O embrião nas fronteiras do humano: ser ou não ser humano, eis a questão

  • Cremildo Baptista Universidade Federal da Bahia
  • Camilo Manchola Castillo Universidade de Brasília
  • Volnei Garrafa Universidade de Brasília
Palavras-chave: Embrião humano. Moral. Bioética. Ética médica.

Resumo

Diante da evolução tecnocientífica na área biomédica, o embrião humano tem sido cercado por diferentes concepções e interesses. O objetivo deste trabalho é traçar um panorama de algumas das concepções existentes sobre o embrião humano na busca de ampliar as discussões sobre o seu estatuto moral. As diferentes tomadas de posição em relação ao embrião se sustentam em argumentos filosóficos e científicos. As justificativas para a consideração do embrião como pessoa humana se sustentam nas questões do direito à vida e dos valores morais contra a coisificação do embrião. A posição contrária alega que não há elementos metafísicos e nem éticos no embrião, não se podendo, portanto, outorgar-lhe o estatuto de pessoa humana. Apesar das concepções inconciliáveis, no futuro essas visões poderão ser reinventa- das de modo complexo em outros contextos socioecológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cremildo Baptista, Universidade Federal da Bahia

Bahia, Brasil.

Camilo Manchola Castillo, Universidade de Brasília

Cátedra Unesco / Programa de Pós-Graduação em Bioética da UnB,

Distrito Federal, Brasil

Volnei Garrafa, Universidade de Brasília

Cátedra Unesco / Programa de Pós-Graduação em Bioética da UnB,

Distrito Federal, Brasil.

Referências

Salem T. As novas tecnologias reprodutivas: o estatuto do embrião e a noção de pessoa. Mana [online]. 1997; 3(1): 75-94.

Teles NO. O Estatuto do Embrião Humano: algumas considerações bioéticas. Nascer e Crescer 2004; 13(1):53-56.

Cesarino LN. Nas fronteiras do “humano”: os debates britânico e brasileiro sobre a pesquisa com embriões. Mana 2007;13(2):347-80.

Singer P. Ética Prática. Jefferson Luiz Camargo (trad.) 3a Ed. São Paulo: Martins fontes, 2002.

Luna N. A personalização do embrião humano: da transcendência na biologia. Mana 2007;13(2):411-40.

Luna N. Fetos anencefálicos e embriões para pesquisa: sujeitos de direitos? Estudos Feministas, Florianópolis, maio-agosto/2009; 17(2): 307-333.

Warnock B. A ética reprodutiva e o conceito filosófico do embrião. In: Garrafa V & Pessini L (orgs). Bioética: poder e injustiça. São Paulo: Loyola; 2003. p.157-61.

Serrão D. O estatuto moral do embrião: a posição do conselho europeu. In: Garrafa, V. & Pessini, L. (orgs). Bioética: poder e injustiça. São Paulo: Loyola; 2003.p.147-55.

Neri D. Questões filosóficas na pesquisa e uso de células-tronco. Uma perspectiva européia. In: Garrafa V & Pessini L(orgs). Bioética: poder e injustiça. São Paulo: Loyola; 2003, p.1464-70.

Nogueira Filho LN. Estatuto ético do embrião humano. Revista Bioethicos, Centro Universitário São Camilo 2009;3(2):225-34.

Hug K. Therapeutic perspectives of human embryonic stem cell research versus the moral status of a human embryo – does one have to be compromised for the other?Medicina (Kaunas) 2006;42(2):107- 14.

Frydman R. Deus, a Medicina e o Embrião. Lisboa: Instituto Piaget D.L. 1999.

George RP, Gómez-Lobo A. The Moral Status of the Human Embryo. Perspectives in Biology and Medicine 2005;48(2): 201-210.

Chu G. Ethics in medicine: Embryonic stem-cell research and the moral status of embryos. Internal Medicine Journal, Nov 2003; 33(11):530-1

Silva S, Machado H. A compreensão jurídica, médica e “leiga” do embrião em Portugal: um alinhamento com a biologia? Interface - Comunic., Saude, Educ. jul./set. 2009;13(30):31-43.

Leite EO. Procriações artificiais e o direito: aspectos médicos, religiosos, psicológicos, éticos e jurídicos. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais; 1995.

Fagot-Largeault A. Embriões, células-tronco e terapias celulares: questões filosóficas e antropológicas. Estudos avançados 2004;18(51) 227-45.

Köhnke K. Surgimiento y auge del neokantismo. México: Fondo de Cultura Económica; 2012.

Engelhardt JrH. Fundamentos da Bioética. São Paulo: Loyola; 1998.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado; 1998.

Como Citar
BaptistaC., Manchola CastilloC., & GarrafaV. (1). O embrião nas fronteiras do humano: ser ou não ser humano, eis a questão. Revista Brasileira De Bioética, 10(1-4), 65-76. https://doi.org/10.26512/rbb.v10i1-4.7700
Seção
Artigos de Atualização