Reflexões sobre a interrupção da gestação de feto anencéfalo

  • Ivan Baraldi Universidade Federal de Santa Catarina
  • Nilza Diniz Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Anencefalia. Autonomia. Saúde. Antecipação terapêutica do parto.

Resumo

A anencefalia é uma anomalia fetal grave e incompatível com a vida extra-uterina. O artigo versará sobre esta malformação e as conseqüências ocasionadas na vida da gestante, baseando-se na inexistência de vida fetal em potencial, que torna lícita a interrupção da gravidez. O procedimento realizado neste caso denomina-se antecipação terapêutica do parto, não se confundindo, de maneira alguma, com o abortamento. Serão destacadas as distinções entre os dois institutos, assim como se tratará da questão da anencefalia, evidenciando seu caráter letal. Procura-se de igual maneira enfatizar as maiores possibilidades de risco à saúde da mulher em gestações deste tipo. Também serão tecidas considerações sob o enfoque ético, no que se refere à vida humana, ser humano e pessoa, discutindo a antecipação terapêutica do parto de feto inviável com base em premissas de ordem moral. Objetiva-se, desse modo, demonstrar a necessidade de garantir a autonomia da gestante de feto anencefálico, no sentido de que, após a reflexão e discussão com seus pares, somente a ela deva caber a decisão de interromper ou não a gravidez diante do diagnóstico da malformação fetal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Baraldi, Universidade Federal de Santa Catarina

(UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Nilza Diniz, Universidade Estadual de Londrina

(UEL), Londrina, Paraná, Brasil.

Referências

Brasil. Brasil. Código civil brasileiro. Curitiba/PR, Câmara Municipal de Curitiba, Diretoria de Informática, 10 de janeiro de 2002. Disponível em: http://www.cmc.pr.gov.br/down/ccivil.pdf. Acesso em: 16/10/2007.

Brasil. Código penal. Legislação brasileira. São Paulo: Saraiva, 42 a edição, 2004.

Hungria N. Comentários ao código penal, Vol. V. Rio de Janeiro: Companhia Editora Forense, 1958.

Diniz D, Ribeiro DC. Aborto por anomalia fetal. Brasília: Letras Livres, 2004.

Becker MA. Anencéfalo: um natimorto cerebral. In: Diniz D, Paranhos F (orgs.). Anencefalia: o pensamento brasileiro em sua pluralidade. Brasília: Anis, 2004. p. 32-3.

Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM no 1.480, de 8 de agosto de 1997. A morte encefálica será caracterizada através da realização de exames clínicos e complementares durante intervalos de tempo variáveis, próprios para determinadas faixas etárias. Revoga-se a Resolução CFM no 1.346/91. Diário Oficial da União; Poder Executivo, Distrito Federal, no 160, 21 ago. 1997. Seção 1, p. 18.227-8. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/ resolucoes/cfm/1997/1480_1997.htm. Acesso em: 17/5/2007.

Pinotti JA. Anencefalia. ADV – Advocacia dinâmica. Boletim Informativo Semanal no 48, dezembro de 2004, p. 741.

Diniz D, Paranhos F. (orgs.) Op.cit, 2004.

Gollop T. Riscos graves à saúde da mulher. In: Diniz D, Paranhos F (orgs.). Op.cit, 2004. p. 27-8.

Andalaft J. O fim da peregrinação. In: Diniz D, Paranhos F (orgs.). Op.cit, 2004. p. 30-31.

Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia. Anencefalia e Su- premo Tribunal Federal. Brasília: Letras Livres, 2004.

Singer P. Ética prática. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

Kottow M. Bioética del comienzo de la vida. Cuántas veces comienza la vida humana? Bioética 2001, 9(2): 25-41.

Como Citar
Baraldi, I., & Diniz, N. (1). Reflexões sobre a interrupção da gestação de feto anencéfalo. Revista Brasileira De Bioética, 3(2), 170-190. https://doi.org/10.26512/rbb.v3i2.7923
Seção
Artigos Originais