A disciplina bioética

  • Maria Guerra Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Disciplina bioética. Ética prática. Direitos Humanos. Paradigma de Complexidade.

Resumo

A bioética possui hoje várias acepções. O presente artigo, ao mesmo tempo em que analisa diversas definições propostas para a bioética, a caracteriza como disciplina. Além disso, o texto objetiva identificar suas especificidades, conteúdos e metodologia, bem como mapeia seus domínios e identifica os territórios da sua aplicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Guerra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Universidade Potiguar,

Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Referências

Lepargneur FH. Bioética. Novo conceito – a caminho do consenso. São Paulo: Edições Loyola, 1996. p. 19.

Schneider JF, Camargo WA. A linguagem no contexto da bioética: contribuições da hermenêutica filosófica. O Mundo da Saúde 2002; 26 (1): 128.

Sádaba J. Origen, concepto y sujeto de la bioética. Barcelona: Universität de Barcelona 2003. p. 5.

Bobbio N. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992. p. 6.

Casado M. Los derechos humanos como marco para la bioética. Barcelona: Universität de Barcelona 2003. p. 6.

Garrafa V. Questões sobre bioética. Fórum de Bioética do Superior Tribunal de Justiça. Brasília: STJ 2000. p. 2.

Guerra MM. É possível uma bioética humanista? In: Almeida MC, Kno- bb M, Almeida AM. (orgs.) Polifônicas idéias. Porto Alegre: Sulina, 2003. p. 80-4.

Engelhardt T. Fundamentos da bioética. São Paulo: Edições Loyola, 1998. p. 31.

Buxó MJ. Bioética y antropologia: relativismo cultural. Barcelona: Universität de Barcelona 2003. p. 6.

Habermas J. Escritos sobre moralidad y eticidad. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica S.A., 1998. p. 76.

Sádaba. Op. cit. 2003. p. 2.

Engelhardt T. Op. cit. 1998. p. 32.

Habermas. Op. cit. 1998. p. 68.

Foucault M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2003. p. 30.

Morin E. Educação e complexidade – os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez Editora, 2002. p. 37.

Garrafa V, Porto D. Bioética, poder e injustiça: por uma ética de intervenção. In: Garrafa V, Pessini L. (orgs.) Bioética, poder e injustiça. São Paulo: Edições Loyola 2003. p. 36.

Morin E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996. p. 177.

________. Op. cit., p. 192.

Lepargneur, Op. cit., p. 29.

Casado M. Las implicaciones éticojurídicas de la biotecnología y la biomedicina. Barcelona: Universität de Barcelona, 2003. p. 10.

Marín ML. Concepto y función de los Derechos Humanos. Barcelona: Universität de Barcelona, 2003. p. 5.

Como Citar
Guerra, M. (1). A disciplina bioética. Revista Brasileira De Bioética, 3(2), 157-169. https://doi.org/10.26512/rbb.v3i2.7921
Seção
Artigos Originais