Responsabilidade social do farmacêutico à luz das experiências de pacientes: um estudo bioético

  • Mônica Cristina Sampaio Majewski Programa de Pós-Graduação em Bioética, Pontifícia Universidade Católica do Paraná,Curitiba, PR, Brasil
  • Thiago Rocha da Cunha Programa de Pós-Graduação em Bioética, Pontifícia Universidade Católica do Paraná,Curitiba, PR, Brasil
Palavras-chave: Serviços comunitários de farmácia. Bioética. Atenção farmacêutica.

Resumo

O acompanhamento farmacêutico é um dos serviços clínicos inerentes da profissão armacêutica consolidado recentemente. Esta pesquisa teve como objetivo analisar a responsabilidade social do farmacêutico a partir da experiência de pacientes atendidos em farmácia comunitária, identificando as experiências com o atendimento farmacêutico ao longo de sua vida adulta. Fez-se um estudo descritivo, exploratório, do tipo qualitativo a partir dos relatos de 15 usuários de uma farmácia universitária do município de Curitiba. Para tanto, foram utilizados dois  nstrumentos: um Protocolo de Registro de Atendimento Farmacêutico e um roteiro semiestruturado para condução das entrevistas. As experiências relatadas presentaram um farmacêutico ativo na sociedade, demonstrando a percepção quanto à qualidade geral de serviços farmacêuticos. Porém, ainda há questões importantes a serem considerados na atuação socialmente responsável destes profissionais, principalmente no que se referem aos serviços clínicos, como orientação e acompanhamento farmacoterapêutico, que busca otimização dos resultados terapêuticos, desenvolvendo hábitos de saúde, aumentando a qualidade de vida de toda a população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Cristina Sampaio Majewski, Programa de Pós-Graduação em Bioética, Pontifícia Universidade Católica do Paraná,Curitiba, PR, Brasil




Thiago Rocha da Cunha, Programa de Pós-Graduação em Bioética, Pontifícia Universidade Católica do Paraná,Curitiba, PR, Brasil



Referências

Aquino, DS, Barros, JAC, Silva, MDP. A automedicação e os acadêmicos da área de saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2010; 15(5):2533-2538.

Arrais, PSD, Coelho, HLL, Batista, MCDS, Carvalho, ML, Righi, RE, Arnau, JM. Perfil da Automedicação no Brasil. Rev Saúde Pública 1997; 31(1):71-77.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

Bergel, SD. Responsabilidad social y Salud. Revista Latinoamericana de Bioética 2007; 7(12):10-27.

Bertoldi, AD, Barros, AJD, Hallal, PC, Lima, RC. Utilização de medicamentos em adultos: prevalência e determinantes individuais. Rev Saúde Pública 2004; 38:228-238.

Brasil. Conselho Federal de Farmácia. Resolução 357 de 20 de abril de 2001.Diário Oficial da União. Brasília: 2001.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e omplementares no SUS: atitude de ampliação de acesso – Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso racional de medicamentos: temas selecionados – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Uso racional de medicamentos: temas selecionados – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Braz, M. A construção da subjetividade masculina e seu impacto sobre a saúde do homem: reflexão bioética sobre justiça distributiva. Ciência & Saúde Coletiva, 10(1):97-104, 2005

Cipolle, RJ, Strand, LM, Morley, PC. O exercício do cuidado farmacêutico. Revisão técnica: Conselho Federal de Farmácia, 2006.

Correr, CJ, Melchiors, AC, Otuki, MF. A Prática Farmacêutica na Farmácia Comunitária. Porto Alegre: [s.n.], 2013.

Drummond, JP. Bioética, dor e sofrimento. Cienc. Cult. [serial on the Internet]. 2011 [cited 2016 Nov 15]; 63(2): 32-37. Available from: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252011000200011&lng=en.

Fleith, VD, Figueiredo, MA, Figueiredo, KFLRO, Moura, EC. Perfil de utilização de medicamentos em usuários da rede básica de saúde de Lorena, SP. Ciênc.saúde coletiva. 2008; 13:755-762.

Forner, S, Silva, MS, Brzozowski, FS. Propaganda de medicamentos, automedicação e a ética farmacêutica: uma tríade farmacêutica. Artigo de revisão. Instituto Sallus, 2008.

Gimenes, FRE. Administração: não basta usar, é preciso conhecer a maneira correta.Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica 2016; 1(18).

Leite, SN, Vieira, M, Veber, AP. Estudos de utilização de medicamentos: uma síntese de artigos publicados no Brasil e América Latina. Ciênc. saúde coletiva. 2004; 13:793-802.

Matsuchita, HLP, Matsuchita, ASPA.Contextualização da Fitoterapia na Saúde Pública. Uniciências 2015; 19(1): 86-92.

Menguel, SS, Tavares, NUL, Costa, KS, Malta, DC, Júnior, JBS. Fontes de obtenção de medicamentos para tratamento de hipertensão arterial no Brasil: análise da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev. bras. epidemiol. 2015; 18 (2): 192-203.

Molina, LR, Finkler, M. Ética e prática profissional farmacêutica: um panorama das discussões em pauta. Bioética e Saúde Pública 2016; 1:145-163.

Oliveira, NA. Atenção Farmacêutica: considerações éticas na relação do profissional de saúde com o usuário de medicamento. Tempus, actas de saúde colet, Brasília, 9(2), 29-40, jun, 2015

Palodeto, MFT; Fischer, ML. A representação da medicamentação sob a perspectiva da Bioética. Saúde Soc. São Paulo, v.27, n.1, p.252-267, 2018.

Potter, V. R. Bioethics: bridge to the future. Prentice Hall, Englewood Cliffs (NJ), 1971.

Sampaio, PS, Sancho, LG, Lago, RF. Implementação da nova regulamentação para prescrição e dispensação de antimicrobianos: possibilidades e desafios. Cad. Saúde Colet. 2018, 26 (1): 15-22.

Santi, LQ. Prescrição: o que levar em conta? Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica 2016; 1(14).

Santos, PNM, Freitas, RF, Eduardo, AMLN. Automedicação infantil: conhecimento e motivação dos pais. Revista Multitexto 2015; 3(1).

Schuelter-Trevisol, F, Trevisol, DJ,Ung, GS, Jacobowski, B. Automedicação em universitários. Rev Bras Clin Med 2011; 9(6):414-7.

Semplici,S. El “más alto nivel posible”. Un derecho assimétrico. Acta Bioethica 2010; 16 (2): 133-141.

Tavares, NUL, Costa, KS, Vieira, MLFP, Malta, DC, Júnior, JBS. Uso de medicamentos para tratamento de doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol. Serv. Saúde 2015; 24(2): 315-323.

Triviños, ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação: o positivismo, a fenomenologia, o marxismo. Atlas 1987, 175p.

Unesco. Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos. 2005. Acessível em https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000146180_por

Unesco. Report of the international bioethics committee of Unesco on social responsibility and health. 2010. Acessível em http://www.atds.org.tn/Rapport_ComiteIntBioethique.pdf

Vianal, KP, Brito, AS, Rodrigues, CS, Luiz, RR. Acesso a medicamentos de uso contínuo entre idosos, Brasil. Rev Saúde Pública 2015; 49:14.

World Health Organization (WHO). Adherence to long-term therapies: evidence for action. Geneva: World Health Organization; 2003.

World Health Organization (WHO). Official Records of the World Health Organization, n.º 2, p. 100. United Nations, World Health Organization. Geneve, Interim Comission; 1948.

World Health Organization. The Rational use of drugs: report of the conference of experts. Nairóbi, 25-29 november 1985. Geneva: WHO; 1987.

World Health Organization (WHO). The role of the pharmacist in self-medication and self-care. Genebra: WHO; 1998. (WHO/DAP/09.13).

Publicado
2019-08-19
Como Citar
MajewskiM. C. S., & CunhaT. R. da. (2019). Responsabilidade social do farmacêutico à luz das experiências de pacientes: um estudo bioético. Revista Brasileira De Bioética, 15(1), 1-24. https://doi.org/10.26512/rbb.v15i1.26734
Seção
Artigos Originais