A PRESENÇA DO IDOSO NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO E OS RUMOS DOS MODELOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM

  • Luciana Lucci de Oliveira Universidade de Taubaté
  • Maria Aparecida dos Santos Sarraipo Universidade de Taubaté
  • Rosana Raymundo Salles Universidade de Taubaté
  • Marluce Auxiliadora Borges Glaus Leão Universidade de Taubaté
  • Maria Aparecida Campos Diniz de Castro Universidade de Taubaté 
  • Márcia Maria Dias Reis Pacheco Universidade de Taubaté 
Palavras-chave: Ensino Superior. Aprendizagem do Adulto. Políticas Públicas. Gerontologia Educacional.

Resumo

Este artigo investiga a presença do idoso no contexto da educação formal e apresenta as bases históricas do Ensino Superior no Brasil. Trata-se de um estudo documental sobre dados secundários do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Nacionais Anísio Teixeira (INEP), catalogados pelo Censo da Educação Superior de 2010, referentes ao número de matrículas, em Instituições brasileiras de Ensino Superior, de idosos ingressantes e concluintes. Para a sistematização dos dados, reuniram-se as faixas etárias a partir de 60 anos, utilizando-se, para a análise, de suporte teórico sobre os processos de desenvolvimento e aprendizagem do adulto. Os resultados mostram que 75% dos estudantes idosos ingressantes concluem o curso superior e a região sudeste tem o índice mais representativo dessa população.  Conclui-se que a recente presença dessa população na educação formal é um fenômeno com desdobramentos múltiplos, que requer adequação das políticas públicas às suas singularidades, especialmente em termos de práticas educativas e de processos de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Lucci de Oliveira, Universidade de Taubaté

Mestre em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais – Universidade de Taubaté.

Maria Aparecida dos Santos Sarraipo, Universidade de Taubaté

Mestre em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais –
Universidade de Taubaté – 

Rosana Raymundo Salles, Universidade de Taubaté

Mestre em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais – Universidade de Taubaté

Marluce Auxiliadora Borges Glaus Leão, Universidade de Taubaté

Docente do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais –PRPPG – Universidade de Taubaté 

Maria Aparecida Campos Diniz de Castro, Universidade de Taubaté 

Docente do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais –PRPPG – Universidade de Taubaté 

Márcia Maria Dias Reis Pacheco, Universidade de Taubaté 

Docente do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais –PRPPG – Universidade de Taubaté 

Referências

ALARCÃO, I. (Org.) Formação reflexiva de professores: estratégias de
supervisão. Porto: Porto, 1996.
BRASIL. Câmara dos Deputados. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes
e bases da educação nacional. Edições Câmara. 5. ed. Brasília, 2010. 60 p.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em:

Acesso em: 5 set. 2012.
BRASIL. Estatuto do Idoso. Ministério da Saúde. 1ª ed., 2ª reimpr. Brasília:
Ministério da Saúde, 2003. Disponível em:
. Acesso em: 20
ago. 2012.
CARMO. P. C. C. S. et al. Idoso Universitário: uma inclusão possível numa
sociedade contemporânea. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro,
Rio de Janeiro, 2007. Disponível em:
.>Acesso em: 25 ago. 2012.
CUNHA. M. V. O Manifesto dos Pioneiros de 1932 e a cultura universitária
brasileira razão e paixões. Revista Brasileira de História da Educação. v.8, n.2,
p. 133, 2008. Disponível em: <
http://www.rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/99>. Acesso em: 8 set.
2012.
D’ALENCAR. R. S. Ensinar a viver, ensinar a envelhecer: desafios para a
educação de idosos. Porto Alegre, v.4, p. 76, 2002. Disponível em:
. Acesso em: 12 set. 2012.
DEMO. P. Ensino Superior no Século XXI: Direito de Aprender. Reflexões. 2006
PUCRS – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Bento Gonçalves,
p. 27, 2005. Disponível em: 1/documentos/04-Ensino-Superior-no-Seculo-XXI-Pedro-Demo.pdf>. Acesso em: 15 set.
2012.
FAZENDA, Ivani (Orgs). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2010.
________________ Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. São Paulo: Loyola,
1991. Coleção Educar. v. 13.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Indicadores Sociais
Municipais: uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010.
Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica. Rio de janeiro,
nº 28, 2011, 149 p. Disponível em:
ociais_municipais/indicadores_sociais_municipais.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2012.
KOLLER, H. S. Biologia do desenvolvimento humano: tornando os seres
humanos mais humanos/ Urie Bronfenbrenner. São Paulo: editora Artmed, p.
138, 2011.
LEÃO. M. A. B. G. Educação permanente de adultos maduros, idosos e de
profissionais da área do envelhecimento: fundamentos para um projeto
pedagógico de extensão universitária. Revista de Extensão da Universidade de
Taubaté – Pró-Reitoria de Extensão e Relações Comunitárias. n. 1, Taubaté, 2008.
Disponível em: . Acesso
em: 20 set. 2012.
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas
Educacionais – INEP. Dados Estatísticos – 2010. Brasília. Disponível em:
. Acesso em: 22 jul. 2012.
PIAGET, J. Psicologia e pedagogia. Rio de Janeiro: Forense, 1970.
OLIVEIRA, C. S. O. O processo histórico do Estatuto do Idoso e a Inserção
Pedagógica na Universidade Aberta. Revista HISTEDBR, Campinas, SP, n. 28, p.
282, dez. 2007.
OLIVEIRA, M. K. Ciclos de Vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto.
Educação e Pesquisa. São Paulo, v.30, n.2, p.211-229, 2004.
OLIVEIRA, R. C.; SCORTEGAGNA, P. A.; OLIVEIRA, F. S. Mudanças sociais e saberes:
o papel da educação na terceira idade. RBCEH, Passo Fundo, v. 6, n. 3, p. 388,
set./dez. 2009.
________. Jovens e Adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem.
Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n.12, p. 59-73, 1999.
SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. 3ª ed. Campinas: Autores
Associados, 2010. (Memória da educação).
________. A expansão do ensino superior no Brasil: mudanças e continuidades.
Poíesis Pedagógica – v.8, n.2, p. 4-17, ago/dez.2010. Disponível em:
. Acesso
em: 12 set. 2012.
STEMBERG, R. J. Psicologia Cognitiva. (M. R. B. Osório, Trad.) Porto alegre: Artes
Médicas, 2000.
TAVARES, D. E. A presença do aluno idoso no currículo da universidade
contemporânea: uma leitura interdisciplinar. 2008. 284 p. Tese (Doutorado em
Educação: Currículo) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo,
2008.
VERAS, R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e
inovações. Revista de Saúde Pública. São Paulo, vol. 43, nº 3, p. 549, 17 abr.
2009. Disponível em: 89102009005000025&script=sci_arttext>. Acesso em: 8 julh. 2012.
VYGOTSKY, L. S; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. (Org). Linguagem,
desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1998. p. 103-117.
Publicado
2016-11-06
Como Citar
Oliveira, L., Sarraipo, M., Salles, R., Leão, M., Castro, M., & Pacheco, M. (2016). A PRESENÇA DO IDOSO NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO E OS RUMOS DOS MODELOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM. Revista Perspectivas Do Desenvolvimento, 4(5). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/perspectivasdodesenvolvimento/article/view/18847
Seção
Artigos