A INDÚSTRIA CULTURAL E O CONCEITO DE ALIENAÇÃO

  • Stefane Katrini Koop Faculdade São Braz
Palavras-chave: Alienação, Indústria Cultural, Horkheimer, Adorno

Resumo

O presente trabalho visa abordar as consequências da Indústria Cultural nas produções estéticas e na
forma de compreensão de mundo dos indivíduos, tendo como base as considerações de Theodor
Adorno e Max Horkheimer apresentadas na obra Dialética do Esclarecimento (1944). Partindo do
conceito de Indústria Cultural, os autores tratam de aspectos concernentes à vida humana, tendo em
vista instrumentos de esclarecimento como o cinema, a música, etc. mostrando como ocorre o
obscurecimento de uma autenticidade nesses âmbitos em prol do capital. Com base nisso, buscar-se-á
expor, primeiramente, as consequências do mundo reificado na arte, elencando como isso se dá a partir
da instauração da Razão Instrumental. Posteriormente, discutir-se-á como os produtos mercantis levam
a anulação dos instrumentos de reflexão e na perda de subjetividade dos indivíduos, culminando na
construção de uma sociedade formada de modo alienado e padronizado, tendo como objetivo
ultrapassar um viés social da interferência desse sistema na concepção de arte, retomando uma
reflexão filosófica acerca de como tal problemática afeta a forma com que os indivíduos se relacionam
com o mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor W. Teoria Estética. Lisboa: Edições 70, 1970.

ADORNO, Theodor W. (et al.). Teoria da Cultura de Massa. Introdução, Comentários

e Seleção de Luiz Costa Lima. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

ADORNO, Theodor W. Teoria da semicultura. Educação e

Sociedade. 1996.

_______. Educação e emancipação. 2.

ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento.

Tradução de Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Coleção Os Pensadores)

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Tradução de Sérgio Paulo

Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DUARTE, Rodrigo A. de Paiva. Mímeses e Racionalidade. São Paulo: Loyola, 1993.

________. “O esquematismo kantiano e a crítica à indústria cultural”. In: Revista

Studia Kantiana, Campinas, n. 4 (1): 2003b .p. 85-105.

FREITAS, Verlaine. Adorno e a Arte Contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar

Editor, 2003.

HARRINGTON, Michael. O Crepúsculo do Capitalismo. Rio de Janeiro, Civilização

Brasileira, 1977.

HORKHEIMER, Max. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In: Coleção Os

Pensadores. São Paulo: Editora Abril, 1975.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valerio Rohden e

Antonio Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.

________. Crítica da razão pura. Tradução de Valerio Rohden e Udo B. Moosburger.

a ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991. (Coleção Os Pensadores)

_________. “Resposta à pergunta: O que é ‘Esclarecimento’? In: Textos Seletos.

Petropólis: Vozes, 1974. p. 100-117.

LOPARIC, Zeljko. A semântica transcendental de Kant. Campinas: Centro de Lógica,

Epistemologia e História da Ciência da UNICAMP, 2002. 123

MARQUES, Ubirajara Rancan. “Notas sobre o esquematismo na Crítica da Razão

Pura de Kant”. In: Revista Trans/Form/Ação. São Paulo, n. 18, 1995, p. 121-140.

MARX, Karl. Manuscritos Econômicos-Filosóficos. In: FROMM, Erich. Conceito

Marxista do Homem. 8ª edição, Rio de Janeiro, Zahar, 1983.

MARX, Karl. O Capital. Vol. 2. 3ª edição, São Paulo, Nova Cultural, 1988.

RABAÇA, Silvio Roberto. Variantes Críticas: a Dialética do

Esclarecimento e o Legado da Escola de Frankfurt. São Paulo: Annablume,

RÜDIGER, F. Comunicação e indústria cultural: a fortuna da teoria

crítica nos estudos de mídia brasileiros.

Revista Brasileira de Ciências da

Comunicação. 1998

RÜDIGER, Francisco. Comunicação e Teoria Crítica da Sociedade: Adorno e a

Escola de Frankfurt. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.

________. F. Comunicação e teoria crítica da sociedade:Adorno e a Escola de

Frankfurt. Porto Alegre, Edipucrs. 1999

_________. F. A Escola de Frankfurt. In: V.V. 2001. FRANÇA; A. HOHFELDT;

L.C. MARTINO (org.). Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis,

Vozes, p. 131-150.

THOMPSON, John. Ideologia e Cultura Moderna: Teoria Social Crítica na Área dos

Meios de Comunicação de Massa. Petrópolis: Vozes, 1995.

TROMBETA, Gerson Luís. A Racionalidade Artística como Contraponto À

Racionalidade Instrumental. Revista Filosofia e Ciências Humanas. Passo Fundo, Ano 11, Nº.

, Janeiro/Julho de 1995, p. 77-89.

Publicado
2019-02-28
Seção
Artigos