(Bio)Ética e (Bio)Tecnologia

  • Márcio Rojas Universidade de Brasília
  • Gabriele Cornelli Universidade de Brasília
Palavras-chave: Bioética. Biotecnologia. GURTs. Neutralidade da ciência. Progresso.

Resumo

A biotecnologia, de modo similar ao que ocorre com outras áreas do conhecimento, ao mesmo tempo em que pode gerar grandes benefícios, pode igualmente gerar grandes riscos. Em alguns casos, a condição que distingue o legítimo do ilegítimo é tão tênue que uma prática questionável do ponto de vista moral pode facilmente ser aceita por significativa parcela dos atores envolvidos. Diante desse cenário de tão especial interesse para a sociedade, este trabalho buscará investigar a relação entre a bioética e a biotecnologia, tendo por base a contribuição de reflexões sobre a inocuidade do conhecimento, a neutralidade da ciência, a convergência na racionalidade epistêmica e o progresso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Rojas, Universidade de Brasília

Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Gabriele Cornelli, Universidade de Brasília

Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Referências

Oliveira LA. Biontes, bióides e borgues. In: Novaes A, organizador. O Homem-máquina: a ciência manipula o corpo. São Paulo: Companhia das Letras; 2003.

Romano R. Moral e ciência, a monstruosidade no século XVIII. São Paulo: Editora SENAC; 2003.

United Nations Environment Programme. Convention on Biological Diversity. Subsidiary Body on Scientific, Technical and Technological Advice [internet]. Recommendation IV/5: Consequences of the use of the new technology for the control of plant gene expression for the conservation and sustainable use of biological diversity. Montreal/CA; 21-25 Jun. 1999. Disponível em: http://www.cbd.int/recommendation/sbstta/?id=7015

Koyré A. Estudos de história do pensamento científico. Rio de Janeiro: Edi- tora Forense Universitária; 1991.

Rossi P. O nascimento da ciência moderna na Europa. Bauru: Editora EDUSC; 2001.

Ribeiro RJ. Novas fronteiras entre natureza e cultura. In: Novaes A, organizador. O Homem-máquina: a ciência manipula o corpo. São Paulo: Companhia das Letras; 2003.

Mir L, organizador. Genômica. São Paulo: Editora Atheneu, 2004.

Assad ALD; Aucélio JG. Biotecnologia no Brasil – recentes esforços. In: Silveira JMFJ, Dal Poz ME e Assad ALD, organizadores. Biotecnologia e re-cursos genéticos, desafios e oportunidades para o Brasil. Campinas: Instituto de Economia / Financiadora de Estudos e Projetos; 2004.

Food and Agriculture Organization of the United Nations. Commission on Genetic Resources for Food and Agriculture. Towards a code of conduct for plant biotechnology as it affects the conservation and utilization of plant genetic resources. Rome: 14 Oct., 2002.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente [internet]. Diversidade biológica do Brasil - [acesso em 26/Set/2005]. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/ sbf/chm/biodiv/brasil.html

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento [internet]. Agronegócio brasileiro: uma oportunidade de investimentos - [acesso em 26/Set/2005]. Disponível em http://www.agricultura.gov.br/portal/page?_pa- geid=33,968707&_dad=portal&_schema=PORTAL

Martinson BC; Anderson MS; De Vries R. Scientists behaving badly. Nature. 2005; 435:737-738.

Garrafa V. Bioética e ciência – até onde avançar sem agredir. In: Costa SIF; Garrafa V; Oselka G, organizadores. Iniciação à bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina; 1998.

Maia AC. Biopoder, biopolítica e o tempo presente. In: Novaes A, organizador. O Homem-máquina: a ciência manipula o corpo. São Paulo: Companhia das Letras; 2003.

Siqueira JE. Ética e tecnociência. Londrina: Editora UEL; 1998.

Potter VR. Bioethics, Bridge to the future. New Jersey: Prentice-Hall; 1971.

Potter VR. Global bioethics, building on the Leopold legacy. Michigan: Michigan State University Press; 1988.

Jonas H. The imperative of responsibility: in search of an ethics for the technological age. Chicago: The University of Chicago Press; 1984.

Beecher HK. Ethics and clinical research. The New England Journal of Medicine. 1966; 16:1354-1360.

Olivé L. Epistemologia na ética e nas éticas aplicadas. In: Garrafa V; Kottow M; Saada A, organizadores. Bases conceituais da bioética, enfoque latinoamericano. São Paulo: Editora Gaia; 2006.

Kuhn TS. O Caminho desde a estrutura. São Paulo: Editora Unesp; 2003. 22. Feyerabend PK. Diálogos sobre o conhecimento. São Paulo: Perspectiva; 2008.

Bobbio N. Teoria geral da política. A filosofia política e as lições dos clássicos. Rio de Janeiro: Editora Campus; 2000.

Olivé L. El bien, el mal y la razón. Facetas de la ciencia y de la tecnología. México: Paidós; 2000.

Rossi P. Naufrágios sem espectador. A idéia de progresso. São Paulo: Editora UNESP; 2000.

Hume D. Tratado da natureza humana. São Paulo: Unesp/Imprensa Oficial; 2000.

Mayor F. Ciência e poder hoje e amanhã. In: Mayor F; Forti A. Ciência e poder. Campinas: Papirus; 1998.

Forti A. Introdução. In: Mayor F; Forti A. Ciência e poder. Campinas: Papirus; 1998.

Ferrarotti F. A Revolução industrial e os novos trunfos da ciência, da tecnologia e do poder. In: Mayor F; Forti A. Ciência e poder. Campinas: Papirus; 1998.

Schramm FR. Bioética e moralidade das biotecnologias. Rio de Janeiro: Interciência; 1999.
Como Citar
Rojas, M., & Cornelli, G. (1). (Bio)Ética e (Bio)Tecnologia. Revista Brasileira De Bioética, 6(1-4), 115-138. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/rbb/article/view/7847
Seção
Artigos de Atualização

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 3 > >>