objetivo de identificar o grau de interesse dos agricultores familiares produtores de cactáceas em receber PSA para manutenção e conservação dos serviços ambientais no município de Picuí (PB). Este é um estudo de caso de análise qualitativo-descritiva, com o uso da escala Likert. Os resultados mostraram que os agricultores atribuem, em sua maioria, grande importância aos serviços ambientais, especialmente à qualidade da água. Quanto ao interesse em aderir ao PSA, 50,0% dos entrevistados demonstraram grande interesse e 34,6% interesse médio alto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, G. S.; ROCHA, J. G. A desertificação no município de Picuí-PB: o Geoprocessamento aplicado a um diagnóstico ambiental. In: CONGRESSO DE PESQUISA E INOVAÇÃO DA REDE NORTE NORDESTE DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA, 2, 2007, João Pessoa. Anais...João Pessoa: CONNEPI, 2007.

CASTRO, C. N. A agricultura no Nordeste brasileiro: oportunidades e limitações ao desenvolvimento. Rio de Janeiro: IPEA, 2012. 48 p. (Texto para Discussão, n. 1786).

COSTA, T. C. C.; OLIVEIRA, M. A. J.; ACCIOLY, L. J. O.; SILVA, F. H. B. B. Análise da degradação da caatinga no núcleo de desertificação do Seridó (RN/PB). Rev. Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 13, p. 961-974, 2009.

FRANCISCO, P. R. M.; PEREIRA, F. C.; MEDEIROS, R. M.; SÁ, T. F. F.; SILVA, J. V. N. Zoneamento de risco climático e aptidão de cultivo para o município de Picuí-PB utilizando sistema de informação geográfica. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS GEODÉSICAS E TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO, 4, 2012, Recife. Anais...Recife, 2012. p.1 - 6.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. – 6 ed. – 5. Reimpr. – São Paulo: Atlas, 2012. Revista dos Estudantes de Públicas • v2 n. 1. 2017 • p. 67 - 88.

KAWAICHI, V. M. Uma análise das políticas públicas ambientais dos países e a adoção do Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 2009. 91 f. Monografia (Graduação em Economia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MATTOS, L. Capital social na concepção de políticas públicas: a importância socioeconômica e ecológica dos sistemas agroflorestais frente aos mecanismos de desenvolvimento. Campos dos Goytacazes, RJ: Universidade Estadual do Norte Fluminense, 2006. p. 343-365.

MENEZES, R. S. C.; SIMÕES, D. A. SAMPAIO, E. V.S. B. A palma no Nordeste do Brasil: conhecimento atual e novas perspectivas de uso. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2005. 258 p.

MMA. Pagamentos por Serviços Ambientais na Mata Atlântica: lições aprendidas e desafios. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2011.

OLIVEIRA, K. D.; ALMEIDA, K. L.; T. L. BARBOSA. Amostragens Probabilística e Não Probabilística: técnicas e aplicações na determinação de amostras. Jerônimo Monteiro, 2012.

PACKER, L. Pagamento por “Serviços Ambientais” e flexibilização do Código Florestal para um capitalismo “verde”. Curitiba, PR: Terra de Direitos, 2011.

PAE-PB. Programa de ação estadual de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca no estado da Paraíba. João Pessoa, 2011. 158 p.

PEREIRA, F. C. Metodologia para recuperação de áreas degradadas no semiárido da Paraíba utilizando xique-xique (Pilosocereus gounellei) e a macambira (Bromelia laciniosa). 2010. 105 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Naturais) – Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2010.

PEREIRA, F. C.; UYEDA, C. A.; LIMA, A. K. V. O.; FRANCISCO, P. R. M.; SILVA, C. R.;MOREIRA, A. A. D. Índice de sobrevivência de Opuntia fícus indica L. (Mill) CACTACEAE em áreas degradadas do Seridó Paraibano. In: CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO, 7., 2013, Palmas. Anais...Palmas: CONNEPI, 2013.

PINDYCK, R. S.; RUBINFELD, D. L. Microeconomia – 7ª Ed. São Paulo: Pearson, 2010.

SANTOS, P. (Org.); BRITO, B.; MASCHIETTO, F.; OSÓRIO, G.; MONZONI, M. Marco regulatório sobre Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. Belém, PA: IMAZON; FGV. CVces, 2012.

SHIKI, S.; SHIKI, S. Os desafios de uma política nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais: lições a partir do caso do Proambiente. Sustentabilidade em Debate, Brasília, v. 2, n. 1, p. 99-118, 2011.

SILVA, E. P. Estudo da Vulnerabilidade Sócio-Econômico-Ambiental e os Riscos a Desastre Enos (El Niño Oscilações Sul) no Município de Picuí-Paraíba. Dissertação de Mestrado: Departamento de Engenharia Agrícola, UFPB, 2002.

SOUSA, S. M. S. das Chagas. Relações entre vegetação, relevo, fertilidade do solo e matéria orgânica em bacia hidrográfica de região semi-árida./ Sebastiana Maely Saraiva das Chagas Sousa. – Areia, PB: PPGMSA/CCA/UFPB, 2006. 64f.: il.

WUNDER, S. Payments for environmental services: some nuts and bolts. CIFOR Occasional Paper, n. 42, 2005. 24 p.

WUNDER, S.; BÖRNER, J.; TITO, M. R.; PEREIRA, L. Pagamentos por serviços ambientais: perspectivas para a Amazônia Legal. – 2ª ed., rev. – Brasília: MMA, 2008. 144 p.

ZANELLA, L. C. H. Metodologia de estudo e pesquisa em Administração. – 2. ed. reimp. – Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC, 2012. 160 p.

GRITO DA AMAZÔNIA. Disponível em: . Acessoem: 02 dez. 2014.

IBGE Cidades. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=251140>
Acesso em: 20 nov. 2014.

LEGISLAÇÃO ESTADUAL PSA. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2014.
Publicado
2018-02-01
Seção
Artigos