CONSCIÊNCIA COMO PRÉ-REQUISITO PARA CIÊNCIA E RELIGIÃO

  • CHARLES TALIAFERRO St. Olaf College
Palavras-chave: Naturalismo; teismo; consciência; Daniel Dennett; Jaegwon Kim; John Searle; Wesley Wildman; Herman Philipse.

Resumo

Filosoficamente, a principal preocupação hoje é a de como conciliar a compreensão de senso comum de nós mesmos como agentes intencionais, conscientes, com uma visão naturalista do cosmos, segundo o qual o cosmos é não-teleológico, não-intencional, e consistindo de processos não mentais. Uma estratégia, para os naturalistas, tem sido negar a compreensão de nós mesmos própria do senso comum. Neste ensaio, a realidade da consciência, da intencionalidade, é afirmada como sendo mais certa do que a existência e a natureza dos objetos e eventos físicos independentes da mente. Os filósofos, que em nome da ciência, procuram eliminar a consciência não percebem que não pode haver ciência sem cientistas, seres conscientes e intencionais. O reconhecimento da primazia da consciência bloqueia uma estratégia naturalista, levando-nos a considerar explicações não-naturalistas como o teísmo e como algumas das objeções ao teísmo podem ser combatidas, uma vez reconhecida a robusta realidade da consciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DENNET, D.(2006) Breaking the Spell : Religion as a Natural Phenomenon. New York: Viking.

DENNET, D. (1991) Consciousness Explained. New York City: Little, Brown.

DENNET, D. (2017) From Bacteria to Back and Back: The Evolution of Minds. New York: Norton.

GALLAGHER, S., AND ZAHAVI, D. (2012) The Phenomenological Mind. 2nd ed. London; New York: Routledge.

KIM, J. (1996) Philosophy of Mind. Dimensions of Philosophy Series. Boulder, Colo.: Westview Press.

KIM, J.(2007) Physicalism, or Something Near Enough. Princeton: Princeton University Press.

KLEIN, S. (2015) “A Defense of Experimental Realism: The Need to Take Phenomological Reality on Its Own Terms in the Study of the Mind.” Psychology of Consciousness: Theory, Research, and Practice, 2:1. Washington D.C.: American Psychological Association.

SEARLE, J. (2013) Freedom and Neurobiology: Reflections on Language, Free Will, and Political Power.New York: Columbia University Press.

SOBER, E. (2000) The Philosophy of Biology, 2nd ed. Boulder CT: Westview.

PHILIPSE, H. (2012) God in the Age of Science?: A Critique of Religious Reason. Oxford: Oxford University Press

Publicado
2018-08-09
Como Citar
TALIAFERROC. (2018). CONSCIÊNCIA COMO PRÉ-REQUISITO PARA CIÊNCIA E RELIGIÃO. Revista Brasileira De Filosofia Da Religião, 4(2), 9 - 24. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/rbfr/article/view/11148