Recusa de procedimentos em Hospital de Reabilitação: análise bioética

  • Katia Torres Batista Rede Sarah de Hospitais
  • Ulises Prieto y Schwartzman Rede Sarah de Hospitais
  • Valney Claudino Sampaio Rede Sarah de Hospitais
  • Ana Caroline Leoncio Rede Sarah de Hospitais
  • Livia Penna Tabet Rede Sarah de Hospitais
  • Eliane Maria Fleury Seidl Rede Sarah de Hospitais
Palavras-chave: Recusa. bioética. Cuidados de enfermagem. reabilitação.

Resumo

Do ponto de vista bioético é importante analisar as causas de conflitos na recusa da realização de procedimentos durante a internação de pacientes em Hospital de Reabilitação. Objetiva-se descrever a recusa dos procedimentos em Hospital de Reabilitação e analise à luz da bioética. Questionários foram aplicados a enfermeiros sobre o motivo da recusa de procedimentos e as consequências no atendimento. De 190 internações durante um mês, 20 recusaram procedimentos na enfermaria, 55% mulheres, 61 anos de idade, 75% com grau de escolaridade até o ensino médio, 75% apresentavam comorbidades, 65% com indicação cirúrgica. O tempo de internação foi em média de 27,5 dias, 10% recusaram procedimentos, entre estes de locomoção e de enfermagem, obteve-se consenso em 50%, houve consequências no atendimento em 55% destes. Os profissionais de saúde estão cientes de que não é possível realizar cuidados sem o consentimento do paciente, todavia isso pode gerar impacto nos cuidados ao paciente. É importante que o paciente entenda as informações que lhe foram prestadas e as repercussões das suas decisões sobre o seu atendimento e tratamento, especialmente em reabilitação, que exigem cuidados duradouros ou permanentes, a depender do grau de dependência física e psíquica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katia Torres Batista, Rede Sarah de Hospitais

Rede Sarah de Hospitais. Brasília, DF, Brasil

Ulises Prieto y Schwartzman, Rede Sarah de Hospitais

Rede Sarah de Hospitais. Brasília, DF, Brasil

Valney Claudino Sampaio, Rede Sarah de Hospitais

Rede Sarah de Hospitais. Brasília, DF, Brasil

Ana Caroline Leoncio, Rede Sarah de Hospitais

Rede Sarah de Hospitais. Brasília, DF, Brasil

Livia Penna Tabet, Rede Sarah de Hospitais

Rede Sarah de Hospitais. Brasília, DF, Brasil

Eliane Maria Fleury Seidl, Rede Sarah de Hospitais

Rede Sarah de Hospitais. Brasília, DF, Brasil

Referências

ARN. Association of Rehabilitation Nurses. Competency Model for Professional Rehabilitation Nursing. Disponível em http://www.rehabnurse.org/uploads/

files/education/ARN_Rehabilitation_Nursing_Competency_Model_FINAL_-_May_2014.pdf.

Bacote JC. A model of practice to address Cultural Competence in Rehabilitation Nursing Rehabilitation Nursing 2001; 26 (1): 8-11

Beauchamp TL, Childress JF. Principios de ética biomédica. São Paulo: Loyola; 2002.p.45.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 564/2017. Aprova o novo Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. COFEN. Brasília 2017.

Coulter Angela, Paternalism or partnership? Patients have grown up-and there’s no going back. BMJ. 1999 Sep 18; 319(7212): 719-720.

Gracia D. La bioética médica. In: Organización Panamericana de la Salud. Bioética: temas y perspectivas. Washington: OPAS 1990: 3-7.

Hughes DB, Ullery BW, Barie PS. The contemporary approach to the care of Jehovah’s witnesses. J Trauma 2008; 65(1): 237-47.

Mallia P. Are clarifications on feeding and hydration in PVS needed by Catholic authorities? Med Health Care Philos 2013; 16(4): 795-806.

Mitello L.When the patient asks for counselling, when the patient doesn’t ask for counselling, when the patient refuses therapy. Prof Inferm 2004; 57(4): 216-21.

Oliveira VL, Pimentel D, Vieira MJ. O uso do termo de consentimento livre e esclarecido na prática médica. Revista Bioética 2010; 18(3): 705- 24.

Pellegrino ED. La relación entre la autonomia y la integridad en la ética médica. In: Organización Panamericana de la Salud. Bioética: temas y perspectivas. Washington: OPAS 1990: 8-17.

Pollock K, Wilson E. Care and communication between health professionals and patients affected by severe or chronic illness in community care settings: a qualitative

study of care at the end of life. Health Serv Delivery Res 2015;3:31.

Redley M, Keeley H, Clare I, Hinds D, Luke L, Holland A. Respecting patient autonomy: understanding the impact on NHS hospital in-patients of legislation and guidance relating to patient capacity and consent. J Health Serv Res Policy 2011;16(1):13-20.

Tomkowiak JM. How Do We Ethically Manage Patients Who Refuse Therapy? Rehabilitation Nursing 2004; 29 (3): 77-89.

Nunes R. Consentimento informado e boa prática clínica, Revista Julgar NE; 2014: 115-137 (2014B).

Wanssa MCD. Autonomia versus beneficencia. Rev. bioét (Impr.) 2011; 19(1): 105- 17.

White MJ. A Pilot for Understanding Interdisciplinary Teams in Rehabilitation Practice Rehabilitation Nursing 2013; 38: 142-152.

Publicado
2019-08-16
Como Citar
BatistaK. T., SchwartzmanU. P. y, SampaioV. C., LeoncioA. C., TabetL. P., & SeidlE. M. F. (2019). Recusa de procedimentos em Hospital de Reabilitação: análise bioética. Revista Brasileira De Bioética, 15(1), 1-18. https://doi.org/10.26512/rbb.v15i1.26668
Seção
Artigos Originais